FESTA DA SOLIDARIEDADE

Chama começa périplo em Porto Santo e termina no Funchal no Dia da Criança

Pela primeira vez, a Festa da Solidariedade vai realizar-se fora do continente, assentando arraiais na Região Autónoma da Madeira, onde dia 2 de junho terá o seu momento alto no Funchal.
Eleutério Alves, membro da Direção da CNIS responsável pela organização do evento, em parceria com a União Regional das IPSS da Madeira, deu conta, ao SOLIDARIEDADE, do “grande empenho e entusiasmo da URIPSS Madeira na realização da Festa e na organização do périplo da Chama da Solidariedade”, acrescentando que “todas as IPSS estão muito motivadas para acolher a Chama e fazer da Festa da Solidariedade um acontecimento marcante” para o arquipélago.
Por outro lado, o dirigente da CNIS sublinhou, igualmente, “o empenho e apoio da Câmara Municipal do Funchal”, que, apesar da muita oferta que o Funchal tem, em termos de eventos, “quer que a Festa da Solidariedade seja um grande momento na Madeira”.
A nível das entidades oficiais, está já agendada uma reunião com o Governo Regional, pelo que é de contar que também deste organismo possa vir mais um apoio à iniciativa da CNIS que este ano vai para a 11ª edição.
A pouco mais de dois meses da data marcada, já se conhece alguns dados do programa, nomeadamente do percurso da Chama.
Assim, o facho solidário iniciará a sua digressão na ilha de Porto Santo, no dia 27 de maio, partindo, depois, no dia seguinte da Ribeira Brava para um périplo de quatro dias (de 28 a 31 maio) pelos restantes 10 concelhos da Região Autónoma da Madeira.
No dia 1 de junho chegará ao Funchal, onde a autarquia fez questão de aliar as festividades do Dia Internacional da Criança, por si promovidas, à chegada da Chama da Solidariedade.
No que concerne à Festa (dia 2), esta terá “três vertentes”. Aproveitando o facto de no terreno fronteiro ao da Festa estar a decorrer a Feira do Livro local, o evento da CNIS terá “uma vertente cultural, com a realização de uma tertúlia e, possivelmente, a apresentação de um livro relacionado com o universo da solidariedade social, e como habitualmente uma mais recreativa e ainda a institucional”, revelou Eleutério Alves.
Quanto a presenças institucionais, é sabido que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não poderá estar presente, pois estará em visita aos Açores, mas o padre Lino Maia avançou já ter convidado o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, que sempre esteve presente enquanto ministro e que já anuiu ao convite.
Entretanto, ficou definido no mais recente Conselho Geral que a Festa da Solidariedade em 2018 realizar-se-á em Setúbal, após candidatura da UDIPSS sadina a que nenhum conselheiro se opôs.

 

Data de introdução: 2017-03-10



















editorial

OLHARES DEPOIS DA TRAGÉDIA

(...) E esta tragédia irrompeu abruptamente num país que parecia estar a despertar para uma esperança consolidada num futuro melhor... Agora, mais do que ficar paralisado com medo do que ainda estará para vir ou de levantar dedos acusadores, importa...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A política e a queda dos heróis
A política é uma área propícia ao nascimento ou à fabricação de “heróis”, mas nunca se sabe quanto tempo esse estatuto poderá...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Fundamento da Comunidade Política
Nunca terá passado pela cabeça de ninguém e, sobretudo do Governo e da Comunidade Política, que um incêndio, como o de Pedrógão Grande, pudesse abalar os...