CENTRO PAROQUIAL DA COVA DA PIEDADE, ALMADA

Certificação de qualidade angaria mecenas

Corria o «Verão Quente» de 1975 quando o padre Ricardo Gameiro chegou à paróquia da Cova da Piedade e por inerência à presidência do Centro Paroquial e Bem-estar Social local, que, em 2005, ganharia a sua graça, uma obra lançada pelo padre Sobral, em 1973, com respostas sociais no Equipamento do Bairro.
Hoje, o Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro, na Cova da Piedade (Almada), é a segunda maior IPSS nacional e a única com certificação de qualidade em todas as valências… e são 23 as respostas sociais que a instituição dá. Se em 2009, a certificação pela Norma ISO 9001:2008 foi de nível C, no final do ano passado a instituição recebeu o certificado de nível A, ou seja, de excelência.
Mas não foi fácil a tarefa do padre Ricardo Gameiro, como recorda o actual presidente da instituição da Cova da Piedade, o padre José Gil Pinheiro, que assumiu o cargo em Agosto de 2012, após o falecimento do antecessor, em Dezembro de 2011.
“O padre Ricardo Gameiro é que fez desta obra o que ela é”, começa por afirmar, contando: “O padre Sobral foi quem lançou a instituição, mas foi o padre Gameiro que a liderou desde 1975 até 2011. Ele era prior na Baixa da Banheira e, como entretanto o padre Sobral foi para o Barreiro, em 1975 o padre Ricardo Gameiro chega à Cova da Piedade. Recorde-se que era uma altura muito complicada para a Igreja, pois estava-se no «Verão Quente» e esta era, e ainda hoje é, uma zona muito politizada, e que nesse tempo tinha um sentimento anti-clerical muito forte. No entanto, ele soube impor-se pelo seu testemunho cristão, na defesa dos mais pobres e nas respostas sociais… O padre Ricardo Gameiro soube como ninguém testemunhar o Evangelho através da caridade, num contexto muito adverso”.
Colocando o enfoque na filosofia cristã que guiou desde sempre os mentores da obra social, o padre José Gil Pinheiro sublinha: “Foi assim que conseguiu criar a comunidade da Cova da Piedade que, hoje, é uma comunidade bastante forte, com leigos e fiéis muito implicados na comunidade. Estas instituições, apesar de serem concretizadas por homens, é Deus que as deseja e que age, pelo que isto é sobretudo obra de Deus e é importante termos presente que um padre não faz uma comunidade e não faz uma instituição. Aqui há uma equipa grande de pessoas que também serviram a Igreja com a sua vida e o Centro Paroquial tem uma grande equipa que fez da instituição o que ela é hoje, este modelo de qualidade e de excelência no serviço aos mais desfavorecidos. Assim, eu venho integrar algo que já tem uma vida própria”.

