JOSÉ FIGUEIREDO

O Livro Branco sobre o Futuro da Europa

A Comissão Europeia publicou um Livro Branco sobre o Futuro da Europa. Felizmente que, ao contrário do documento chamado dos 5 Presidentes, publicado em meados de 2015 e que ainda navegava nas águas turvas de “mais Europa”, o Livro Branco aceita que devemos pôr tudo em causa e debater mesmo os cenários mais radicais.
Infelizmente foi necessário o Brexit e o ascenso dos populismos, para que os cabeças-duras de Bruxelas percebessem que já não é mais possível a uma qualquer vanguarda voluntarista (por mais bem-intencionada que seja) empurrar o processo de integração ignorando o sentimento popular.
As causas da desilusão com a integração europeia são variadas. Algumas nem sequer são especificamente europeias. A distribuição assimétrica dos benefícios da globalização (aumento da desigualdade) e o fim do mito da mobilidade social ascendente (desigualdade incurável), ajudaram a eleger Donald Trump nos Estados Unidos tal como ajudam a engordar o pecúlio eleitoral de Geert Wilders, Marine Le Pen ou Beppe Grillo.
Contudo, existem fundamentos especificamente europeus. E o menor deles não é, com certeza, a percebida ineficácia das instituições europeias - o atual arranjo das instituições europeias simplesmente não funciona.
Ainda há pouco tempo o governo polaco, por meras razões de política partidária interna, tentou bloquear a recondução de Donald Tusk - cidadão polaco de uma linha política diversa da que está atualmente no poder na Polónia - como Presidente do Conselho Europeu, a qual não colocava objeções aos restantes estados membros.
Consta que foi necessário alguém lembrar à Polónia que é, por acaso, o maior recebedor de fundos europeus e não lhe fica bem, por motivos mesquinhos de baixa política caseira, prejudicar o bom funcionamento da União.
O tamanho do cheque terá convencido a Primeira-Ministra polaca a assentir na recondução do seu compatriota não sem antes resmungar que o dinheiro não compra tudo embora, pelo seu comportamento, pareça comprar muita coisa. Estamos todos cansados disto!
Depois há situações que são especificamente nacionais. Países como a França, que têm uma grande comunidade imigrante de integração problemática, são tentados por soluções de controlo de fronteiras que são incompatíveis com as regras europeias.
Mas, porventura, o caso mais complicado é a Itália.
A Itália pode não ter um problema de imigração com a dimensão e complexidade da França, da Bélgica ou da Alemanha. Mas está na linha da frente do drama dos imigrantes ilegais que tentam chegar à Europa nos frágeis barcos que partem das costas da Líbia. É a Itália que chegam (quando chegam) esses imigrantes e é Itália que tem de lidar com o seu acolhimento.
Mas o pior de tudo para os italianos é que vivem numa economia que praticamente estagnou nos últimos 20 anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: FMI WEO

O PIB italiano é hoje pouco maior que no início do milénio e o PIB per-capita é mesmo inferior ao desse período. Grosseiramente podemos dizer que os italianos estão hoje em média mais “pobres” do que na viragem do milénio.
É difícil não reparar na coincidência entre o início deste período de estagnação e a introdução do euro.
Não devemos por isso espantarmo-nos se os italianos são atualmente dos mais céticos em relação à moeda única. A diferença entre os apoiantes e os detratores ainda é positiva mas por uma margem muito pequena. Por outro lado, o movimento 5 estrelas, que está em primeiro lugar nas sondagens para uma eventual consulta legislativa, tem no seu programa um referendo sobre a manutenção da Itália na UEM. A Liga Norte e mais recentemente a Força Itália (de Sílvio Berlusconi) também apoiam o referendo.
Em França, embora Marine Le Pen não pareça ter hipótese de vencer na segunda volta das eleições presidenciais, a ameaça de uma consulta popular sobre a permanência da França no euro não pode ser descartada. De qualquer forma o apoio dos franceses ao euro está em mínimos históricos. Na Holanda respirámos de alívio com a derrota da extrema-direita mas não podemos esquecer que, apesar de tudo, os extremistas de direita são já um dos maiores partidos em termos eleitorais. Na Alemanha os Alternativos estão a crescer embora não pareçam, para já, uma ameaça séria.
Depois do Brexit e no meio deste ambiente de claro descrédito em relação às instituições europeias, seria ridículo voltarem a propor-nos como remédio “mais Europa” tal como a conhecemos. Seria como duplicar a dose de um medicamento com o qual o paciente se está a dar mal!
O livro branco sobre a integração europeia da autoria da Comissão, que está disponível para debate público, parece resistir à tendência das elites europeias para a fuga para a frente.
O documento propõe 5 cenários hipotéticos que vão desde regredir para um simples mercado único até formatos de aprofundamento da integração.
Creio que a disponibilidade para colocar e debater cenários radicais não é seguramente o menor dos méritos do documento. Na situação a que chegámos não podemos dar-nos ao luxo de excluir nada.
Sou de opinião que o mal estrutural (porventura insanável) do projeto do euro foi justamente encomendar um fato que devia servir a todos quando na verdade não servia a ninguém.
Seria dramático não reconhecer este erro e reproduzi-lo!
Não é possível uma União Europeia com uma arquitetura institucional única e que sirva para todos. Há países preparados para uma integração mais forte outros nem por isso. Nalguns casos pesa a economia (alguns dos países do euro não estavam preparados para uma integração monetária e cambial), noutros pesa um sentido de exclusivismo nacionalista que impede a alienação de parcelas de soberania – o caso mais evidente é o do Reino Unido.
O projeto do euro poderia não ter sido um fracasso se estivesse limitado a um núcleo duro de 5 ou 6 países aos quais outros se poderiam ir juntando à medida que ganhassem músculo económico e financeiro para tanto.
Para alguns países, porventura, o limite de integração é mesmo a participação numa simples união aduaneira, para outros pode comportar níveis elevados de integração económica e política.
As metáforas para isto podem variar: “europa a várias velocidades”, “europa à la carte”, etc. Contudo, embora possamos não gostar das metáforas, acredito que a União Europeia, como existe hoje, e se não for capaz de oferecer geometrias variáveis, não resistirá muito mais tempo.
O Brexit foi um sinal claro de que existem limites. Há fronteiras para a cedência de soberania que alguns povos não querem ultrapassar mesmo sob a ameaça de custos económicos significativos.
Podemos pensar que os cidadãos do Reino Unido votaram Brexit enganados, sem consciência da totalidade das consequências do seu voto. Talvez! A campanha do referendo foi tudo menos transparente. Os “Brexiters” mentiram com quantos dentes tinham e os “Remainers” agitaram todos os espantalhos que puderam. Contudo os Brexiters, ao ganharem, podem, sem querer, ter salvo a União Europeia.

 

Data de introdução: 2017-05-11



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....