CIÊNCIA

Embriões humanos clonados

Dois grupos de investigadores, um britânico e outro sul-coreano, conseguiram clonar pela primeira vez embriões humanos, anunciaram as duas equipas no Reino Unido. Por um lado, uma equipa do "Centre for Life" da Universidade de Newcastle (noroeste de Inglaterra) criou três embriões clonados, os primeiros na Europa, segundo a revista "Reproductive & BioMedicine Online". Por outro, um grupo de investigadores sul-coreanos, cujos trabalhos estão muito mais avançados do que os dos colegas britânicos anunciou na revista "Science" a criação de mais de 60 embriões humanos clonados.

A criação destes embriões, a partir dos quais os cientistas sul- coreanos puderam fabricar células estaminais compatíveis com pacientes, marca uma etapa fundamental na via da clonagem terapêutica. Na óptica destes cientistas, a investigação abre novas perspectivas para tratar doenças como a diabetes e a doença de Alzheimer, ou substituir órgãos defeituosos sem correr o risco da rejeição de transplantes.

Trata-se de "um passo em frente gigantesco para a ciência, até ao dia em que algumas das doenças mais devastadores poderão ser tratadas graças às células estaminais terapêuticas", declarou o prof. Woo Suk Hwang, da Universidade Nacional de Seul, que chefiou a equipa sul-coreana.

Estes progressos só poderão, no entanto, ser aplicados em pacientes daqui a vários anos. A equipa de Newcastle, que saudou o avanço sul-coreano, conseguiu produzir com êxito um blastocito (um diminuto embrião nas primeiras etapas de formação) clonado de uma célula humana através de transferência nuclear.

Esta equipa, que integra Alison Mursoch e Miodrag Stojkovic, foi a primeira no Reino Unido a fazer clonagem terapêutica no âmbito da investigação com células estaminais. A clonagem reprodutiva é actualmente proibida no Reino Unido e na Coreia do Sul, ao contrário da clonagem terapêutica, que é permitida. 

20.05.2005

 

Data de introdução: 2005-05-27



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...