ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL

Livro «Crónicas do Bar dos Canalhas» tem apresentação na Villa Urbana de Valbom

«Crónicas do Bar dos Canalhas» é uma obra coletiva, com textos de autores de vários países e que tem coordenação de Eduardo Águaboa. Os direitos de autor do livro revertem a favor da Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC).
Depois da apresentação em Lisboa, a 17 de março, na Casa do Alentejo, «Crónicas do Bar dos Canalhas» tem um novo lançamento no próximo dia 24 (sexta-feira), pelas 21h00, na Villa Urbana de Valbom, um dos equipamentos da APPC.
As «Crónicas do Bar dos Canalhas» serão apresentadas por Vieira Duque, conservador da Fundação Dionísio Pinheiro, e Alice Cardoso Pinheiro.
A obra conta com o contributo de escritores de vários países, incluindo textos provenientes de diversas cidades do mundo, como Lisboa, Luanda, Benguela, São Paulo, Paris, Bombaim, Atenas, Luxemburgo, Dusseldorf, Stade ou Bahia. A capa é da autoria do designer Dinis Moura, a trabalhar no Luxemburgo.
A apresentação do livro contará ainda com um momento musical pela banda «appSound», da APPC.
“(...) não espere encontrar um travão nas palavras, despidas de preconceitos, provocadoras e muitas vezes a aguçar pensamentos mais, digamos, palpitantes”, avisa no prefácio o jornalista Nuno Saraiva Santos.
A obra é uma “montanha russa de emoções. E reflexões. Sobre o que somos, sobre a vida e os seus efémeros momentos de felicidade que a podem tornar tão aparentemente, ou não..., curta”. Mas “é lá [no Bar dos Canalhas] que há sempre lugar para a solidariedade”.

 

Data de introdução: 2017-03-20



















editorial

OLHARES DEPOIS DA TRAGÉDIA

(...) E esta tragédia irrompeu abruptamente num país que parecia estar a despertar para uma esperança consolidada num futuro melhor... Agora, mais do que ficar paralisado com medo do que ainda estará para vir ou de levantar dedos acusadores, importa...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A política e a queda dos heróis
A política é uma área propícia ao nascimento ou à fabricação de “heróis”, mas nunca se sabe quanto tempo esse estatuto poderá...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Fundamento da Comunidade Política
Nunca terá passado pela cabeça de ninguém e, sobretudo do Governo e da Comunidade Política, que um incêndio, como o de Pedrógão Grande, pudesse abalar os...