FESTA DA SOLIDARIEDADE - MENSAGEM DO PRESIDENTE DA UIPSS MADEIRA

Chama sempre viva. A Festa do compromisso

1. A Génese. Na origem das nossas instituições uma chama se acende na alma daqueles e daquelas que lhe dão corpo: a utopia de incluir e integrar todas as pessoas, o sonho da solidariedade, a missão da justiça e da coesão social.

2. O que a chama da solidariedade não é. Não é um fogo fátuo, um espectáculo pirotécnico para dar nas vistas, um evento social para escamotear a falta de compromisso, um caridadezinha balofa e hipócrita para descargo das consciências. Fiquemos com esta elucidativa história de Quino, criador argentino de Mafalda, a contestatária. Numa das suas hilariantes e lúcidas tiras pôs Susaninha a dizer à amiga: “Também fico com a alma ferida quando vejo os pobrezinhos, acredita! Mas quando formos senhoras faremos uma associação de caridade. E organizaremos chás e banquetes com perú, lagosta, leitão... para arranjarmos fundos para comprarmos farinha, massa, pão e essas coisas que comem os pobres. Mais, faremos corridas, campanhas, marchas, etc....para darmos a entender à populaça que fazemos muito por eles”.

3. A Chama do compromisso efectivo e afectivo. Momento a momento, hora a hora, dia a dia, a chama que se acende no coração das nossas instituições é o empenhamento efectivo e o envolvimento afectivo com as pessoas - crianças, jovens, adultos, famílias, doentes, idosos, solitários. O nosso compromisso é sobretudo e preferencialmente com os marginalizados e os que se sentem marginalizados, as “sobras”.

4. A Chama da solidariedade tem de ser solidária e cooperante. Qualquer chama isolada, diminui de intensidade e apaga-se. Qualquer instituição encerrada sobre si mesma, sem articulação, sem cooperação, autodestrói-se. As intuições do sector social e solidário são, e terão cada vez mais de ser, por natureza e identidade, solidárias e amigas umas das outras. Neste âmbito, a cooperação e a parceria activa com as entidades governativas e outras é fundamental para dar cumprimento à sua missão e actuação. Há muito caminho por fazer, pistas por abrir e novas soluções a encontrar...

5. A Chama que se reinventa. As sociedades mudam. As pessoas modificam-se. As questões e as problemáticas sociais alteram-se permanentemente. As nossas organizações têm o imperativo de se renovar permanentemente, tomar novas iniciativas, abrir novos horizontes, inventar novas metodologias e actuações. Reinventar-se para melhor servir!

6. Que a Chama esteja sempre viva. “Nenhuma faca corta o fogo”. Com esta expressão de Herberto Hélder, expressamos o nosso voto de que nada nem ninguém apague e estrague a chama da solidariedade que esteve na génese, que alenta o compromisso permanente e quotidiano das pessoas que dão corpo e vida às nossas instituições. Que saibamos festejar a solidariedade e que a festa seja um fôlego e um alento novos para o nosso compromisso empenhado, constante e solidário.

Francisco Caldeira (Presidente da UIPSS Madeira)

 

Data de introdução: 2017-05-19



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....