ESCOLAS DO PORTO

Maioria dos alunos contra violência doméstica e no namoro

Mais de 86% dos alunos de sete escolas do Porto manifesta ser contra a violência doméstica e no namoro, revela um estudo promovido por uma associação de defesa dos direitos das mulheres, que abrangeu cerca de 500 estudantes.

Denominado Projeto Beija-Flor 2.0. e promovido pela Associação Democrática de Defesa dos Interesses e da Igualdade das Mulheres (ADDIM), o estudo decorreu nos últimos dois anos "em sete escolas do Grande Porto", abrangendo "mais de 500 crianças e jovens", incluindo "turmas desde o pré-escolar até ao 3.º ciclo", afirma, em comunicado enviado à Lusa, a associação.

"Desenvolver uma maior consciência acerca de diversas formas de vitimação a que estão vulneráveis nas suas faixas etárias, desconstruir crenças de género e acerca da violência que legitimem a prática de comportamentos abusivos", seja no "namoro, contexto escolar ou no âmbito doméstico" através do 'bullying/cyberbullying', são alguns dos objetivos deste projeto.

O projeto, de acordo com o documento, visa ainda "desenvolver competências pessoais e sociais, nomeadamente de comunicação e resolução de problemas, que os/as tornem cidadãos mais ativos, conscientes e menos vulneráveis à vitimação".

De acordo com as conclusões, "mais de 86% dos/as alunos/as são intolerantes a crenças legitimadoras da violência doméstica e/ou no namoro, mais de 85% revela concordância com afirmações que traduzem um relacionamento interpessoal ajustado, mais de 70% dos intervencionados posicionam-se a favor da igualdade de género e mais de 70% são intolerantes a crenças legitimadoras do 'bullying'".

Tendo como prática avaliar os alunos no início e no final de cada ano letivo, o projeto concluiu "no final da participação no projeto" que "96,5% dos/as alunos do 1.º ciclo intervencionados é favorável a crenças igualitárias sobre Direitos Humanos (contra os 90,9% registados inicialmente), 80% dos/as alunos é favorável a crenças igualitárias de género (vs. 60,2% inicialmente) e 85,9% dos/as alunos/as revela concordância com afirmações que traduzem um relacionamento interpessoal ajustado (contra os 64,7% inicialmente).

O documento refere ainda que "97,7% das crianças revela concordância com afirmações que traduzem um bom conhecimento sobre o seu corpo e sexualidade (vs. 80,8% inicialmente), resultados que a ADDIM considera "cruciais para a prevenção de abuso sexual".

Os números mostram também uma evolução favorável no 2.º ciclo, com "73,3% dos/as alunos favorável a crenças igualitárias de género (vs. 67,6% inicialmente), 86,7% dos/as alunos é intolerante a crenças legitimadoras da violência doméstica e/ou no namoro (vs. 82,4% inicialmente), 76,7% dos/as alunos é intolerante a crenças legitimadoras do bullying (vs. 55,9% inicialmente) e 90% dos/as alunos/as revela concordância com afirmações que traduzem um relacionamento interpessoal ajustado (vs. 70,6% inicialmente)".

No 3.º ciclo do ensino básico os números mostram que 94,7% dos/as alunos é favorável a crenças igualitárias de género (vs. 83,3% inicialmente), 89,5% dos/as alunos é intolerante a crenças legitimadoras da violência doméstica e/ou no namoro (vs. 77,8% inicialmente), 71,1% dos/as alunos é intolerante a crenças legitimadoras do bullying (vs. 61,1% inicialmente) e 86,9% dos/as alunos/as revela concordância com afirmações que traduzem um relacionamento interpessoal ajustado (vs. 83,3% inicialmente).

Chamando a atenção para o facto de que em "Portugal tem-se privilegiado a utilização de estratégias de prevenção secundária e terciária, que têm lugar apenas quando o problema se encontra instalado", a presidente da ADDIM, Carla Mansilha Branco, disse à Lusa que a estratégia deste projeto é fazer "prevenção primária".

 

Data de introdução: 2018-08-17



















editorial

As nossas diferenças potenciam a coesão e a união

Discurso do Presidente da Mesa da Assembleia Geral da CNIS, José Carlos Batalha, por ocasião da tomada de posse dos órgãos sociais para o mandato 2019-2022. 

inquérito

Que expectativa tem para o ano de 2019?

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos: a crise do orçamento e o muro
Que um governo norte-americano fique temporariamente inoperacional, por via da não aprovação do seu orçamento, não constitui propriamente uma novidade. Que uma crise...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Obrigado, Padre Lino!
Ainda no rescaldo do sufrágio eleitoral na CNIS em que o Padre Lino Maia voltou a merecer, por voto secreto, a confiança das centenas de Instituições Particulares de...