JUNHO 2017

Madeira solidária

1. Em termos de percentagem populacional, a Região Autónoma da Madeira (RAM) tem 2,5% da população portuguesa (270.000 habitantes) - população um pouco superior à do distrito de Viana do Castelo (2,3%).  E a sua densidade populacional é de 334,5 habitantes por Km2 - um pouco superior, por exemplo, à do distrito de Braga (317,4 por Km2). Por distritos (20), a RAM ocupa o 11º lugar no todo nacional, tendo o dobro da população de Bragança e metade da população do distrito de Aveiro.
No que diz respeito a Instituições de Solidariedade, a RAM tem uma União das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UIPSS-Madeira), que congrega a grande maioria das Instituições e que está muito bem associada na CNIS.
No que às IPSS concerne, por ali verifica-se o mesmo que acontece por todo o território nacional: capilaridade, caridade, cidadania, gratuitidade, opção preferencial pelos mais carenciados, solidariedade e subsidiariedade. Características comuns. Com acordos de cooperação com a Segurança Social, haverá 81 Instituições: 32 associações e 12 fundações de solidariedade social, 13 centros sociais paroquiais, 8 institutos de organização religiosa, 4 misericórdias, 11 casas do povo e uma mutualidade.
Como por todo o território nacional, as Instituições de Solidariedade da RAM intervêm nas áreas da educação, da proteção social, da saúde e do desenvolvimento local. São Instituições com respostas para acolhimento institucional para crianças e jovens em perigo, de alojamento social de emergência, cantinas sociais, casas abrigo, centros (de acolhimento, de convívio e de dia para pessoas idosas, de apoio à vida e a toxicodependentes, de apoio familiar e aconselhamento parental, comunitários e protocolares, de atividades ocupacionais e de tempos livres), creches, cuidados continuados integrados, jardins de infância, lares (de infância, juventude ou pessoas idosas), serviços de apoio domiciliário...  São Instituições que têm permitido a muitas crianças crescer no sentido da plenitude, a muitos jovens valorizarem-se na promoção da cidadania, a muitas pessoas com deficiência serem valorizadas como merecem e serem integradas na comunidade como urge e a muitos idosos verem reconhecido o seu percurso e encontrarem uma qualidade de vida que os agarra à vida e os faz saber continuar a sonhar.

2. Entre os dias 28 de Maio (Porto Santo) e 2 de Junho (Funchal), a Chama da Solidariedade percorreu todos os onze concelhos da Região Autónoma da Madeira. E no dia 2 decorreu a Festa da Solidariedade no Funchal.
Foi a 11ª edição de uma experiência com sucesso espectável e constante, graças à competência de um dirigente da CNIS (Dr. Eleutério Alves) e da sua bem estruturada equipa. Muito embora seja desajustado dimensionar sucessos, ali, na Madeira,  e com o total empenhamento da UIPSS, o sucesso foi bem manifesto. Grande adesão, grande envolvimento e grande comunhão. Autarcas e Comunidades, Escolas e Organizações, Instituições, Dirigentes, Colaboradores e Utentes, todos deram alegria e cor, determinação e esperança, movimento e vida, tanto no percurso da Chama da Solidariedade como à Festa da Solidariedade. A receção da Chama no Jardim Municipal foi seguramente um momento que, por ter sido tão empolgante, será também referencial.
Por ali, a Chama da Solidariedade deixou a certeza de que fazer o bem dá prazer. E a Festa da Solidariedade acrescentou que a felicidade está no fazer o bem cada vez mais e cada vez melhor...

3. A Região Autónoma da Madeira tem dado sobejas provas de resiliência e de capacidade para vencer as dificuldades que ciclicamente enfrenta.
Confronta-se agora com mais um desafio. Difícil, mas que certamente saberá abraçar: o do acolhimento dos "regressados", vindos da instabilidade na Venezuela.
Se o Governo Regional e os Autarcas já estão a desenvolver algumas e boas iniciativas para enfrentar esta nova situação, mais iniciativas poderão ser encaradas. Como, por exemplo, a da promoção do emprego público temporário para os regressados, nomeadamente de cidadãos com menores a seu cargo, pois a estes estaria mais premente a necessidade de um equilíbrio familiar e ao mesmo tempo uma estadia mais contributiva para o mercado/trabalho: o emprego público com destacamento em IPSS seria uma medida séria, cooperante e útil para o contexto de uma comunidade que urge (re)construir. Também aí, e não só, o Governo e os Autarcas poderão contar com a disponibilidade das IPSS. Importa, porém, que através da sua União, as Instituições sejam chamadas a participar num Programa de Emergência.
Um outro desafio poderá ser, também, o do aprofundamento da Cooperação quando parece estar em mudança o modelo de cooperação.
A proximidade tem uma medida: nem tão longe que se não veja, nem tão perto que abafe... Há provavelmente uma filosofia a instaurar na revisão e na tipificação de acordos de cooperação. Uma filosofia sem intérpretes de comunhão e representação pode provocar afastamentos de alguns e excessivos aproveitamentos e fidelizações de outros.  A União das Instituições Particulares de Solidariedade da Madeira, que já é importante agente de formação, movimentação e qualificação, e por representar quem representa e por ser orientada como é, é um interlocutor que  pode contribuir para uma boa filosofia no estabelecimento de novos acordos, no  alargamento ou revisão de outros acordos, e na tipificação de muitos outros acordos.
Um outro desafio que se perfila é o de integrar "outras" distâncias: muito do que se aprofunda na Cooperação por aqui (no Continente) tem aplicabilidade adaptada por lá (nas regiões). Talvez também seja chegado o momento de, periodicamente, as Regiões Autónomas terem alguma voz em sede de Cooperação.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2017-06-08



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....