I CONGRESSO NACIONAL DA ECONOMIA SOCIAL

Confederação da Economia Social Portuguesa nasce até 31 de março

Um ano após ter sido lançado o desafio no decorrer de um fórum no âmbito do «Portugal Economia Social – Encontro do Empreendedorismo e Inovação Social», o I Congresso Nacional da Economia Social realizou-se e teve como ponto alto a assinatura da Carta de Compromisso da constituição da Confederação da Economia Social Portuguesa, a cumprir até ao próximo dia 31 de março.
É o corolário de quatro sessões temáticas preparatórias e uma série de reuniões dos membros do CNES – Conselho Nacional da Economia Social, no âmbito da Comissão Organizadora do Congresso, durante as quais foi possível identificar de forma mais clara tudo aquilo que une e aproxima as diferentes e diversas famílias da Economia Social, que Rui Namorado, professor especialista em Economia Social, designou por “constelação de esperanças”.
A sessão final do Congresso, realizada no grande auditório do ISCTE-IUL, serviu para reafirmar a importância da Economia Social em Portugal e a necessidade desta ter um maior reconhecimento nacional e europeu.
Depois de um longo dia de debate e discussão de temas como a Lei de Bases, desenvolvimento e emprego, as instituições financeiras, os desafios europeus da Economia Social, o Congresso abordou o presente e futuro, com intervenções de todos os presidentes das oito organizações que no final assinaram a Carta de Compromisso para a criação da Confederação da Economia Social Portuguesa (CESP).
Transversal a todas as intervenções foram as questões da diversidade, da autonomia, da identidade, da convergência e das vantagens que as oito entidades signatárias poderão retirar de uma organização que quer ter um lugar no Conselho Económico e Social, ao lado de sindicatos, patrões e Governo, e que pode chegar a fundos europeus que individualmente elas não conseguiriam.
O presidente da CNIS começou por fazer uma breve resenha histórica da génese e da sustentação constitucional das IPSS, lembrou a importância da cooperação com o Estado e as muitas áreas que as instituições trabalham nas comunidades locais, sublinhando que “as IPSS são para as pessoas” e “por isso seduzem as organizações que visam o lucro para a sua responsabilidade social” e “sentem-se bem ao lado das associações de desenvolvimento, das cooperativas, das mutualidades, das fundações, das coletividades de cultura, recreio e desporto, que como as IPSS, como são também as misericórdias, são economia social, economia de pessoas, com as pessoas e para as pessoas”.
A terminar, o padre Lino Maia afirmou ainda que, “porque a comunhão é sempre muito mais do que a soma das partes enquadradas, a CNIS colaborou na promoção do Congresso e na CESP e certamente contará com o aval das suas filiadas para ser muito ativa e autónoma na Confederação”.
Também Luís Braga da Cruz, líder do Centro Português de Fundações, sublinhou que “vale a pena vivermos nesta diversidade e aproveitar o que cada uma das organizações tem de melhor”, lembrando que “a CESP só pode falar a uma só voz naquilo que as famílias têm em comum”.
Já Manuel Santos Gomes, da Confagri, mostrou-se convicto que a nova Confederação “não vai tirar espaço, nem autonomia a nenhuma das organizações, mas será um importante interlocutor do Governo”, enquanto Marco Domingues, da Animar, considerou que “o que une as diferentes famílias é a missão e na cooperação todos temos a ganhar, pelo que a CESP dará a convergência necessária para se conseguir mais”.
Neste sentido foi também a intervenção de Luís Alberto Silva, da União das Mutualidades Portuguesas, que relevou o papel “muito importante que a CESP poderá ter na negociação do Portugal 2030”, porque “juntos seremos sempre muito mais fortes”, ideia corroborada por Rogério Cação, da Confecoop, que notou: “Todos reconhecem a importância da Economia Social, mas demora a haver consequências práticas. E, lembrem-se, esta união não vai acabar com os problemas individuais!”.
Augusto Flor, da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto (CPCCRD), recordou “um ano de intenso trabalho”, “uma extraordinária experiência de interação entre entidades que mantêm a sua identidade e independência”, lamentando a ausência da Comunicação Social nacional.
Por seu turno, Manuel Lemos, da União das Misericórdias Portuguesas, frisou a “resiliência” das instituições sociais e a longa história das santas casas e deixou um desafio a todos: “Vamos ter pedras no caminho, mas vamos juntá-las e construir o castelo da Economia Social”.
Findas as intervenções, moderadas por Fernanda Freitas, foi tempo de compromisso, com os oito signatários a colocarem a chancela no documento que os incumbe da criação da Confederação da Economia Social Portuguesa (CESP), até 31 de março de 2018, cujos princípios orientadores são: “A Confederação organiza e prossegue a sua atividade de acordo com os princípios da autonomia, da independência e da democraticidade, sendo independente do Estado, bem como de quaisquer organizações político-partidárias e confissões religiosas e prossegue o seu objeto e fins no estrito respeito do princípio da subsidiariedade, que se traduz na não sobreposição relativamente ao objeto e fins prosseguidos pelas suas associadas”.
No seio da CNIS a decisão de adesão à CESP está marcada para uma Assembleia Geral Extraordinária, a ser agendada por Manuela Mendonça, presidente da Mesa da Assembleia Geral, dando cumprimento à vontade das associadas expressa na pretérita Reunião Magna, ou seja, que a mesma fosse adiada para que o debate fosse aprofundado.
Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, encerrou os trabalhos, afirmando que “a Economia já não dispensa a Economia Social”, afirmando: “Sempre me fez confusão a fragmentação deste setor, por isso acho este processo do Congresso e da Confederação decisivos para o futuro. O País precisa de vós”.
Já na abertura do Congresso, Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, havia elogiado o trabalho desenvolvido pelas entidades envolvidas na organização do fórum e na criação da Confederação: “Encontrar o cimento organizador destas diferentes famílias e um projeto comum, que respeite as diferenças e encontre um caminho comum é uma grande obra”.
Do I Congresso Nacional da Economia Social saiu ainda um conjunto de Recomendações, que são acima de tudo questões que as organizações da Economia Social querem ver implementadas e outras que estão dispostas a realizar para que o setor se fortaleça e cresça ainda mais, ganhando o reconhecimento que lhe é devido, destacando que "a Economia Social é feita de pessoas, para pessoas e com as pessoas”.

 

Data de introdução: 2017-11-15



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...