Novo modelo de Cooperação

1. A grande maioria das respostas sociais desenvolvidas entre nós foram implementadas e são orientadas por pessoas e grupos que, no exercício da cidadania, se deixam seduzir e conduzir exclusivamente pela causa da solidariedade. O Estado, em muitos casos, financiou os equipamentos e, reconhecendo o mérito das iniciativas e aceitando o benefício das respostas de proximidade, apoiando e tutelando, contraiu a obrigação de assegurar a sua sustentabilidade e favorecer o seu desenvolvimento.
E, apesar de, forçado ou convicto, o Estado tem vindo a cumprir.
Mas, sendo grande a sua grande expressão, não há suficientes respostas solidárias para algumas solicitações e há sempre mais candidatos para as diversas valências existentes nas instituições de solidariedade do que lugares disponíveis. Ao Estado compete não ignorar que, apesar de todo o dinamismo solidário, ainda há algumas situações carecidas de resposta e incapacidade de resposta para algumas situações…
Entretanto, inquestionavelmente, vencendo inúmeros constrangimentos e dedicando ingentes esforços, com dedicação, engenho, arte e... alguma candura, tudo vai funcionando, graças às instituições de solidariedade.
E com visível abertura à inovação e com inegável aposta na qualidade.


2. Periodicamente, a questão é posta: o Estado deve subsidiar directamente as famílias ou as instituições?
Agora, que foi assinado pelo senhor Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social e pelas três organizações representativas das respostas sociais do mundo solidário um “acordo base de compromisso para um novo modelo de cooperação” a questão volta a colocar-se com premência: futuramente, o que vai acontecer?
Politicamente, parece muito mais sedutor falar de subsidiação directa das famílias/utentes das instituições (o tal “cheque à família”). São muitas e muitos utentes e muitos familiares... E a velha tradição do estender a mão ao subsídio está bem enraizada entre nós. Depois… o retorno (impacto expresso com simpatia e votos) poderá ser grande. Para além de que, por vezes, sobre as instituições “caem” as penas de elas serem vistas como órgãos extensivos do Estado (e não o são), e de terem equipamentos financiados pelo Estado (como deve ser). Para cúmulo, as instituições, que recebem apoios do Estado, até se cobram de comparticipações dos utentes...
Mas atenção: a subsidiação directa é bem capaz de ser um complicado imbróglio...

Se há instituições que são misericórdias, e a generalidade das misericórdias são santas, também há muitas instituições que, não sendo misericórdias, eventualmente são santas, mas não são propriamente ingénuas: são instituições efectivamente solidárias e não propriamente vicentinas...
Com a implementação da subsidiação directa à família, as instituições usarão de cautelas: aceitarão os utentes que suportem integralmente os custos ou os que, habilitando-se com o subsídio estatal, dêem suficientes garantias de fidelidade na satisfação das suas obrigações. Complicado, sem dúvida...
Mas há mais situações a ponderar: quem se candidata ao subsídio do Estado para ser admitido na instituição? O que tem a prévia confirmação de ser admitido na instituição ou todos os cidadãos, independentemente de estarem ou não interessados na admissibilidade? É que, perante o Estado, todos os cidadãos têm os mesmos direitos. E muitos pensam preferencial e exclusivamente no direito de receber. Complicado e oneroso…
Sobram muitas questões e não faltaria quem esperasse para ver...

3. O acordo base de compromisso para um novo modelo de cooperação estabelece objectivos: “combater a discriminação negativa e criar um factor de maior equidade e justiça social”.
É claro, é consensual e é louvável.
É imperioso que o que é diferente de modo diferente seja tratado.
E efectivamente, há quem pode suportar integralmente os custos do serviço que a instituição presta como há quem não tenha possibilidades ou só parcialmente o possa fazer. Não é justo que aqueles que têm possibilidades de suportar todos os custos estejam a receber mais um benefício indirecto do Estado, através da frequência da instituição. Esses estarão a inviabilizar respostas para outros mais carenciados...
E há mais diferenças. Há todo um conjunto de situações a considerar como todas aquelas que são provocadas por constrangimentos geográficos ou conjunturais...
Qual o caminho?

Quer se queira ou não, certamente que o caminho passará pelo apoio à instituição tendo em consideração a situação da família/utente e outras situações que eventualmente onerem ou desonerem os custos técnicos. É que sem instituições solidárias não há solidariedade e sem sustentabilidade a solidariedade será simples miragem.
Respeitando a subsidiariedade e a autonomia das instituições, o Estado apoia-as e confia-lhes a admissão dos utentes segundo regras claras e mutuamente aceites. Eventualmente, poderá estabelecer uma quota de reserva. Prevenidas com o instrumento dos custos técnicos, as instituições organizam os processos, ponderando as várias situações. Os que podem suportar os custos do serviço a isso terão de ser sujeitos. Pelos outros, o Estado compensa e supre, no todo ou em parte. Parece claro. E haverá mais justiça...
E com a justiça alguns pouparão e todos lucrarão...
É um caminho que se propõe e que vale a pena percorrer!

 

Data de introdução: 2006-10-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...