IMIGRAÇÃO

Mais receitas do que custos, segundo a OIM

A Organização Internacional de Migrações (OIM), afirmou em Genebra, num relatório em que denuncia "os mitos" em torno das questões da migração, que as receitas geradas pela imigração são superiores aos custos suportados pelos países de acolhimento.
"Grande número das inquietações que a imigração suscita, como a perda de empregos, a queda dos salários, o aumento das despesas da Segurança Social e a crença de que as migrações escapam a qualquer controlo são não apenas exageradas ou infundadas, mas também contraditadas pelos factos", sublinha a OIM no relatório "estado da Migração no Mundo em 2005".

A organização internacional lembra que, segundo um estudo recente, os imigrantes "renderam" ao Reino Unido em 1999-2000 quatro mil milhões de dólares (3,2 mil milhões de euros) em impostos recolhidos pela sua actividade.

Um outro estudo indica que a imigração gerou uma receita fiscal adicional de oito mil milhões de dólares (6,4 mil milhões de euros) nos Estados Unidos, só em 1997.
No que se refere ao emprego, a OIM recorda que na Europa ocidental é raro haver concorrência directa entre imigrantes e trabalhadores locais, uma vez que os trabalhadores estrangeiros, muitas vezes, ocupam postos de trabalho que a força laboral local não quer.

Quanto às despesas de Saúde e de Segurança Social, "não há motivo para pensar que os trabalhadores imigrantes em situação regular sejam um peso maior que a população do país deacolhimento, uma vez que pagam também os seus impostos", acentua a OIM.
Os trabalhadores clandestinos, por seu lado, estão pouco inclinados a recorrer aos serviços médicos estatais devido à sua situação, pelo que na realidade também não constituem encargo adicional, acrescenta.
Do lado dos países de origem, as remessas dos seus emigrantes representaram mais 100 mil milhões de dólares (82 mil milhões de euros) em 2004.
"Esta fonte de receitas rivaliza com a ajuda ao desenvolvimento em muitos países", assinala a OIM.

 

Data de introdução: 2005-08-03



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...