CONSELHO GERAL DA CNIS

Presidente da República agradece e reconhece trabalho das IPSS

Quando se assinala um ano de pandemia, a CNIS realizou um Conselho Geral extraordinário, que contou com um convidado muito especial.
Em época de balanços, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa quis de viva voz participar na reunião por vídeo conferência, que juntou à distância todas as Uniões Distritais e Regionais e as Federações, para apresentar a sua visão deste último ano, mas, essencialmente, para agradecer às instituições e reconhecer a dedicação dos trabalhadores e dirigentes “pelo serviço a Portugal”.
Antes das palavras de Marcelo Rebelo de Sousa (que pode ver AQUI), Maria João Quintela, pela Direção da CNIS, lembrou que há, “desde o início, disponibilidade total, de forma leal e participativa, das IPSS para pôr em prática e seguir as orientações da DGS”, tendo a CNIS um papel importante “na divulgação imediata e permanente das orientações da DGS e na formação junto das instituições, recorrendo a meios próprios e, inclusivamente, a outras organizações como os Médicos Sem Fronteiras”.
De seguida, a dirigente da CNIS lamentou que, “não obstante, as orientações da DGS, por vezes contraditórias, revelaram um desconhecimento quase total do Sector Solidário e, nomeadamente, sobre o perfil dos utentes em estruturas residenciais” e, assim, “colocando dificuldades acrescidas de concretização em espaços e recursos humanos”, sublinhando ainda a falta de reconhecimento dos trabalhadores dessas estruturas
“Os trabalhadores, não tendo sido considerados nem reconhecidos como da ‘linha da frente’ não tiveram acesso privilegiado a equipamentos de proteção individual, nem os idosos. A CNIS exerceu um esforço nacional de recolha de equipamentos oferecidos por beneméritos, que, apesar de todas as dádivas não preencheram as muitas necessidades”, sustentou Maria João Quintela, frisando: “As IPSS são vítimas de uma não articulação, nomeadamente por parte da Saúde, entre a Saúde e a Segurança Social. Quase diríamos de uma indiferença ou rejeição pelo Ministério da Saúde, que desde o início desenvolveu um ataque injusto e desproporcional às IPSS, através de uma desvalorização inaceitável da qualidade dos cuidados prestados e das competências dos trabalhadores”.
Nesse sentido, a dirigente da CNIS reclamou um “reconhecimento público dos trabalhadores e das direções das IPSS, que não são facilmente substituíveis”, sublinhando: “Precisamos que o país veja as instituições, os seus trabalhadores e voluntários, e os mais velhos e as pessoas com deficiência ou com múltiplas problemáticas sociais e de saúde como agentes de cidadania da ‘linha da frente’ e cidadãos de pleno direito”.
A terminar, Maria João Quintela recordou o grande esforço que a CNIS tem feito para fundamentar tecnicamente as suas propostas.
“A CNIS e as IPSS fundamentam os argumentos das suas posições e solicitações em estudos e relatórios objetivos, quantitativa e qualitativamente, no plano social, económico e da saúde”.
Ainda no âmbito da pandemia, e numa espécie de introdução à intervenção do Presidente da República, o padre Lino Maia lembrou que, “até dia 26 de fevereiro, havia 307 surtos ativos” no universo de cerca de 3.500 lares existentes em Portugal (entre unidades do Sector Social e do privado), tendo o pico de surtos sido atingido a 12 de fevereiro.
Por outro lado, o presidente da CNIS sublinhou as diferenças entre a situação nos lares nacionais e noutros países da Europa, revelando que “em Portugal as mortes em lares representam 27,7% do total, enquanto no Reino Unido foi de 33,3%, em Espanha de 44% e em França de 46,6%”.
E o facto de “ter havido menos óbitos nos lares portugueses deve-se aos ótimos trabalhadores e excelentes dirigentes das instituições”, asseverou.
O padre Lino Maia congratulou-se ainda por o prazo para finalizar o processo de vacinação nos lares estar antecipado, à exceção dos que tinham surtos, atualmente, nos cerca de 900 lares associados da CNIS há cerca de 30% com o processo concluído, 50% já recebeu uma toma e outros 10% há uma vacinação parcial.
Apesar destes números animadores, o padre Lino Maia deixou um alerta: “Concluir o processo de vacinação não nos pode levar a baixar a guarda. Continuaremos muito ativos e com muitos cuidados”.
Com o último mês do primeiro trimestre do novo ano já em marcha, a CNIS quer acelerar o processo de negociação do Protocolo de Cooperação com o Estado, estando a desenvolver contactos com a União das Misericórdias, União das Mutualidades e Confecoop para apresentarem uma “proposta condicionante” para que o Governo possa incluir as sugestões do Sector Social Solidário.
O presidente da CNIS informou os conselheiros que espera que o Protocolo de Cooperação para 2021-2022 esteja “negociado até ao fim de março”, pois esperar pela proposta do Governo “vai demorar” e o resultado pode não ser o esperado e necessário.
Em cima da mesa estão as enormes dificuldades e constrangimentos financeiros que as instituições estão a viver devido, não só à atualização do salário mínimo, mas essencialmente, pelo brutal aumento de custos em consequência da pandemia.
“Sobre a atualização dos acordos de cooperação, há pressa em acelerar o processo, porque o salário mínimo já foi atualizado, mas as instituições continuam a receber valores de 2020”, considerou o padre Lino Maia, acrescentando: “Houve uma proposta para que a atualização fosse feita em dois momentos. Um primeiro para fazer face ao impacto do aumento do salário mínimo e um outro por causa do aumento de custos das valências. É necessário que este ano haja uma atualização significativa dos acordos de cooperação, porque as instituições vivem dificuldades muito grandes”.
Ainda sobre o novo Protocolo de Cooperação, Filomena Bordalo, assessora da Direção, começou por lembrar que o compromisso de 2019-2020 foi “no essencial incumprido”, muito condicionado pela pandemia, destacando, de seguida, três questões em que a CNIS está fortemente empenhada em ver vigorar no novo protocolo.
“A formação de grupos de trabalho que tenham um impacto transversal, porque são precisas outras respostas sociais para os idosos e as pessoas com deficiência, porque é preciso ver bem os custos reais e os custos técnicos, porque há um longo caminho a percorrer em termos de cuidados de saúde primários”, revelou, acrescentando: “Por outro lado, são necessárias iniciativas com impacto financeiro, em respostas como o Pré-escolar, o Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) ou na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI). E o terceiro destaque é para a necessidade de avaliação ao funcionamento e financiamento de necessidade de avaliação de funcionamento e financiamento de diversas respostas, tais como a RNCCI ou o Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI)”.
Por fim, a Direção esclareceu os conselheiros sobre outras matérias, acabando por ser reveladas algumas dificuldades de articulação com o novo coordenador da task force para a vacinação Covid-19, que se tem negado a receber os representantes do Sector Social Solidário.
Continências à parte, “há uma melhor articulação entre Saúde e Segurança Social, mas ainda não é suficiente”, sustentou, a terminar, o presidente da CNIS.

Pedro Vasco Oliveira

 

Data de introdução: 2021-03-02



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...