OPINIÃO

25 de Abril – 40 anos

1- Para as pessoas da minha geração, a simples evocação do mês de Abril faz vibrar algumas das invisíveis – mas sensíveis - cordas que, todavia, trazemos dentro do peito, do lado do coração.
Creio que para isso concorrem duas razões: a primeira, porque o 25 de Abril representou, de facto, uma nova forma de respirar, livre e alvoroçada, cortando com o país cinzento, ensimesmado e bisonho que era o nosso antes desse dia inicial; a outra, porque quem tinha em Abril de 1974 cerca de vinte ou vinte e poucos anos pôde juntar a esperança dessa renovação do seu País com os sonhos e a ousadia que marcam sempre os tempos da juventude.
Em Abril de 1974 tudo era possível … Ou parecia …
O futuro estava ao alcance da mão.
Claro que a festa não podia durar sempre, nem era bom que durasse.
A euforia que normalmente segue as revoluções, os poderes que muitas vezes os revolucionários atribuem a si próprios, sem controlo e sem freio, a deriva febril das vanguardas, com frequência fazem descambar revoltas ou revoluções em si virtuosas e desejadas para comportamentos arbitrários ou novas ditaduras.
Não foi, felizmente, o nosso caso, e também isso devemos levar ao crédito destes 40 anos: não obstante alguma perturbação no período inicial, no primeiro ano e meio, mais ou menos, o certo é que o regime em breve se acomodou nas regras e nas virtudes do sufrágio popular como fonte de legitimidade do exercício do poder político, confiando ao povo e ao voto a origem das instituições e o comando do País.
Em paz e sossego, como convém.
Quando hoje, 40 anos passados, me ponho a olhar para trás, a pensar no que mudou, desse país que conheci como jovem adulto, para este onde vivo, já na hoje chamada “geração grisalha” – ou “peste grisalha”, como lhe chamou um deputado da Guarda da actual maioria parlamentar, adepto de soluções radicais -, é essa a primeira e essencial diferença que me acode: a gente vota, e com o voto castiga ou premeia.
Despede Governos – e admite Governos.
(Por exemplo: eu nunca votaria no tal deputado da Guarda; que espero seja excluído das listas para as eleições de 2015 … Não merece ser deputado do povo)

2 - Não era assim até ao Abril que agora celebramos.
Ainda recordo a minha primeira experiência eleitoral.
Tinha 6 anos; melhor, fazia 6 anos nesse mesmo dia, o dia em que fui, pela mão do meu Pai, até à mesa de voto na Junta de Freguesia de Ermesinde, onde ele ia votar para eleger o Presidente da República – aquelas eleições a que concorreu, contra Salazar e o Estado Novo, o General Huberto Delgado, depois fraudulentamente espoliado da vitória que obteve nas urnas.
Creio que o facto de a memória desse episódio persistir se deve mais ao dia de aniversário diferente do que às eleições propriamente ditas – mas a gente sabe lá dos desvãos e dos caminhos por onde circulam e de onde regressam as nossas recordações …
Nas eleições para a Assembleia Nacional, em 1969, tinha eu já 17 anos.
No distrito do Porto, para além da lista do Regime, da ANP – Acção Nacional Popular -, concorreram duas listas da chamada Oposição Democrática: a CDE (Comissão Democrática Eleitoral), uma lista frentista controlada pelo PCP; e a CEUD (Comissão Eleitoral de Unidade Democrática), com candidatos que, poucos anos mais tarde, entraram na fundação do PS e do PSD.
O que recordo do dia dessas eleições – legislativas, como hoje se diria – foi ter estado com o meu amigo Diomar a distribuir os boletins do voto das duas listas da Oposição, nas escadas da antiga Igreja de Ermesinde.
(Então eram as candidaturas que tratavam das listas, o que permitia mais facilmente aos elementos da Situação presentes das mesas de voto controlar em quem se votava, já que as listas raramente eram de papel com a mesma textura ou tom.)
As últimas eleições que recordo, antes do 25 de Abril, foram em 1973 – e eu já com 21 anos.
Ainda passei pela Junta de Freguesia de Ermesinde, onde funcionava o recenseamento eleitoral, a saber se me podia inscrever para votar.
Disseram-me que não.
Votei, portanto, a primeira vez, quando das eleições para a Assembleia Constituinte, em 25 de Abril de 1975.

3 – Nessas eleições, ou pseudo-eleições, que decorreram durante a Ditadura, ninguém tinha ilusões sobre os resultados.
O Regime haveria sempre de apresentar resultados esmagadores em favor da União Nacional ou da sua sucessora, a Acção Nacional Popular: fossem tais resultados verdadeiros, ou fossem, se necessário, forjados.
Todos sabiam que não seria com eleições que se mudaria o Governo, fosse com Salazar, fosse com Marcelo Caetano.
(Com Delgado foi diferente: a mobilização do povo em favor do General foi impressionante, a grande afluência às urnas prenunciava a vitória, pensou-se como possível a viragem.
Por isso a fraude e as chapeladas atingiram um nível nunca antes verificado, sendo hoje unânime a convicção de que Delgado venceu nas urnas.
E também por isso Salazar determinou que não houvesse, depois das eleições de 1958, mais eleições por sufrágio directo para a Presidência da República, tendo Américo Tomás sido reeleito, em 1965 e em 1972, pelo conjunto das duas Câmaras: Assembleia Nacional e Câmara Corporativa.
Sem o povo …)

4 – Depois do 25 de Abril, nos tempos agitados imediatamente a seguir à Revolução, em que a poeira não tinha ainda assentado, tivemos 6 Governos Provisórios: entre Abril de 1974 e Dezembro de 1979.
Em normalidade constitucional, isto é, após as eleições legislativas de 1976, já vamos em 19 Governos diferentes: uma média de 2 anos por Governo.
Em contraponto, só o 3º Governo de Salazar durou de 1936 a 1968 – 32 anos.
E o de Marcello Caetano de 1968 a 1974 – 25 de Abril de 1974.
Até aos dias de hoje, em que já me vão pesando os anos, nunca deixei de sentir um prazer infantil de cada vez que ajudei a despachar um Governo: fosse ele qual fosse.
Mantenho a travessura do anarquista espanhol: “hay Gobierno? Soy contra!”
Mas, ao contrário desse anarquista, eu quero votar.
Dá-me prazer.
Este ano, vamos poder comemorar os 40 anos de democracia da forma como ela mais merece ser comemorada: com eleições.
E assim, em 25 de Maio, lá estarei na minha secção, de cravo vermelho no bolso do casaco, com a alegria de sempre.
É mesmo isso!: 25 de Abril Sempre!

Henrique Rodrigues, Presidente do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2014-04-14



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...