EDITORIAL

Pacto de confiança

1. Para trás ficaram tanto a campanha eleitoral como as eleições.
O povo pronunciou-se. Talvez mais pela mudança de agentes e de estilo. Certamente também pela mudança de rumo.
Formou-se uma nova maioria que gerou um novo Governo. Seguramente o mais pequeno dos tempos da democracia, talvez o mais jovem e, provavelmente, aquele que tem a maior percentagem relativa de independentes. Com sinais meritórios.

O XIX Governo tomou posse e apresentou o seu Programa. Na sede da democracia, agora presidida sob grande consenso. Com um compromisso claro: vencer a crise e mudar o país em quatro anos. Não pode falhar.
Há uma convocação geral para a celebração de um “Pacto de Confiança”.
Com o programa sancionado, chegou a hora de rumar. Com determinação e com envolvimentos colectivos.
“Que ninguém fique para trás”, como sentenciava o Primeiro-ministro…

2. Não é certamente este o espaço para escalpelizar o Programa do Governo. Porém, não ignorando que o Sector Solidário não se pode alhear daquilo que interessa a alguém, fixemo-nos naquilo é nossa opção preferencial.
O Programa do XIX Governo não ignora nem as questões relacionadas com a concepção de um “Estado Social”, nem as Instituições de Solidariedade nem aquelas políticas em que o Sector é particularmente sensível.

Entre outras coisas, no Programa do Governo merece destaque o anunciado “visto familiar” que avalia o impacto das medidas sobre a vida familiar e o estímulo à natalidade, para poderem ser aprovadas em Conselho de Ministros, bem como a intenção de rever as actuais políticas públicas envolvendo as organizações da sociedade civil com competências em matérias relacionadas com a família e com a juventude.

Enquanto os desempregados com mais de 55 anos serão incentivados a ajudar nas IPSS, no Programa anuncia-se a criação de incentivos sociais e laborais ao voluntariado e a simplificação de procedimentos regulatórios e burocráticos, de forma a tornar os procedimentos de resposta mais sustentáveis, mais ágeis e mais céleres.
O apoio a idosos, a pessoas com deficiência, a desempregados e a crianças será garantido pela aposta nas Misericórdias e nas IPSS. Ou seja, reconhecendo que a sociedade se mobiliza e organiza-se antes de o Estado equacionar respostas, a grande aposta vai passar pelo apoio a organizações da economia social solidária para ultrapassar a crise e para estimular a economia, particularmente nas zonas mais deprimidas.
Outra medida ali prevista passa pelo acolhimento de um maior número de utentes nos equipamentos (creches, centros de dia e lares) das IPSS e Misericórdias, sempre com avaliação prévia e o aval das estruturas da Segurança Social e dentro das garantias de funcionalidade, sustentabilidade e salvaguarda das respectivas condições.

Uma medida inovadora que é anunciada no Programa é a da criação de um Fundo de Emergência Social, para brevemente entrar em vigor. Para além das crianças e idosos, o seu alvo preferencial serão as pessoas desempregadas - tenha cessado ou não o subsídio de desemprego, e não estejam abrangidas por outras iniciativas de protecção social. A sua base de estrutura será assente nas autarquias (sinalização das situações, acompanhamento e controlo) e na sua gestão devem participar as IPSS e as organizações da sociedade civil. Serão prioritários, em termos de entrega às famílias, alimentação, vestuário e medicamentos. Serão ainda criadas parcerias de responsabilidade social entre farmácias e autarquias de forma a melhorar a disponibilização de medicamentos às famílias de mais baixos recursos, designadamente idosos. Será também criado um “Cartão Solidário” destinado a apoiar a iniciativa e a envolver as entidades bancárias, de acordo com o previsto na Lei para estas situações e a sua duração estender-se-á até Dezembro de 2014, sendo alvo de avaliação semestral. O enquadramento técnico será garantido pelas IPSS.

3. Muito embora no Programa do Governo seja reconhecida, e bem, a importância do Sector Solidário, há ainda um percurso a fazer. Cooperando e dialogando. Nomeadamente, para se evitarem erros na transferência para as Autarquias de competências que se encontravam imputadas ao Estado Central.
A lei de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais filia essa operação, entre outros, no princípio da subsidiariedade – o que, num primeiro nível, corresponde à realidade: a transferência para uma autarquia local aproxima a resposta dos destinatários.

Mas tal princípio conhece outros e simultâneos níveis – como o de ser ainda subsidiariedade a devolução aos entes de natureza privada de atribuições e competências que se encontravam radicadas na esfera pública, mas que, por natureza, correspondem ao sopro vital daquelas entidades.
Da cumulação desses dois níveis, a subsidiariedade deve verificar-se, em primeira linha, para o nível privado; e só numa segunda opção, de forma supletiva, para um outro nível da esfera pública – o nível autárquico.
Deve passar a ser um dado adquirido a noção de que o serviço prestado pelas IPSS, não obstante a autonomia destas e a sua natureza particular, deverá ser classificado como verdadeiro serviço público, quer no que respeita a prestações vinculadas ao princípio da universalidade, quer nas vinculadas ao princípio da solidariedade.

A ausência de um quadro legislativo claro no que se refere à separação e delimitação das áreas de intervenção das organizações solidárias e das autarquias locais ao nível territorial mais primário, como a freguesia (ou a paróquia) ou ao nível municipal, traduziu-se, nos últimos 4 anos, na emergência dos principais constrangimentos que visaram as IPSS: como os existentes na Rede Social, AEC’s, ATL’s e Parque Escolar.

O Programa do Governo é meritório quando se refere ao Sector Solidário; porém, quando, por exemplo, fala de estruturas assentes nas autarquias carece de algum enquadramento clarificador…
Mas merece inequivocamente a subscrição de um “Pacto de Confiança”.

Lino Maia, Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2011-07-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...