CASES ASSINALA CINQUENTENÁRIO DA MORTE DO PENSADOR

Legado de António Sérgio celebrado em 2019 com várias iniciativas

No ano em que passa meio século sobre o desaparecimento de António Sérgio, a CASES promove um vasto programa de ações a partir de 24 de janeiro, com destaque para a cerimónia que dará início ao tributo ao escritor, pensador e pedagogo e na qual será ainda entregue o Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio 2018.
Assim, a partir das 14h00, na sede da SPA – Sociedade Portuguesa de Autores haverá uma conferência, uma atuação musical e ainda a apresentação de um livro.
Após as boas-vindas, Guilherme d´Oliveira Martins, administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, fará uma alocução intitulada «António Sérgio - Vida e Obra», seguindo-se um momento musical pelo maestro Victorino De Almeida, que interpretará «Recueillement», com poema de Charles Baudelaire e música de Luiz de Freitas Branco (1909), uma obra dedicada a António Sérgio.
João Salazar Leite fará então a apresentação do livro «António Sérgio - Breves Percurso e Herança», terminando a cerimónia com a entrega do Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio 2018.
Na categoria «Inovação e Sustentabilidade» os vencedores «ex aequo» são a Coolabora, com o projeto «Troca a Tod@s», e a U.DREAM, com a iniciativa «Expansão da U.DREAM para a cidade de Aveiro».
Destaque para a Menção Honrosa atribuída à Casa do Povo de Abrunheira, pelo projeto «ArteMemória - Cuidar da memória através da arte», para além de outra para a Solidaried'arte, pelo projeto «Loja Eco Solidária Itinerante».
O «ArteMemória» é um projeto inovador de combate à demência, apostando em pinturas que retratam a memória coletiva dos utentes institucionalizados, aliando arte e terapia, com o propósito de prevenir, estabilizar e reabilitar estados demenciais, bastante comuns na comunidade sénior desta e de muitas outras associadas da CNIS.
Já na categoria «Estudos e Investigação», Vítor Manuel Figueiredo é o vencedor, com a tese de doutoramento em Gestão da Universidade da Beira Interior, intitulada «As Cooperativas como Alianças Estratégicas: Fatores de sucesso para a satisfação dos cooperadores vitivinícolas da região do Dão».
No capítulo dos «Trabalhos de Âmbito Escolar», o premiado é o Agrupamento de Escolas Conde de Ourém, com o projeto «AGIR».
Já na novel categoria de «Trabalhos Jornalísticos» venceram «ex aequo» Marta Gonçalves e Nuno Botelho pelo trabalho jornalístico, publicado no jornal Expresso, «Gente bonita come fruta feia: as virtudes da imperfeição», e Isabel Osório pela reportagem televisiva (SIC) «Os 25 Anos da Associação Abraço».
É também atribuída uma Menção Honrosa a Pedro Vasco Oliveira, pela grande reportagem «Confederação Portuguesa de Economia Social: Nascimento de uma organização impensável há pouco mais de um ano», publicada no jornal Solidariedade, na qual é abordado o percurso feito pela Economia Social e os seus principais agentes até à criação da Confederação.
Francisco Silva, secretário-geral da Confagri e recém-eleito presidente da Confederação Portuguesa de Economia Social, é o distinguido com o Prémio de Honra à Carreira «Personalidade da Economia Social» 2018.
Neste âmbito, Ivone Félix, coordenadora executiva da CERCIOEIRAS, é brindada com o Prémio de Honra à Capacidade Empreendedora.
O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva fará as honras de encerramento da sessão.
Mas o dia 24 de janeiro marcará apenas o arranque de outras iniciativas que assinalarão o cinquentenário da morte de António Sérgio.
A partir das 18h00, na Assembleia da República será inaugurada a exposição «Sérgio 19», que pretende responder a questões como «o que nos ficou da sua obra e trabalho, das suas reflexões e intenções» ou «das ideias cooperativistas, associações horizontais, economia social, do ensino autónomo?»
Se não conseguir responder, pelo menos a intenção é disponibilizar dados, documentos, notícias e objetos que visam propor ao visitante possibilidades de resposta.
Já no dia 31 de janeiro, a partir das 18h30, será altura para se conhecer o «Código Cooperativo Anotado», por Deolinda Meira e Elisabete Ramos, uma obra que “é muito mais do que um conjunto de anotações a uma lei aprovada pela Assembleia da República, o Código Cooperativo, mas “trata-se de um robusto contributo para a interpretação e compreensão de cada uma das normas que o integram”.

 

Data de introdução: 2018-12-13



















editorial

As nossas diferenças potenciam a coesão e a união

Discurso do Presidente da Mesa da Assembleia Geral da CNIS, José Carlos Batalha, por ocasião da tomada de posse dos órgãos sociais para o mandato 2019-2022. 

inquérito

Que expectativa tem para o ano de 2019?

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos: a crise do orçamento e o muro
Que um governo norte-americano fique temporariamente inoperacional, por via da não aprovação do seu orçamento, não constitui propriamente uma novidade. Que uma crise...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Obrigado, Padre Lino!
Ainda no rescaldo do sufrágio eleitoral na CNIS em que o Padre Lino Maia voltou a merecer, por voto secreto, a confiança das centenas de Instituições Particulares de...