SETE EQUIPAMENTOS

Actualmente, o Centro Paroquial da Cova da Piedade, como também é conhecido, tem sete equipamentos, dedicados à Infância e Terceira Idade, sem esquecer o apoio familiar, pois trata-se de uma zona com alguns problemas de pobreza.
Na Residência Nossa Senhora da Esperança, onde funciona igualmente a sede da instituição, são quatro as respostas sociais: Estrutura Residencial para Idosos, com 75 utentes, Centro de Dia, com 50, Centro de Convívio, com outros tantos, e ainda o Serviço de Apoio Domiciliário, que presta auxílio a 70 idosos.
No Equipamento do Bairro, a partir do qual nasceu a instituição, a resposta é para a infância: A Nossa Creche/O Berço, com 72 bebés, Pré-escolar (seis salas), com 150 crianças, e o ATL (1º e 2º ciclos), com 170 petizes.
No Centro Comunitário Regaço Materno, no Laranjeiro, a instituição oferece três respostas: Creche, com 36 bebés, Pré-escolar, com 50 crianças, e ainda ATL (1º e 2º ciclos), com 50 petizes.
No Centro Comunitário Renascer, a IPSS dá cinco respostas sociais: Creche, com 36 bebés, Pré-escolar, com 50 crianças, Espaço Lúdico-pedagógico (1º Ciclo), com 50 crianças, Centro de Dia, com 20 idosos, e Serviço de Apoio Domiciliário, com 15 utentes.
No Jardim Infantil da Romeira, um equipamento estatal, mas em que há um acordo de gestão há já 10 anos, a instituição dá resposta à infância e terceira idade: Creche (três salas), com 40 bebés, Pré-escolar (três salas), com 75 crianças, e ainda Serviço de Apoio Domiciliário, com meia centena de utentes.
O equipamento mais recente, inaugurado em 2012, é o da Ramalha, muito próximo da sede da instituição, e que, para além de um jardim-de-infância (creche, com 45 bebés, e pré-escolar, com 50 crianças), alberga ainda o Centro de Documentação das Instituições Religiosas e da Família, que, dentre um vasto espólio, tem no Livro «Receitas e Despesas da Irmandade de Nossa Senhora da Piedade e da Vitória», que data do século XVIII, o seu documento mais antigo. Instalado no recuperado edifício da Quinta de São João da Ramalha (datado de 1872), a secular capela, onde ainda hoje é celebrada missa, é um dos grandes atractivos do equipamento.
Para além destas respostas, o Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro alberga ainda um GIP – Gabinete de Inserção Profissional, em parceria com o IEFP, uma Loja Solidária e uma Cantina Social, no âmbito do Programa de Emergência Alimentar, fazendo ainda distribuição de alimentos provenientes do Banco Alimentar e do PCAC.

DIVERSIFICAR RECEITAS

Com uma dimensão tão grande – conta com um corpo de 268 funcionários, para além dos 30 professores que dão apoio nas AEC das escolas da freguesia –, manter a instituição saudável financeiramente não é tarefa fácil, mas a diversificação das fontes de rendimento sempre foi um dos segredos.
“Sentimos que os nossos utentes e as famílias estão a passar dificuldades muito graves, mas esta instituição sempre cresceu não suportada apenas na Segurança Social, mas numa série de pessoas que sempre ajudaram a instituição, para que ela pudesse ser sustentável e também em muitos mecenas e parceiros institucionais que sempre se juntaram a este projecto”, explica o padre José Gil Pinheiro, acrescentando: “Para além da contribuição das famílias e da Segurança Social, temos uma série de pessoas, uma Liga de Amigos, que sempre sustentou a instituição, e uma série de parceiros institucionais que nos ajudam nos projectos e nos permitem ter esta qualidade… E, claro, ter outros horizontes que não seja apenas dar pão para a boca, a roupa necessária, ou acolher uma criança, mas toda a dimensão cultural que conseguimos dar às pessoas. E isto só é possível porque temos este enorme grupo de instituições e pessoas que contribuem para a instituição”.
Apesar disto, o presidente da instituição revela que “todos os dias há pais a pedirem para rever as contribuições e é muito complicado para a instituição, porque ela também depende dessas comparticipações”, sendo que há outras situações mais complicadas: “Há idosos que já não pagam no lar, que têm dívidas enormes, mas não os vamos pôr na rua… É um problema complicado, porque os familiares esquecem-se das responsabilidades que têm para com a instituição, que está a acolher e a tratar do seu familiar”.
Mesmo assim, para o líder da instituição, o problema mais grave são as baixas comparticipações estatais: “Os limites da comparticipação da Segurança Social é a maior dificuldade que enfrentamos, pois em várias respostas já estamos por conta própria. Já temos salas de pré-escolar sem Acordo de Cooperação, temos uma série de outras respostas em que não estamos a ser comparticipados. Depois, há a diminuição da comparticipação dos pais… Uma questão que tornou bastante complicada a vida das creches e dos pré-escolares são os equipamentos que se foram construindo de raiz, a duplicar a oferta que já tinha sido financiada pelo Estado nas IPSS, e que vieram criar uma oferta paralela que não só põem em causa a procura das IPSS, como também apresentam preços mais baixos, pois são gratuitos. E, depois, ainda cortam nos Acordos de Cooperação, como aconteceu com o pré-escolar”.

