PADRE JOSÉ MAIA

Homens, sede Homens!

Foi exatamente nestes termos que o Papa Paulo VI se dirigiu aos peregrinos de Fátima, quando aí se deslocou em peregrinação em 1967!

E acrescentou: “sede bons e cordatos; abri-vos à consideração do bem total do mundo, sede magnânimos” !

Já nessa altura, a mensagem constituiu um enorme desafio aos HOMENS para valorizarem a HUMANIDADE, tantas eram já na altura as DESUMANIDADES praticadas!

Não sei porquê, mas ao eleger um tema para a crónica deste mês, logo me veio à mente esta mensagem de Paulo VI, talvez por estarmos todos em estado de choque pelas imensas desumanidades que estão a fazer desaguar em vários países europeus centenas de milhares de refugiados, nuns casos, e imigrantes, noutros, TODOS a pedir auxílio à Europa que, apesar de todas as crises, ainda é um oásis de paz!

Mais recentemente, mas com o mesmo tom de denúncia de Paulo VI, em Fátima, o Papa Francisco, em Lampedusa, apelou aos Governos das Nações, pedindo-lhes que não deixassem transformar o Mediterrâneo num cemitério!

Porém, a tragédia vai agora entrando pela Europa, através de vários países, tendo levado a chanceler Merkel a disponibilizar a Alemanha para, à sua conta, acolher 800 mil refugiados, ao mesmo tempo que outros Governantes começam agora (mais vale tarde que nunca!) a dar sinais de entreajuda internacional na resposta a esta CAUSA HUMANITÁRIA! É de justiça salientar também iniciativas de igual solidariedade que por cá se vão desenvolvendo, tanto a nível do Governo como de outras Entidades Públicas e Particulares, de Igrejas e também de gestos de pessoas singulares e famílias, que demonstram que a HUMANIDADE ainda não morreu e se vai traduzindo em gestos de SOLIDARIEDADE.

Porém, a foto da criança que apareceu morta num areal do mar Egeu constituirá para TODOS um crime sem perdão!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2015-09-14



















editorial

CONTINUIDADE DOS CUIDADOS: ENTRE A SAÚDE E O SOCIAL

A perspetiva holística da Pessoa, compreendida integralmente nas suas diversas dimensões, fundamenta a ação do setor social solidário: a Pessoa toda na sua unicidade e também todas as Pessoas. Tal conceção exige que a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A força das IPSS ao serviço do país
No último artigo publicado neste jornal evoquei um ano de pandemia. Aí referi as alterações de comportamento e de atitude a que tivemos que obedecer, os sentimentos de...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRESIDENTE DA CPV

Reforço dos direitos sociais sem esquecer o acesso ao trabalho
Há dias, a maioria dos grupos parlamentares decidiu determinar a implementação de um conjunto de medidas que tornem menos gravosa a condição de precariedade em que...