Habituem-se

Do eterno Sebastião esperado e nunca desembarcado para consolação dos seus "fãs", de nome António Vitorino, ficará para a história da composição do actual XVII Governo da República esta frase/ameaça aos jornalistas: "Habituem-se"!

Como a ele se devem as linhas mestras do programa do partido que saiu vitorioso, e bem vitorioso, das últimas eleições, é suposto esperar que também o aviso premonitório do "habituem-se" faça parte do âmago e substância do estilo de governação do actual Primeiro-Ministro.
Mas essa é que é essa! A comunicação social desta vez, talvez por efeitos da seca que invadiu o país, não teve mais acesso a muitas fontes que noutras situações jorravam abundantes dicas para alimentar jornais, rádios, televisões e conversas.

Se fizer parte da estratégia do actual Governo preocupar-se mais com a substância governativa do que com a sua imagem junto da opinião pública, não caindo na tentação de ir avançando ou recuando na aplicação de certas medidas mais impopulares, conforme o tom da comunicação social, este "apagão" informativo que o Primeiro-Ministro provocou é um bom augúrio do que ele será capaz de fazer no futuro.
Será mesmo isto a que temos de nos "habituar"? Veremos...

Para já, e cá para as bandas da solidariedade e das Instituições que militantemente a ela se devotam, talvez tenhamos também de nos começar a "habituar" à ideia de que o novo ministro Vieira da Silva é um conhecedor do ramo, dada a sua carreira académica e prática governativa e, por isso, parte já em andamento sem ter de começar do zero, o que aconselha bastante atenção a "sinais" que não deixará de lançar, por ditos e escritos, a quem está ao serviço da Solidariedade, designada e particularmente às Instituições Particulares de Solidariedade Social, mais conhecidas, junto dos portugueses, por IPSS.

É muito provável que também ele dê substância ao profético aviso do "habituem-se" no que tiver a ver com as competências e práticas políticas do Ministério que vai presidir e tem por nome: Ministério do Trabalho e Solidariedade (espero que seja este, em definitivo, o verdadeiro nome).
Apenas uma dica para ajudar a enquadrar gestos e discursos: no programa do partido do Governo, apesar de haver algumas tímidas referências às ditas IPSS, o que mereceu especial ênfase foram as Organizações de Economia Social!
Esta trilogia: Solidariedade Social e Economia Social são formas de intervenção e conceitos a que devemos prestar especial atenção.

Esperemos que a Acção Social e a Segurança Social venham a completar o "arco" deste Sector, sobretudo no que se refere à política de financiamento das políticas sociais, e às formas de cooperação entre o Estado e estas Instituições.

"Habituem-se !" 

maia@paroquia-areosa.pt

 

Data de introdução: 2005-03-25



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...