UDIPSS-GUARDA

União apresenta programa da Chama da Solidariedade no distrito

A direção da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) da Guarda fez uma conferência de imprensa de apresentação do programa a Festa da Solidariedade que decorre nos dias 6 e 7 de Junho no Porto. A Festa da Solidariedade, é organizada, no distrito, pela UDIPSS da Guarda, em estreita colaboração com a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS).

A Guarda vai promover, no dia 30 de maio, pelas 10:00, a sessão solene da saída da "Chama da Solidariedade" com destino ao Porto, passando pelos concelhos de Trancoso (12:00), Mêda (14:00) e Vila Nova de Foz Côa (15:00), com entrega no Pocinho (17:00), à UDIPSS de Bragança. A Chama da Solidariedade chegará ao Porto no dia 07 de junho, onde decorrerá o quinto congresso da CNIS sobre "Solidariedade - Novos Caminhos, Valores de Sempre".

O presidente da UDIPSS da Guarda aproveitou a ocasião para denunciar que, devido à crise, as famílias da região estão a optar por cuidar dos idosos e das crianças em casa. Segundo Rui Reis, o fenómeno começou com o afastamento de idosos dos lares e estendeu-se posteriormente às respostas dirigidas à infância.

"Neste momento, deixou de ser um problema ligado aos idosos, nomeadamente aos lares de idosos, aos centros de dia e ao apoio domiciliário, mas também se estende a respostas sociais ligadas à área da infância", disse hoje o responsável.

Rui Reis, que falava, a realizar no dia 30 de maio, na Guarda, referiu que o afastamento de utentes das instituições "tem-se agudizado" nos últimos tempos.

Em relação aos idosos, apontou que nos meios rurais, "quando as pessoas não têm emprego, acabam por ficar com os familiares em casa e acabam por não procurar uma admissão num lar".

Já quanto à infância, as crianças não frequentam as instituições, sobretudo a partir do momento em que as mães ficam desempregadas. Explicou que as crianças frequentam as creches, mas são recolhidas pelas mães a meio da tarde e já não precisam "do apoio de nenhuma instituição de solidariedade social".

O presidente da UDIPSS da Guarda referiu que o problema "agudizou-se" nos últimos meses, mas disse que não possui "números" das situações registadas no distrito.

Tendo em conta as "convulsões sucessivas" que têm acontecido no país, devido à crise económica, Rui Reis admitiu que as instituições de cariz social têm sido "o grande pilar" na ajuda aos mais necessitados. "Temos sido o pilar mestre de uma obra que é a obra do apoio àqueles que mais necessitam e que mais precisam", declarou.

 

Data de introdução: 2014-05-26



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...