PADRE JOSÉ MAIA

Não à escravatura!

Foi exatamente esta a mensagem do Papa Francisco para o Dia da Paz, que todos os anos se evoca no dia 1 de janeiro. Num estilo que lhe é peculiar, imprimiu à sua mensagem uma grande densidade humana ao referir-se às várias e múltiplas faces de escravatura nos nossos tempos. Para não lhe retirar nem desvirtuar nada do que escreveu, aqui ficam transcritas algumas das suas preocupações sociais e pastorais:

1.“Apesar de a comunidade internacional ter adotado numerosos acordos para pôr termo à escravatura em todas as suas formas e ter lançado diversas estratégias para combater este fenómeno, ainda hoje milhões de pessoas- crianças, homens e mulheres de todas as idades - são privadas da liberdade e constrangidas a viver em condições semelhantes às da escravatura”;

2.“São faces destas novas escravaturas: trabalhadores/as, mesmo menores, escravizados nos mais diversos setores, a nível formal e informal, muitos migrantes que padecem de fome, de falta de liberdade, muitas vezes abusados física e sexualmente”;

3. “Penso ainda nos menores e adultos que são objeto de tráfico e comercialização para remoção de órgãos, para serem recrutados como soldados, para servirem de pedintes, para atividades ilegais como a produção ou venda de drogas ou para formas disfarçadas de adoção internacional”.

4. “Não posso ignorar todos aqueles que são raptados e mantidos em cativeiro por grupos terroristas, servindo os seus objetivos como combatentes ou, especialmente, no que diz respeito às meninas e mulheres, como escravas sexuais. Muitos, desaparecem, outros, são vendidos várias vezes e torturados, mutilados ou mortos”.

A mensagem aborda ainda algumas causas profundas da escravatura, apela a um compromisso para a combater e termina com uma solicitação: “globalize-se a fraternidade e não a escravidão nem a indiferença”.

Pe. José Maia  

 

Data de introdução: 2015-01-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...