IPSS MADEIRA

Governo Regional quer melhorar estatuto dos profissionais de apoio domiciliário

O presidente do Governo da Madeira afirmou ser necessário rever e melhorar o estatuto da carreira dos profissionais de apoio domiciliário, que são cada vez mais precisos face ao envelhecimento da população.

"Este é um serviço exemplar a nível regional e nacional", declarou Miguel Albuquerque que se deslocou às Associações Particulares de Solidariedade Social (IPSS) nos concelhos da Ribeira Brava (a Adenorma na zona oeste) e a Santana Cidade Solidária (ASCS), a quem entregou um total de três viaturas para apoio das atividades desenvolvidas.

O governante madeirense considerou que a inovação do apoio domiciliário prestado à população idosa na região "é  fundamental para o futuro", sendo necessário "melhorar a carreira, dar maior formação e aumentar a remuneração profissional a estes profissionais" para conseguir para manter as pessoas nas suas residências.

"Iniciámos uma revisão dos estatuto desta carreira para adaptá-la a nível regional, porque vai ter cada vez mais relevância e importância na nossa vida social", vincou.

No entender do chefe do governo insular de coligação PSD/CDS, "prestar cuidados em casa é muito mais eficaz para a melhoria e bem-estar das pessoas, contribuindo também para uma melhor operacionalidade e capacidade de resposta dos serviços".

"Se a população está envelhecida deve-se ao progresso e desenvolvimento científico" também registado nesta região, na qual a "esperança média de vida aumentou para os 80 anos", enalteceu.

Miguel Albuquerque defendeu que, face a este cenário, é imprescindível "ter capacidade de resposta para apoiar as pessoas mais idosas", que classificou de uma "bênção", porque não são "pessoas inúteis" visto que podem contribuir para a sociedade devido à sua "experiência acumulada".

"Não podemos nos queixar, temos é de ter a capacidade de ajudar os mais idosos", disse, enfatizando que hoje, devido ao progresso e ao desenvolvimento técnico e científico, a sociedade tem "capacidade financeira, técnica e recursos para poder apoiar essa população".

Mas, enfatizou que esta ajuda não significa "apenas dar coisas", devendo a sociedade apostar na "capacidade de interagir"  com a população sénior.

A Associação Santana Cidade Solidária (ASCS) recebeu duas viaturas a apoiar a resposta social Serviço de Apoio Domiciliário, nomeadamente no transporte e distribuição de refeições e lavandaria, entre outras.

Uma viatura de nove lugares foi entregue por Miguel Albuquerque também à Associação de Desenvolvimento da Costa Norte da Madeira  (ADENORMA), afeta sobretudo ao Centro Comunitário da Terceira Lombada, na freguesia da Ponta Delgada, com capacidade para 25 utentes.

Miguel Albuquerque realçou a importância da parceria com as IPSS, instituições que apontou serem "importantes e decisivas para cumprir a missão de coesão social".

Mencionou que a dotação de meios contribui para o apoio das "populações mais vulneráveis", indicando que os "idosos precisam de centros de convívio, de deslocações ao médico e dispõem de um banco de ajudas técnicas".

Albuquerque anunciou que aquele local será alvo de melhoramentos e projetos de ampliação, sublinhando ser preciso que vários departamentos "conjuguem apoios para garantir que a obra seja executada".

"É preciso ter a noção que as IPSS continuam a diversificar as atividades e a desenvolver ações para satisfazer as necessidades cada vez mais complexas e mais variáveis da população mais idosa", afirmou.

 

Data de introdução: 2020-01-28



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...