VIOLÊNCIA

SOS Pessoa Idosa regista aumento de denúncias

O número de casos de violência denunciados ao serviço SOS Pessoa Idosa está a aumentar e as mulheres representam a maioria das vítimas, sobretudo nos distritos de Lisboa, Porto e Coimbra, revelam dados agora divulgados.
Criado em 2014 pela Fundação Bissaya Barreto, de Coimbra, o SOS Pessoa Idosa integra uma linha gratuita de atendimento telefónico, um serviço de atendimento direto e personalizado e outro de mediação familiar.
Durante o ano de 2016, a linha SOS Pessoa Idosa recebeu 173 pedidos de ajuda, via telefone e e-mail.
Segundo a Fundação Bissaya Barreto, “em 2015 registaram-se 146 apelos que conduziram a 71 processos”, enquanto “em 2016 surgiram 173 apelos que geraram 152 processos”.
Só este ano, até ao dia 7 de março, contabilizam-se 68 apelos e 57 processos individuais, “o que se reflete numa média de 28 casos por mês”, acrescenta.
Na maior parte dos casos são denunciadas situações de violência sobre mulheres idosas: “64% dos casos denunciados são referentes a mulheres, metade destas viúvas, com uma média de idade de 79 anos”.
Os dados recolhidos pela fundação indicam que “mais de um terço (34%) vive sozinha, cabendo uma percentagem menor às mulheres que residem na companhia do cônjuge (20%) ou de filhos (19%)”.
No que respeita ao agressor, “são muitas vezes os próprios descendentes, homens com média de 54 anos, a maior parte solteiros”.
“No ano de 2016, nas situações que chegaram ao Serviço SOS Pessoa Idosa, 55% dos agressores são filhos das vítimas (40% filhos, 8% filho e nora, 7% filha e genro)”, explica a Fundação Bissaya Barreto, acrescentando que estas situações foram denunciadas sobretudo por vizinhos e amigos.
Essencialmente nos últimos meses do ano passado, “o Ministério Público, concretamente, a Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra, foi responsável por 11% das sinalizações realizadas ao Serviço SOS Pessoa Idosa, fruto de um protocolo de cooperação firmado entre esta instituição e a Fundação Bissaya Barreto”, acrescenta.
A maior parte dos apelos teve origem no distrito de Lisboa, seguindo-se os de Coimbra e do Porto.
A responsável pelo Serviço SOS Pessoa Idosa, Fátima Mota, considera que o aumento do número de apelos se deve “a uma maior implementação do serviço, resultado, por um lado, de um trabalho de afirmação e divulgação, e, por outro, de uma maior sensibilidade social para o problema, por parte das vítimas, dos profissionais e da sociedade em geral”, sublinhando que “é um trabalho sempre inacabado, pelo que é absolutamente necessário promover a defesa e o respeito dos direitos humanos nas escolas e nas famílias, desde tenra idade”.

 

Data de introdução: 2017-03-07



















editorial

MANTER E APROFUNDAR A INTERVENÇÃO DAS IPSS (por João Carlos Dias)

Depois do importante papel que desempenharam, decisivo para suportar as consequências da grave crise que vivemos e ainda sem tempo de recuperar do esforço despendido, as IPSS são confrontadas com novos desafios que não escolheram, mas que terão...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2017 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Não há idade para trabalhar
Ora cá está uma boa notícia, que não tem de meter política, daquela política politiqueira: a idade não é obstáculo para encontrar trabalho!As...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Carros e camiões: a nova arma do terrorismo
O recente atentado de Westminster veio confirmar a impossibilidade, de uma vitória definitiva no combate ao terrorismo. Os grandes responsáveis pela política mundial não se...