ARCIL, LOUSÃ

«Em Movimento» venceu 8º Festival Nacional da Canção para Pessoas com Deficiência Intelectual

O grupo Em Movimento, da delegação de Ponte de Lima da APPACDM de Viana do Castelo, venceu a oitava edição do Festival Nacional da Canção para Pessoas com Deficiência Intelectual, com a interpretação do tema “Não olhes para mim assim”.
No entanto, a simples participação já faz de todos os concorrentes vencedores à partida… e foram muitos e de todo o país.
No passado mês de outubro, a ARCIL - Associação para a Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lousã promoveu a oitava edição do Festival Nacional da Canção para Pessoas com Deficiência Intelectual, evento que se realizou na nave do Parque Municipal de Exposições da Lousã.
Os participantes oriundos de instituições de diversas zonas de Portugal, permaneceram dois dias na Lousã e tiveram a oportunidade de conviver, conhecer a Lousã e partilhar experiências e formas de intervenção na área das artes.
O Festival, que constitui um momento de partilha, inclusão e valorização dos intervenientes e das instituições representadas, contou nesta 8ª edição com as seguintes participações: Banda Zero, da Casa de S. Vicente (Marvila), com o tema "Há sempre música entre nós"; Paulo Alexandre Nogueira, da CERCIFAF (Fafe), com "É com ela que eu estou"; Asopranados Controversos, da CERCIMIRA (Mira), com "Todas as ruas do amor"; Ao meu ritmo, da APPACDM de Santarém, com "Homem do leme"; Em Movimento, da APPACDM de Viana do Castelo (Delegação de Ponte de Lima), com "Não olhes para mim assim"; Os Portinhas, da Associação Portas P'ra Vida (Resende), com "Cores são portas p'ra vida”; Trickis, do CRIT de Torres Novas, com "Os gatos"; Banda 5 F's, da CERCI Guarda, com "Basta um sorriso"; Duo Simão e Rafaela, da APPACI de Barcelos, com “Amor a dois"; e Os Viegas, da ARCIL, com "A despedida".
Durante a gala, atuaram ainda os Rufias, da ARCIL e vencedores da edição 2017, e houve ainda um momento «Rei Leão», protagonizado por bailarinos da ARCIL e da Academia de Bailado da Lousã e ainda com as vozes do Coro Misto da Sociedade Filarmónica Lousanense.

 

Data de introdução: 2019-11-20



















editorial

Alta clínica sem alta social

Um dos aspetos que, desde há vários anos, vem sendo identificado como prejudicando a melhor afetação dos recursos alocados ao funcionamento do SNS consiste no facto de existir um número muito significativo de pessoas que, após um...

Não há inqueritos válidos.

opinião

OPINIÃO DE MARIA JOÃO QUINTELA

Contra a eutanásia
Múltiplas entidades vêm promovendo, desde há vários anos, a formação para profissionais de saúde que lidam com as matérias ligadas ao envelhecimento,...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A política no nosso tempo
O mundo em que vivemos é muito diferente do que foi noutras eras. Hoje, o mundo é mais complexo, mais contestado, mais competitivo, mais diversificado e muito mais dinâmico, já...