Igualdade de Oportunidades

1. Pretendendo sensibilizar a população para os benefícios de uma sociedade justa e solidária, o Conselho Europeu apontou 2007 como o “Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos”. Inscrevendo o Ano da Igualdade de Oportunidades numa abordagem transversal do combate à discriminação, que deverá permitir assegurar a aplicação correcta e uniforme do enquadramento legislativo comunitário em toda a Europa, pondo em evidência os seus princípios essenciais e angariando o apoio activo do público à legislação em matéria de não-discriminação e de igualdade, o Conselho Europeu preconiza iniciativas de sensibilização que tenham por objectivo combater atitudes e comportamentos discriminatórios, bem como informar os cidadãos sobre os seus direitos e obrigações.
Como objectivos específicos do Ano da Igualdade de Oportunidades é apresentado um conjunto de importantes intenções:
- Alertar para o contributo positivo que todas as pessoas, independentemente dos respectivos sexos, origem racial ou étnica, religião ou crença, deficiência, idade e orientação sexual, podem dar à sociedade no seu conjunto.
- Criar um clima favorável à valorização das diferenças.
- Demonstrar como um desafio crucial que a noção de igualdade não significa “uniformidade”.
- Encetar um debate e um diálogo tendente a favorecer uma maior participação dos grupos sub-representados em todos os sectores e a todos os níveis da sociedade.
- Fazer circular no conjunto da população a mensagem de que todas as pessoas têm direito à igualdade de tratamento.
- Sensibilizar o público para a importância de promover boas relações entre os vários grupos da sociedade, em especial entre os jovens.

2. Espera-se um extenso e profícuo debate de ideias. Idealiza-se um ano efectivamente fértil de iniciativas que visem a promoção da igualdade de oportunidades. Imagina-se um verdadeiro corrupio de movimentos, ora despertados ou renascidos, a pulular por este País e essa Europa desfraldando a sedutora bandeira da igualdade e proclamando os direitos civis, políticos e económicos, sociais e colectivos de todos. Sensibilizam-se agentes e disponibilizam-se meios.
E, sem dúvida, não deixarão de merecer a vénia e o aplauso de muitas e de muitos. Também e, evidentemente, das instituições de solidariedade, elas que tão sensíveis são à promoção da inclusão pela via do reconhecimento da igualdade radical de todos no favorecimento de iguais oportunidades para todos.
É bem certo que as ideias, hoje maturadas, amanhã abundarão em frutuosas sementes de um mais luminoso devir.
Claro que também se prevê que agentes económicos, sagazes e atentos, seduzidos pela grande oportunidade que se lhes depara de invadir o espaço social, diversificando a sua oferta para atrair novos lucros e aproveitando a vantajosa maré, usando a bandeira da igualdade de oportunidades para todos, também se perfilarão reivindicando vantagens para prestar serviços a todos aqueles que, não sendo o seu fim, tão-somente são um oportuno e incauto meio para novos e desejados lucros. E certamente encontrarão algum eco as suas vozes porque sinais já se vão descobrindo quando, por exemplo, ao lado de instituições de solidariedade, se entrega a concorrentes empresas lucrativas a tarefa de “explorar” a implementação de actividades de enriquecimento curricular e quando, também e ainda a título de exemplo, ao lado de instituições de solidariedade, desviando apoios, se contratualizam concorrentes empresas lucrativas para fazer o apoio domiciliário ou outros serviços sociais. Evidentemente, tudo a propósito da tal igualdade de oportunidades para todos mas com inevitáveis danos para alguns…

3. Com uma história rica e uma experiência inestimável e privilegiando os mais carenciados, as instituições de solidariedade já têm um passado rico na promoção da igualdade de oportunidades para todos. Isso é atestado por tantos e tantas, com deficiências físicas ou mentais, portadores de estigmas ou abandonados pela sorte, e independentemente das suas origens, raças e orientações ou dos seus credos e opções. Exactamente porque são instituições de solidariedade porquanto não há verdadeira promoção da igualdade de oportunidades sem efectiva e ousada opção pela solidariedade. E por isso e porque toda a sociedade o reconhece é que o Estado com os seus representantes celebrou um Pacto para a Solidariedade.
Quando o Estado celebra um Pacto para a Solidariedade com instituições solidárias, por um lado, aceita ser um Estado Social e, por outro, privilegia a via da solidariedade como caminho do social. Evidentemente, não hostiliza as empresas lucrativas, antes as reconhece e situa, proporcionando-lhes adequados instrumentos legais e relacionais de oportunidades de desenvolvimento e de expansão, até porque, sem a actividade dessas empresas, a solidariedade que o Estado quer seria miragem que não deseja. Mas, claro, o Estado que celebra um Pacto para a Solidariedade dá preferência às instituições com cujos representantes celebrou o pacto, sob pena de estar a traí-las com os seus devaneios de infidelidades e a gerar enteados onde se dispusera a ter leais parceiros.
Claro, quando não há respostas sociais de solidariedade, o Estado Social, também solidário e subsidiário, supre promovendo ou contratualizando.
E exactamente esse será um dos seus preciosos contributos para a promoção da igualdade de oportunidades para todos.
Também, aqui, espera-se o debate de ideias e a sensibilização dos intervenientes. E, claro, a correspondente disponibilização dos meios.
Para uma efectiva igualdade de oportunidades…

* Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2007-01-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...