ESTÉTICA OU ÉTICA?

As transformações que vão acontecendo em cadeia e a altíssima velocidade nas sociedades, sobretudo nas sociedades europeias, constituem um desafio permanente e exigente à nossa capacidade de percepção e interiorização das consequências que tais transformações consigo transportam.

Em face de evoluções de mentalidades, costumes, valores, comportamentos, atitudes que, mais por aqui mais por ali, vão influenciando o nosso ser e agir pessoal, familiar, comunitário, aos mais variados níveis, há uns que se acomodam e acham tudo normal e outros que resistem a ponto de bloquearem qualquer mudança, com o pretexto de que os valores são eternos e deverão preservados de modernices, custe o que custar.

Mas há ainda uma terceira categoria que, sem preconceitos, se abre às mudanças, tenta compreendê-las e interpretá-las e, com sentido crítico e de forma esclarecida, incorpora algumas dessas transformações no seu quotidiano e nos estilos de vida da sua família, excluindo outras que, por informação e formação, não se adequam à sua matriz axiológica nem à sua identidade cultural, social, humana e ética.

Depois, não faltam também uns “pseudo- ideólogos” encartados que desatam a classificar uns de progressistas e outros de conservadores ou reaccionários, só porque se dão ao luxo de exercer a sua liberdade e fazer as opções que melhor correspondem á sua interpretação do sentido da vida e das exigências da sua cidadania.

Sabem a última? Foi título de notícia de jornais num destes dias: “ é preciso regulamentar a objecção de consciência”. Pretende-se, como prevenção para a invocação deste direito por parte de médicos e enfermeiros, que. por analogia com a Lei 7/92, se construa também uma Lei que “regulamente a objecção de consciência”, de forma a obrigá-los a cumprir a nova lei sobre a despenalização do aborto. A consciência não é “regulável”! Quando muito, altere-se o estatuto profissional e/ou o código ético desses profissionais!

E agora anunciam-se mais “medidas de modernidade”: eutanásia clínica, união homossexual, adopção de crianças por parte de pessoas gays e drogas livres!

Muitas vezes recorremos à importância de aprender a distinguir o TER E O SER, sendo consensual que o SER deverá impôr-se ao TER.

Porém, vai sendo também aconselhável chamar a atenção para uma outra diferença igualmente importante, a saber: a diferença entre o SER (ética) e o APARECER (estética). É que existe muita gente que É e não Parece...enquanto outros não Parecem mas São.
Sem prejuízo do respeito pela liberdade daqueles que se batem mais por causas de natureza Estética...não terá chegado a altura de se organizarem também os defensores militantes de outras causas imbuídas de sentido Ético, afirmando-as como prioritárias no debate público que se pretende instaurar na sociedade portuguesa?



Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2007-03-15



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...