RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃO

Aumento do número de beneficiários

O número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) chegou aos 222.576 em julho, mais 249 do que em junho e mais 14.407 do que em julho de 2017, só se registando valores semelhantes em 2014.

De acordo com os dados estatísticos mais recentes do Instituto de Segurança Social (ISS), o mês de julho registou 222.576 beneficiários do RSI, depois de no mês de junho terem sido 222.327, o que representa um aumento de 0,1%.

Já em comparação com o período homólogo do ano passado, a variação percentual foi de 6,9%, já que em julho de 2017 havia 208.169 pessoas a receber esta prestação social.

Valores semelhantes aos do mês de julho só são possíveis de encontrar em 2014, quando se registou uma média de 222.391 beneficiários entre os meses de fevereiro, março, abril e maio desse ano.

Os dados do ISS mostram, por outro lado, que o número de famílias diminuiu entre junho e julho, havendo agora menos 370 agregados a receber o RSI, depois de em junho terem sido 102.128.

No entanto, em comparação com o mês de julho de 2017, a constatação é a oposta, já que passaram a existir mais 7.071 famílias com direito a esta prestação social.

No que diz respeito à distribuição geográfica, a maior parte dos beneficiários do RSI estão nos distritos do Porto (64.427), Lisboa (40.354), Setúbal (20.584) e na Região Autónoma dos Açores (18.229).

Distribuição semelhante entre as famílias, já que a maior parte está concentrada nos distritos do Porto (30.765), Lisboa (18.359) e Setúbal (9.127).

Quantos aos valores monetários, no mês de julho os beneficiários receberam em média 114,82 euros, enquanto nas famílias foi de 257,96 euros.

 

Data de introdução: 2018-08-22



















editorial

Os pobres e as Instituições de Solidariedade

(...) Se o Sector Social e Solidário é um muito importante pilar do Estado Social, corre sérios riscos de colapso porque o Estado não está a corresponder às expectativas criadas aquando da celebração do Pacto de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: uma outra deriva?
Em democracia, nada é definitivo. E nada é definitivo, porque a democracia pressupõe a realização cíclica de eleições, e os resultados dessas...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Greves e serviços mínimos...
Após um longo tempo de quase ausência de greves, proeza atribuída às políticas de reversão de direitos dos trabalhadores e, em geral, de todos os portugueses...