EDITORIAL

A Solidariedade em Festa

1. Na “rentrée”, que, em tempos recentes, era partidária e agora se tornou solidária, aí está a segunda Festa da Solidariedade. É uma emblemática iniciativa da CNIS.
Bem no coração do Minho, na cidade de Barcelos, será o seu último palco de um fim que merece ser festivo.
Último mas não exclusivo: anteriormente e ao longo de vários dias, já a marcha da “Chama da Solidariedade” é acontecimento em crescendo que, às marés e aos ventos, anuncia o envolvimento na causa da solidariedade social de muitas e muitos, por todo este nosso país.
Com a habilidade e a dedicação de uma belíssima equipa, liderada por Eleutério Alves, para a Festa da Solidariedade deste ano foram centralizados muitos e preciosíssimos contributos.
À frente, no tempo e na actividade, naturalmente, a equipa dinamizadora da Chama. Logo a seguir a União Distrital de Braga – e como se envolveu ela! Depois a Câmara Municipal de Barcelos e quase todas as Uniões por cujos distritos percorreu a Chama (Lisboa, Santarém, Leiria, Porto e Braga). Que belo e persistente trabalho vêm desenvolvendo! E esse é um exemplo de muitos envolvimentos: Governos Civis, Câmaras Municipais, Paróquias, Juntas de Freguesia, Forças de Segurança, meios de comunicação social e muita, muita gente, anónima e confiante.
À frente de todos, por trás de todos, ao lado de todos e de mãos dadas com todos, as IPSS - Instituições Particulares de Solidariedade Social: com os seus muitos dirigentes, muitos colaboradores, muitos utentes e alguns voluntários que, ontem e hoje, amanhã e sempre, fazem da acção de solidariedade social a bela expressão de cidadania e de união de simpatias, interesses e propósitos, com a sublime arte do coração e da razão. O seu envolvimento começou quando o seu olhar se fixou na percepção dos problemas de cidadãos, próximos e distantes, com a implicação de uma presença física, uma força moral, o apoio do ombro amigo e uma mobilização para situar problemas numa perspectiva orientada para encontrar soluções.

2. As nuvens que se adensavam na primeira festa da solidariedade e a chuva que impiedosamente caiu e provocou o seu precipitado fim eram um espelho fiel em que então os dirigentes solidários viam projectada a imagem da solidariedade social que devotadamente tinham abraçado.
Depois de claros sinais de municipalização da solidariedade, com passos dados em falso e negociações revestidas pelo manto do sigilo, emergiam tentações da sua nacionalização por um Estado que parecia ignorar experiências, dimensões e envolvimentos. Já sobejamente constrangidos com inúmeras dificuldades, os dirigentes solidários deparavam-se com mais algumas frentes para adensar as suas já grandes incertezas. Não eram infundados os seus receios. Então, o “palco envolvente” da “rentrée” estava carregado de tons marcadamente cinzentos…
O ano não foi nada fácil. No seu desenvolvimento, quantas as dúvidas e quantas as tentações de um resvalar para a rampa do desânimo!
A experiência baseou o pensamento. O pensamento deu dimensão à voz. A voz gerou sensatez.
Se o caminho percorrido nem sempre foi rectilíneo e se nem tudo está satisfatoriamente resolvido, porém, há razões para afirmar que o ambiente se tornou bem mais claro e a esperança eficazmente foi recomposta.
Sobram razões para fazer festa: somos muitos, temos visibilidade; somos reconhecidos, temos consistência; somos generosos, temos abrangência; somos determinados, a solidariedade social tem futuro.

3. A Festa da Solidariedade pretende ser uma montra de vitalidade.
Também pode e deve ser o momento para afirmação de valores como o da própria solidariedade, enquanto prática da cultura de aceitação mútua, de acompanhamento, de apoio, de integração, de partilha, de presença, de protecção e de solicitude.
Nem essas práticas, nem os valores que a elas subjazem surgem naturalmente no desenvolvimento do ser humano. A solidariedade não é espontânea: é uma conquista contra o egocentrismo e o egoísmo, que caracterizam a criança pequena, como também contra o etnocentrismo de todo o grupo humano e a prioridade que dá aos seus próprios interesses.
A solidariedade é, também, uma construção social e cultural, uma conquista frágil da civilização, sem a qual não há futuro para a humanidade.
Para que ela se desenvolva na sociedade, pelo menos duas condições devem ser permanentemente satisfeitas:
- O princípio de solidariedade deve fazer parte das ideias e dos valores centrais da maior parte dos indivíduos e dos responsáveis pelo viver em comum: importa acreditar firmemente nele, incorporar nele uma parte da própria identidade e da sua auto-estima.
- Não há futuro para a solidariedade sem uma forma de reciprocidade, pelo menos a meio-termo: a maior parte dos seres humanos comuns não pode ser permanentemente solidária em sentido único. No mínimo, a reciprocidade do conhecimento e do reconhecimento.
A Festa da Solidariedade é uma oportunidade para o celebrar e afirmar. Com esperança…

 

Data de introdução: 2008-09-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...