ENCONTRO

Conselho Geral Alargado em Fátima

Num intenso dia de trabalho, a CNIS promoveu, em Fátima, o que pode ser visto como um Conselho Geral Alargado, uma vez que envolveu todos os órgãos sociais das Uniões Distritais e das Federações e ainda as assessorias jurídicas das mesmas.
A parte da manhã ficou reservada para a reunião entre a CNIS e os órgãos sociais das UDIPSS e das Federações, com a candidatura para a capacitação institucional como tema de trabalho.
Depois de o padre Lino Maia abrir os trabalhos, incentivando os participantes com um congregador “a CNIS somos todos nós e para concretizar a candidatura somos precisos todos nós”, Palmira Macedo explicou a candidatura no âmbito da Medida 3.36 que tem como pano de fundo a capacitação institucional.
Melhorar a ligação entre a CNIS, as Uniões Distritais e as Federações e as instituições de base é o grande objetivo e passa pela criação de um Gabinete Técnico, de uma plataforma informática e de uma base de dados do Setor Solidário. No final, haverá sempre uma avaliação, o que implica um bom desempenho de todas as anteriores medidas.
ROTASS - Rede Operacional e Técnica de Apoio ao Setor Solidário é o nome do projeto da CNIS e que visa a promoção do trabalho em rede, promovendo análises, estudos e boas práticas; a promoção da inovação e do empreendedorismo social, potenciando as boas práticas a nível nacional e internacional; e a implementação de soluções inovadoras no âmbito da Economia Social que visem uma melhor gestão e sustentabilidade das UDIPSS. Como objetivos principais, o ROTASS pretende aumentar a interação entre organizações da Economia Social, visando o aproveitamento local das ações bem-sucedidas em outras regiões ou entidades; trocar experiências e proporcionar intercâmbio de profissionais e outros recursos, criando assim rotinas de benchmarking constantes e produtivas; e ganhar notoriedade e visibilidade como rede institucionalizada a nível nacional.
Após a apresentação do projeto, os participantes dividiram-se em três grupos – Norte, Centro e Sul (Lisboa e Vale do tejo, Alentejo e Algarve) – e discutiram e debateram e contribuíram para um conjunto de sugestões de trabalho para quem teve que realizar a candidatura.
“O balanço foi muito positivo em cada um dos três grupos. Houve muita participação, as Uniões deram muitos contributos para a constituição de uma plataforma e para o desenvolvimento do trabalho em rede, já apontaram questões muito concretas que gostariam de ver incluídas e tratadas e isto foi uma ajuda muito grande para nós que preparámos a candidatura”, disse no final Palmira Macedo, assessora da CNIS, acrescentando o propósito da iniciativa e o sucesso alcançado: “Gostávamos que a candidatura correspondesse o mais possível àquilo que o terreno sente sobre esta questão em concreto e por isso quisemos ouvir as Uniões Distritais”
Da parte da tarde, sob a direção do assessor jurídico da CNIS, Henrique Rodrigues, o assunto foi a lei, mais concretamente o novo Decreto-Lei 172-A, ou seja, o Estatuto das IPSS.
“Tratou-se de uma reunião conjunta da assessoria jurídica da CNIS com as assessorias jurídicas das Uniões Distritais e das Federações para ver duas questões principais: primeiro, tentarmos definir um entendimento uniforme sobre algumas questões quanto à interpretação da nova versão do Estatuto das IPSS”, explicou no final o assessor jurídico da CNIS, complementando: “E, uma segunda parte que é um efeito desta primeira e que é definir procedimentos quanto ao apoio às instituições no processo de reforma dos respetivos estatutos”.
Henrique Rodrigues deixou um conselho claro as todas as instituições, obrigadas que estão a alterar os respetivos estatutos até ao próximo dia 17 de Novembro
“Mesmo que a CNIS, as Uniões Distritais e as Federações venham a dar apoio às instituições, é desejável que o processo corra paralelamente a um processo de consultas ao Centro Distrital da Segurança Social”, avisa e explica: “A Segurança Social elaborou uma espécie de modelos, aliás como já tinha feito anteriormente, o que está dentro das suas competências. É nos serviços da Segurança Social que se faz o registo dos novos estatutos e, portanto, a Segurança Social, de alguma forma, tem competência notarial neste processo de revisão estatutária. As IPSS não precisam de ir ao notário. O que é normal é ver previamente com a Segurança Social se a proposta de estatutos que as instituições pretendem fazer vingar é aceite pelos serviços, que têm competência para tal”.
Resumindo, “as instituições devem fazer a alteração dos estatutos em articulação com o Centro Distrital da Segurança Social da respetiva área e havendo alguma questão em que haja divergências devem reportar à CNIS para tentarmos estabelecer interpretações uniformes juntamente com os serviços do Estado competentes nessa matéria”, aconselha.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2015-08-07



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...