PADRE JOSÉ MAIA

Tempo de mudança

Sem desprimor para os comentadores oficiais da nossa praça, atrevo-me a convidar Camões para nos ajudar a interpretar os resultados eleitorais, recordando-nos este pedacinho de um seu poema:

“Continuamente vemos novidades,

 Diferentes em tudo da esperança,

Do mal ficam as mágoas na lembrança

E do bem (se algum houve) as saudades”!

Contados os votos, temos de volta a dura realidade de um país que, apesar das muitas mágoas que lhe ficaram na lembrança, em virtude de empregos perdidos, de cortes duros e às vezes absurdos em reformas e direitos sociais, admitirá, porém, que algumas saudades poderá guardar desta Nação valente e imortal que, contra ventos e marés, ainda tem conseguido preservar a sua Identidade de Nobre Povo!

A avaliar pelos resultados eleitorais, esta expressão de saudade (que alguns comentadores classificaram como uma expressão da nossa cultura judaico-cristã de gostar de sofrer!) merecerá certamente a maior atenção de muitos politólogos.

Parece que, na política como nas relações pessoais, a capacidade de surpreender não deve ser menosprezada como fator de compreensão do que racionalmente não seria imaginável!

Resta-nos aguardar que as “novidades das várias propostas de mudança” que mereceram dos eleitores os respetivos votos, quando se transformarem em programa de governo, não sejam “diferentes em tudo da esperança”!

Neste contexto, e em face da inexistência de uma maioria absoluta por parte da coligação, a pergunta impõe-se: como vai uma coligação com uma prática governativa de austeridade poder corresponder aos sinais de mudança nas políticas económicas e sociais que a maioria dos portugueses (espalhada pelos vários partidos) fez chegar à nossa classe política? Será que, interpretando o desejo de mudança traduzido nas votações em vários partidos, chegou, por fim, a hora de se estabelecerem os “tão falados compromissos” entre a coligação e o PS?

Ao não dar a maioria absoluta à coligação, o Povo criou as condições políticas adequadas para a “negociação de tais compromissos” entre a coligação e o Partido Socialista. Se assim acontecer, cá temos uma mudança com grande relevância para a construção de novas políticas!

Esperemos que o Presidente da República tenha, entre os muitos cenários que preparou para dar posse a um novo governo, algum que preveja uma solução que nos preserve de instabilidades políticas com os inerentes custos sociais que esta situação representaria para todos nós!

Fique-nos na mente, para ir recordando aos 16 partidos que se apresentaram a votos, a mensagem do poeta António Aleixo: “ Vós que lá do vosso império, prometeis um mundo novo! Calai-vos, que pode o Povo querer um mundo novo a sério”!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2015-10-10



















editorial

CONTINUIDADE DOS CUIDADOS: ENTRE A SAÚDE E O SOCIAL

A perspetiva holística da Pessoa, compreendida integralmente nas suas diversas dimensões, fundamenta a ação do setor social solidário: a Pessoa toda na sua unicidade e também todas as Pessoas. Tal conceção exige que a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A força das IPSS ao serviço do país
No último artigo publicado neste jornal evoquei um ano de pandemia. Aí referi as alterações de comportamento e de atitude a que tivemos que obedecer, os sentimentos de...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRESIDENTE DA CPV

Reforço dos direitos sociais sem esquecer o acesso ao trabalho
Há dias, a maioria dos grupos parlamentares decidiu determinar a implementação de um conjunto de medidas que tornem menos gravosa a condição de precariedade em que...