OPINIÃO

Um elogio surpreendente

Há poucos dias, um conhecido jornal francês publicou um texto cujo título era claramente apelativo, senão mesmo provocatório. “Porque é que, na Alemanha, os sem abrigo não morrem de frio?”- perguntava o autor desse texto. A pergunta tinha uma justificação particular: é que a morte dos chamados sem abrigo, por causa do frio, ocorre com demasiada frequência em França, sobretudo quando os números se comparam com as estatísticas referentes à Alemanha.

No primeiro noticiário da madrugada do dia 1 de Fevereiro de 1954, um homem que começava a ser famoso, conhecido como Abé Pierre, gritava aos microfones da RTL: “ esta noite, num passeio da avenida de Sebastopol, morreu enregelada uma mulher”. Este grito despoletou um imparável movimento de consciência social de que os “Emaús” foram os grandes pioneiros e intérpretes. Aquele padre francês, que se tornou num espécie de cidadão universal, morreu há quase três anos, 22 de Janeiro de 2007, mas o eco do seu grito de 1954, continua a ouvir-se um pouco por toda a parte, incluindo a França.

Tentando responder à pergunta “porque é que, em França, morre mais gente, de frio, do que na Alemanha,” o referido jornal, Le Figaro” aponta uma razão que, noutros países, em Portugal por exemplo, muitos terão dificuldade em aceitar, e que é a existência de um imposto que os cidadãos alemães pagam para as igrejas a que dizem pertencer, e que é cerca de 8% do seu rendimento. Trata-se de um imposto previsto na Concordata e que obriga as grandes igrejas, a católica e a evangélica, que dele beneficiam, a aplicar uma parte significativa desta contribuição em actividades ou intervenções de interesse geral. Problemas sociais, como é o caso dos sem abrigo enquadram-se perfeitamente no âmbito dessa contrapartida.

Na Igreja Católica alemã, a Caritas é a instituição que assume mais activamente o dever da solidariedade para com os sem abrigo, e assume-o de um modo suficientemente eficaz, para motivar o elogio e a admiração do autor do texto. Para além dos seus muitos voluntários, são seiscentos mil os assalariados a tempo inteiro, ao serviço das grandes iniciativas daquela instituição. Se, na Alemanha, o número de mortos entre os sem abrigo, vítimas do frio, é bastante menor que em França, escreveu um jornalista francês que isso se deve a um imposto que, acrescentamos nós, os latinos têm muita dificuldade em aceitar.
Nos tempos que correm, o elogio público de um jornalista a um imposto que reverte a favor de uma Igreja não deixa de ser surpreendente, mesmo que os seus beneficiários sejam os sem abrigo…

António José Silva

 

Data de introdução: 2010-01-17



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...