ROTASS - REDE OPERACIONAL E TÉCNICA DE APOIO AO SETOR SOLIDÁRIO

Plataforma está funcional e aguarda contributos das instituições

Estabelecer redes de cooperação, incorporar a inovação e o empreendedorismo social e a eficiência e a eficácia na gestão interna, diversificar as fontes de financiamento e estabelecer parcerias são, e têm sido, algumas das novas formas de atuação encontradas pelas instituições no sentido de dar resposta às contínuas transformações operadas na sociedade, seja a nível económico, social e legal, entre outros.
Nesse sentido, consciente desta realidade e da necessidade de ajudar a capacitar as IPSS para os desafios emergentes, a CNIS está a desenvolver o projeto ROTASS (Rede Operacional e Técnica de Apoio ao Setor Solidário), que pretende promover uma rede de intercâmbio de informação e de partilha de recursos e boas práticas, a fim de facilitar e intermediar interações entre as instituições do Setor Social Solidário, em especial aquelas vinculadas às Uniões Distritais e/ou à CNIS.
É ainda objetivo da ROTASS, potenciar uma maior capacitação institucional da CNIS, de forma a melhorar a intervenção junto das associadas, desenvolvendo um trabalho mais qualificado e diferenciador, com um acompanhamento técnico e operacional de proximidade e de apoio contínuo às instituições.
A ferramenta de suporte desta rede é uma plataforma web (www.rotass.cnis.pt). Os responsáveis da CNIS esclarecem que a plataforma não é em si mesma «a rede», mas o instrumento de suporte à criação, dinamização e fortalecimento da pretendida rede colaborativa das instituições e das pessoas. Será através das interações entre as instituições que o Setor Social Solidário será fortalecido e as IPSS qualificadas, a sua atividade promovida e a sua imagem junto das comunidades melhor projetada.
A plataforma está acessível a todos, sendo que na área pública é possível encontrar informação diversa, legislação, boas práticas, biblioteca digital e uma lista de vagas nas respostas sociais, enquanto na área privada (acessível apenas às IPSS associadas das Uniões Distritais e/ou da CNIS e previamente registadas), para além da informação da área aberta, contém mais cinco menus: bolsa de bens e serviços; diretório de fornecedores; bolsa de auditores e formadores; respostas sociais; e um fórum.
De sublinhar que o acesso à área reservada da plataforma é gratuito para todas as instituições que vejam o seu pedido de registo aprovado pela respetiva UDIPSS. Nos casos da sua inexistência será pela CNIS.
A sustentabilidade das instituições é uma questão permanentemente em cima da mesa, mas a todas é pedido que mantenham (ou aumentem) o seu nível de resposta aos seus públicos com os mesmos recursos. Neste prisma, a partilha e cooperação entre instituições ganha uma relevante importância para a manutenção e fortalecimento de cada uma das instituições e de todo o Setor Social Solidário.
Assim, os dirigentes da CNIS têm apelado à adesão das instituições à ROTASS, na qual a partilha de recursos humanos e materiais gerando diminuição de custos, o acesso a uma rede de profissionais qualificados que trabalham no Setor Social Solidário e que numa ótica de trabalho em rede e parceria podem efetuar auditorias ou ministrar formação noutras instituições, a participação em fóruns de discussão e o esclarecimento sobre temáticas importantes para o funcionamento das instituições são alguns dos ganhos que as IPSS podem retirar da plataforma.
A ROTASS dará ainda acesso a uma plataforma de e-learning que está a ser desenvolvida com a finalidade de disponibilizar um conjunto de ações de formação relevantes para o Setor e para as instituições aderentes.
No fundo, com a implementação da ROTASS a CNIS pretende constituir um pilar estruturante em termos de atividades a desenvolver no contexto da Economia Social. No entanto, fator determinante para o sucesso do projeto é a efetiva constituição de uma rede continuada de colaboração e partilha entre as instituições.
Tal como referiu Palmira Macedo, assessora da CNIS, no último Conselho Geral, agora é preciso divulgar a plataforma junto das instituições e estimular a sua participação, pois “é necessário que se comece a utilizar a plataforma”, dando a conhecer o que se faz e como se faz e partilhando problemas, preocupações e necessidades para em rede se encontrarem as melhores respostas.

 

Data de introdução: 2017-11-09



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...