CASES ASSINALA CINQUENTENÁRIO DA MORTE DO PENSADOR

Legado de António Sérgio celebrado em 2019 com várias iniciativas

No ano em que passa meio século sobre o desaparecimento de António Sérgio, a CASES promove um vasto programa de ações a partir de 24 de janeiro, com destaque para a cerimónia que dará início ao tributo ao escritor, pensador e pedagogo e na qual será ainda entregue o Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio 2018.
Assim, a partir das 14h00, na sede da SPA – Sociedade Portuguesa de Autores haverá uma conferência, uma atuação musical e ainda a apresentação de um livro.
Após as boas-vindas, Guilherme d´Oliveira Martins, administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, fará uma alocução intitulada «António Sérgio - Vida e Obra», seguindo-se um momento musical pelo maestro Victorino De Almeida, que interpretará «Recueillement», com poema de Charles Baudelaire e música de Luiz de Freitas Branco (1909), uma obra dedicada a António Sérgio.
João Salazar Leite fará então a apresentação do livro «António Sérgio - Breves Percurso e Herança», terminando a cerimónia com a entrega do Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio 2018.
Na categoria «Inovação e Sustentabilidade» os vencedores «ex aequo» são a Coolabora, com o projeto «Troca a Tod@s», e a U.DREAM, com a iniciativa «Expansão da U.DREAM para a cidade de Aveiro».
Destaque para a Menção Honrosa atribuída à Casa do Povo de Abrunheira, pelo projeto «ArteMemória - Cuidar da memória através da arte», para além de outra para a Solidaried'arte, pelo projeto «Loja Eco Solidária Itinerante».
O «ArteMemória» é um projeto inovador de combate à demência, apostando em pinturas que retratam a memória coletiva dos utentes institucionalizados, aliando arte e terapia, com o propósito de prevenir, estabilizar e reabilitar estados demenciais, bastante comuns na comunidade sénior desta e de muitas outras associadas da CNIS.
Já na categoria «Estudos e Investigação», Vítor Manuel Figueiredo é o vencedor, com a tese de doutoramento em Gestão da Universidade da Beira Interior, intitulada «As Cooperativas como Alianças Estratégicas: Fatores de sucesso para a satisfação dos cooperadores vitivinícolas da região do Dão».
No capítulo dos «Trabalhos de Âmbito Escolar», o premiado é o Agrupamento de Escolas Conde de Ourém, com o projeto «AGIR».
Já na novel categoria de «Trabalhos Jornalísticos» venceram «ex aequo» Marta Gonçalves e Nuno Botelho pelo trabalho jornalístico, publicado no jornal Expresso, «Gente bonita come fruta feia: as virtudes da imperfeição», e Isabel Osório pela reportagem televisiva (SIC) «Os 25 Anos da Associação Abraço».
É também atribuída uma Menção Honrosa a Pedro Vasco Oliveira, pela grande reportagem «Confederação Portuguesa de Economia Social: Nascimento de uma organização impensável há pouco mais de um ano», publicada no jornal Solidariedade, na qual é abordado o percurso feito pela Economia Social e os seus principais agentes até à criação da Confederação.
Francisco Silva, secretário-geral da Confagri e recém-eleito presidente da Confederação Portuguesa de Economia Social, é o distinguido com o Prémio de Honra à Carreira «Personalidade da Economia Social» 2018.
Neste âmbito, Ivone Félix, coordenadora executiva da CERCIOEIRAS, é brindada com o Prémio de Honra à Capacidade Empreendedora.
O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva fará as honras de encerramento da sessão.
Mas o dia 24 de janeiro marcará apenas o arranque de outras iniciativas que assinalarão o cinquentenário da morte de António Sérgio.
A partir das 18h00, na Assembleia da República será inaugurada a exposição «Sérgio 19», que pretende responder a questões como «o que nos ficou da sua obra e trabalho, das suas reflexões e intenções» ou «das ideias cooperativistas, associações horizontais, economia social, do ensino autónomo?»
Se não conseguir responder, pelo menos a intenção é disponibilizar dados, documentos, notícias e objetos que visam propor ao visitante possibilidades de resposta.
Já no dia 31 de janeiro, a partir das 18h30, será altura para se conhecer o «Código Cooperativo Anotado», por Deolinda Meira e Elisabete Ramos, uma obra que “é muito mais do que um conjunto de anotações a uma lei aprovada pela Assembleia da República, o Código Cooperativo, mas “trata-se de um robusto contributo para a interpretação e compreensão de cada uma das normas que o integram”.

 

Data de introdução: 2018-12-13



















editorial

GARANTIR OS VALORES COM SUSTENTABILIDADE (Seminário - conclusões)

As Instituições enfrentam constrangimentos que poderão colocar em causa a sua sustentabilidade, e que resultam, nomeadamente: do modo de criação das IPSS. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A Europa fabrica mais caixões do que berços
A Europa apresenta a maior perda de população da história moderna. A Alemanha já tem a menor taxa de natalidade do mundo. Nas últimas seis décadas, a...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Índia: as preocupações de cristãos e muçulmanos
Durante muitos anos, o nacionalismo foi entendido como uma das manifestações da afirmação de qualquer povo no mundo. Embora não se trate de conceitos totalmente...