ABRIL DE 2015

COMUNHÃO E REPRESENTAÇÃO

1. Há palavras que exprimem totalidade. Beleza, justiça e verdade possuem tal força. Uma dessas poucas palavras grandes e absolutas é comunhão. Será possível viver sem dinheiro ou bens, mas não se vive sem estar em comunhão com algo e, sobretudo, com alguém. E, parafraseando, uma máxima, a comunhão faz a força.

Precisamente porque é palavra do existir humano, a comunhão também deve ser palavra da liderança e da representação do setor social e solidário.

Quando, há uns bons anos, no exercício da cidadania ou movidos pela fé, homens e mulheres da solidariedade social partilharam o seu saber e a sua arte para se unirem numa organização que liderasse o setor e o representasse, logo ela foi "concebida" como organização livre e isenta e, simultaneamente, como organização plural e congregadora. Foi querida como organização de crentes e de não crentes para que uns nos outros fossem couraçados. Não propriamente para se protegerem a si próprios, mas para, potencialmente, representar o agir, o idealizar,  o querer e o sentir  de todas e de todos quantos ao longo dos tempos viessem a incorporar os valores da solidariedade e do serviço.

Assim, desde a sua conceção, a  CNIS (inicialmente sob a designação de União), se afirmou pela sua dedicação à causa, pela frontalidade, pela independência e pela lealdade na relação. Assim também cresceu como o elo unificador de respostas de integração social e comunitária, de apoio à infância e à juventude, de proteção dos cidadãos na velhice e invalidez e em todas as situações de deficiência e de falta ou diminuição de meios de subsistência ou de capacidade para o trabalho, de educação e formação profissional, de resolução de problemas habitacionais das populações e de iniciativas de promoção da saúde. Sob o símbolo das mãos que se agarram mutuamente numa proteção estável, está todo um mundo de instituições  de origem e natureza tão diversificada como o são as associações, cooperativas e fundações de solidariedade social, as casas do povo, as misericórdias, as mutualidades, os centros sociais paroquiais e os institutos de organizações religiosas.

Se as instituições ligadas à Igreja Católica (de ereção canónica) têm um peso significativo no seu seio (cerca de 41%:), elas, porém, não são a sua maioria. Nem isso é suficientemente importante: a CNIS incorpora aquela parcela de "soberania" e de auto decisão de que todos abdicam em favor da causa comum... No serviço jamais se desenvolve a apetência pelo trono.

2. Trinta e quatro anos parece ser um tempo razoável de casuística para aferição de resultados da implantação de qualquer coisa. Nada que seja totalmente ruim sobrevive tanto tempo. Também o tempo não será necessariamente transitório. O fio condutor tem a ver com os valores que o coletivo vai sedimentando como seus ao longo dos tempos, não só através da palavra ou do pensamento, como também, e sobretudo, através dos atos. A matriz do modo de viver esse tempo pode e deve ter características de perpetuidade.

Sempre foi muito importante e muito afirmativo o setor social e solidário. Porém, os últimos anos confirmaram-no definitivamente. Para além de muitos e bons passos dados num ritmo sempre ascendente, agora o setor subscreveu um compromisso de cooperação pluriministerial, tem competências de concertação estratégica, acomoda estrategicamente o regime jurídico da cooperação e reconhece-se num enquadramento legal dotado de uma lei de bases. E, privilegiando aqueles que deve privilegiar, serve mais e serve melhor.

A CNIS tem sido uma das três vozes do sector social e solidário. Não disputa preponderância, mas pelo que se vê, ouve e lê, não se pode ignorar que é uma voz credível. Voz a que todos dão vez, mesmo que a CNIS não se "aprume" para se fazer audível. Voz onde todos têm vez. E pela sua liberdade, isenção e credibilidade, também sempre é ouvida a sua voz e lhe é dada vez para definir enquadramentos, marcos e rumos. Enquanto organização plural e enquanto organização congregadora.

No seu seio as instituições da Igreja e todas as outras instituições estão como devem estar: em comunhão.

3. Pela voz que é e pela vez que já não precisa de revindicar para ter, pode ser alimentada a tentação de fazer da CNIS uma espécie de "barriga de aluguer" ou "incubadora" para o surgimento de outras organizações representativas. Quer porque pode ser sedutora a ideia de criar mais uma união ou uma união a mais, quer porque há "famílias" de instituições: associações, cooperativas e fundações de solidariedade social, casas do povo, misericórdias, mutualidades, centros sociais paroquiais e institutos de organizações religiosas. Criando mais uniões,  mais tronos serão erguidos para príncipes desencantados.

Dividir para reinar não pode ser o móbil de quem faz do serviço o seu "modo de vida". Muito menos de quem já precisou da comunhão para sua afirmação. Depois, a Solidariedade nem sobrevive nem coexiste harmonicamente com guetos ou em círculos fechados. Muito menos com organizações debruçadas sobre si mesmas. Para além de que mais facilmente reina e amplia o seu império quem ao seu lado contempla um reino dividido.

Num país que vive o drama da exclusão faz sofrer que aqueles ou aquelas que deviam por convicção de vida criar a verdadeira coesão social possam vir a ser instrumento fraturante na construção da cidade. Unir, congregar, num diálogo de verdade e de reta intenção, permitirá que a Solidariedade não seja parte mas o todo de um Portugal mais coeso, mais justo e mais participativo, em que a cidadania seja vivida e partilhada tendo o Bem Comum como fim que a todos irmana. Em comunhão.

Lino Maia

 

 

Data de introdução: 2015-04-10



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...