PORTUGAL 2030

Governo quer contributos de todos os atores económicos e sociais

Numa missiva enviada pelo gabinete do ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, o Governo exorta “todos os atores económicos e sociais” a darem os seus contributos para a Estratégia Nacional para o Portugal 2030.
É um desafio para a participação no Futuro da Política de Coesão, ou seja, na reflexão estratégica sobre o futuro de Portugal no médio e longo prazo, que “é um exercício da maior importância, que o Governo quer realizar de forma abrangente, envolvendo os mais variados atores económicos e sociais”.
A intenção do Governo é que a discussão se reflita nos grandes objetivos para o País, bem como na orientação das políticas públicas que para eles concorrem.
O debate tem também o propósito de preparar o próximo período de programação dos fundos da União Europeia, que deverá subordinar-se aos objetivos e opções que venham a ser definidos na estratégia para o País.
Neste sentido, o Governo está a realizar um conjunto de audições e consultas públicas, que arrancaram, no passado dia 12 de setembro, com a reunião plenária do Conselho Económico e Social, para discutir a Estratégia Nacional para o Portugal Pós 2020.
Por considerar que é importante conhecer a opinião de todos, o Governo convida todos os atores económicos e sociais a darem os seus contributos por escrito, através do sítio da Internet do Portugal 2030 (http://www.portugal2030.pt/).

 

Data de introdução: 2017-11-17



















editorial

PILAR DO ESTADO SOCIAL

(...)O orçamento do Estado para este ano incluía uma despesa global para a Educação de 6.173 milhões de euros enquanto a despesa total consolidada do Programa da Saúde prevista e inscrita no mesmo orçamento é de 10.289,5...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

“ HÁ UM TEMPO PARA TUDO…” (Eclesiastes 3. 1-22)
Ora cá está uma mensagem bíblica capaz de inspirar mudanças significativas nos estilos de projetos de vida de pessoas, famílias e da própria comunidade...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Democracia: das escolhas ao arrependimento
Aquilo que caracteriza imediatamente um regime democrático é a possibilidade de os cidadãos escolherem os seus representantes nos órgãos do poder, o que normalmente...