ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL

Livro «Crónicas do Bar dos Canalhas» tem apresentação na Villa Urbana de Valbom

«Crónicas do Bar dos Canalhas» é uma obra coletiva, com textos de autores de vários países e que tem coordenação de Eduardo Águaboa. Os direitos de autor do livro revertem a favor da Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC).
Depois da apresentação em Lisboa, a 17 de março, na Casa do Alentejo, «Crónicas do Bar dos Canalhas» tem um novo lançamento no próximo dia 24 (sexta-feira), pelas 21h00, na Villa Urbana de Valbom, um dos equipamentos da APPC.
As «Crónicas do Bar dos Canalhas» serão apresentadas por Vieira Duque, conservador da Fundação Dionísio Pinheiro, e Alice Cardoso Pinheiro.
A obra conta com o contributo de escritores de vários países, incluindo textos provenientes de diversas cidades do mundo, como Lisboa, Luanda, Benguela, São Paulo, Paris, Bombaim, Atenas, Luxemburgo, Dusseldorf, Stade ou Bahia. A capa é da autoria do designer Dinis Moura, a trabalhar no Luxemburgo.
A apresentação do livro contará ainda com um momento musical pela banda «appSound», da APPC.
“(...) não espere encontrar um travão nas palavras, despidas de preconceitos, provocadoras e muitas vezes a aguçar pensamentos mais, digamos, palpitantes”, avisa no prefácio o jornalista Nuno Saraiva Santos.
A obra é uma “montanha russa de emoções. E reflexões. Sobre o que somos, sobre a vida e os seus efémeros momentos de felicidade que a podem tornar tão aparentemente, ou não..., curta”. Mas “é lá [no Bar dos Canalhas] que há sempre lugar para a solidariedade”.

 

Data de introdução: 2017-03-20



















editorial

Compromisso de Cooperação

Visando reforçar a parceria entre Governo Português e Setor Social e Solidário foi celebrado no dia 3 de Maio o Compromisso de Cooperação 2017-2018. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Depoimento...
Acompanhei, com a maior atenção, a cerimónia pública (apesar de pouco publicitada pela comunicação social) da assinatura do COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Os riscos dos referendos
Aparentemente, o regime político perfeito seria aquele cuja prática fosse sempre a da democracia directa. Na impossibilidade comprovada de isso acontecer, sobra o recurso à...