PROJECTOS NA MANGA

Apesar da vasta resposta que a instituição já oferece, os seus responsáveis não param de sonhar e de querer mais.
Como refere Ana Luísa Caixas, director de serviços e há 25 anos na instituição, “o padre Ricardo era um sonhador e gosto muito de o comparar com Fernando Pessoa, que disse «o Homem sonha, Deus quer e a Obra nasce»”, pelo que os seus seguidores pretendem manter esse legado vivo.
“E ele era assim mesmo, um sonhador e no dia seguinte queria pôr o sonho em prática. Então, foi sempre criando respostas para as necessidades que iam surgindo no dia-a-dia, fossem das crianças, dos idosos ou das famílias. E foi assim que durante 37 anos comandou a instituição”, recorda Ana Luísa Caixas.
Por isso, e apesar de estar há menos de um ano à frente da instituição, o padre José Gil Pinheiro tem já alguns projectos que quer, dentro em breve, pôr em prática.
“Temos um espaço em que, eventualmente, poderíamos criar uma resposta para a as famílias, criar um CAFAP – Centro de Apoio Familiar Aconselhamento Parental, que é onde se trabalha com as famílias cujas crianças são retiradas pelo tribunal. No fundo, era um espaço de promoção humana e de integração daquelas famílias, em termos de trabalhar as relações e criar competências profissionais e parentais. E é algo que faz muita falta, porque não há centros destes no distrito para acompanhamento das famílias”, começa por revelar o presidente da instituição, continuando: “Por outro lado, pensamos que podemos no mesmo espaço, e em alternativa, criar um centro de acolhimento de jovens. Temos respostas dos zero aos 12 anos e, uma vez que já temos este «know-how», pensamos poder criar um novo espaço dos 12 aos 21 anos”.
No entanto, há obstáculos a ultrapassar: “Como são respostas a nível nacional e regional estão directamente ligadas às necessidades da Segurança Social e dependente, obviamente, dos apoios que houver”.
Para além desta intenção, há o firme propósito de aumentar a capacidade do lar de idosos, sendo que já há um espaço e um mecenas para que o mesmo seja uma realidade.
“Outra grande necessidade, e já temos em vista um prédio aqui colado à instituição, é o aumento da capacidade do Lar, porque temos uma lista de espera imensa”, refere o padre José Gil Pinheiro, ao que a directora de serviços acrescenta: “O aumento do Lar será num espaço integrado no antigo Bairro do Banco do Fomento, aqui ao lado, e cujo mecenas é o senhor Hélder Madeira”.
Neste sentido, o padre José Gil Pinheiro destaca a importância da certificação de qualidade para a angariação de amigos para a instituição: “A certificação de qualidade é uma aposta também no sentido de angariarmos mais mecenas… Em Dezembro fomos eleitos a Empresa do Mês do universo Galp, pelo que somos uma instituição que traz prestígio e qualidade. A certificação, no fundo, é comunicação da qualidade que já temos”.
E se não existisse o Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro como seria a Cova da Piedade? A resposta sai pronta aos dois responsáveis pela instituição.
“Seria, com certeza, muito mais pobre… Não tenho dúvida que esta instituição cria uma rede de cuidados e uma escola, um modelo de estar, de servir, de denúncia de injustiças sociais… Não é só dar pão, mas também alertar para situações que estão mal estruturadas e que vão gerar pobreza. Não é apenas dar resposta, mas ir à raiz dos problemas e reclamar por justiça social”, defende o presidente, ao que Ana Luísa Caixas acrescenta: “Seria uma zona muito pobre, muito envelhecida e de grande solidão”.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2013-04-27



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...