DEPOIS DO IDAI HEALTH4MOZ RECONSTRÓI HOSPITAL DA BEIRA

Uma gota de solidariedade no mar de miséria em Moçambique

O ciclone IDAI devastou Moçambique a 14 de março deste ano. O pior desastre do hemisfério sul escolheu a cidade da Beira como principal vítima: Mais de 600 mortos; Mais de 1600 feridos; Mais de dois milhões de pessoas afetadas.  
Meio ano depois… As feridas graves provocadas pelo ciclone IDAI na cidade da Beira, em Moçambique, ainda não estão curadas. A destruição e os escombros estão misturados com as imagens da pobreza habitual e as desgraças fundem-se. Parece que sempre foi assim.

O coração da cidade está doente. O Hospital Central da Beira, que serve a população de quatro províncias, num total de 9 milhões de pessoas, ficou muito maltratado. Daviz Mbepo Simango, Presidente do Conselho Municipal da Beira é, ainda, o rosto do desalento: “Fora do IDAI, olho para o HCB e vejo que há um certo abandono, negligência, desrespeito pela vida humana. São aspetos que têm que ser corrigidos. Não são admissíveis numa sociedade civilizada”.
Logo após o IDAI a limpeza do Hospital foi a prioridade, a par da medicina de catástrofe. A cooperação italiana transferiu para tendas no exterior os blocos hospitalares inoperacionais e continuaram a ser feitas cirurgias de emergência. O retrato traçado por Filomena Fernandes, Diretora do Bloco de Sangue, é comum a todas as oito unidades do HCB: “Tivemos o teto aberto e transferimos as coisas porque os serviços não podiam parar. Improvisamos serviços. Graças a Deus temos este apoio que é bem-vindo. Daqui para a frente o sofrimento vai ficar minimizado.” O apoio a que se refere é a ajuda estrutural da Health4Moz, uma ONG portuguesa que meteu mãos à obra para reerguer o hospital, como refere Nelson Duarte Mucopo,
Diretor Geral do HCB: “Estamos em dificuldade de funcionar, por isso é que tivemos que pedir apoio. A Health4Moz está a trabalhar connosco para reconstruir todo o hospital.”

 

SEGUNDA MISSÃO DA HEALTH4MOZ

Carla Rêgo é médica e professora na Faculdade de Medicina no Porto. Nasceu na Beira e aí viveu até aos 16 anos. É a presidente da Health4Moz, uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento, que há seis anos juntou uma equipa de profissionais médicos e enfermeiros e dedicou-se à solidariedade científica com incidência nos PALOP, sobretudo em Moçambique. Em 22 missões esta foi a segunda por causa do IDAI, no âmbito do Movimento Unidos pela Beira. Médicos e enfermeiros da área da saúde materno-infantil estiveram cerca de duas semanas na cidade da Beira. O objetivo é recuperação e reconstrução. Física, clínica e organizacional. “O Movimento Unidos pela Beira criou o objetivo de colaborar com a reabilitação, reconstrução e reorganização de serviços, apoio médico e medicamentoso. A 16 de Maio, dos oito blocos que constituem a unidade, arrancou a reconstrução do Bloco Cirúrgico, Imagiologia e Serviço de Sangue, num plano definido com a administração do HCB.”
O Hospital Central da Beira parece um estaleiro. Carla Rêgo faz questão de ver tudo o que está a ser feito pela TCO Constrol, uma empresa de Braga com grande atividade em Moçambique.  
O Bloco Operatório foi a primeira prioridade da equipa da Health4Moz.  As obras começaram em meados de maio e devem ficar prontas nos próximos meses. A abordagem é simples: Esquecer o passado e começar de novo.
Dos 8 blocos do Hospital Central da Beira metade está praticamente recuperada pela Health4Moz. Todo o esforço financeiro tem origem na solidariedade de instituições e mecenas. A empresa de construção civil, por exemplo, faz as obras quase a preço de custo. Ao todo é preciso um milhão e meio de euros para curar as feridas do Hospital. “As obras de reconstrução do hospital são todas da Health4Moz e dos apoios que conseguir encontrar. Não tem apoio de entidades ou governo moçambicano. Quando arrancou o «Unidos pela Beira» o primeiro parceiro foi a Câmara do Porto que deu 100 mil euros. Permite reconstruir a quase totalidade do bloco operatório. Foi o objetivo da doação. Esse valor pode servir de bitola. Há edifícios que custam menos. Se conseguíssemos o conceito de um edifício, um parceiro, criaríamos aqui uma obra emblemática da cooperação portuguesa.”
As obras de reconstrução do Hospital Central da Beira são só uma parte do que é preciso. A outra é a reorganização dos serviços e o apoio médico e medicamentoso. Todos serviços têm falta de recursos e os que existem precisam de organização. Mesmo o de pediatria, de construção recente, feito pelos chineses. Amir Seni, Diretor do Departamento de Pediatria, explica que “no edifício principal de Pediatria há 168 camas e o berçário tem capacidade para 50 crianças. Temos 90 por cento de lotação, mas às vezes chegamos aos 130 por cento. Chega a haver dois ocupantes por cama. É possível num quarto com 8 camas, num pico, podermos ter até 16 crianças mais os adultos acompanhantes. A equipa de portugueses tem estado a reforçar o básico. Chegaram, avaliaram e concluíram que é necessário começar de raiz e ir subindo. O que sustenta o hospital é o trabalho de enfermagem de qualidade. Vigilância, higiene e assepsia são fundamentais para o sucesso do tratamento. Eles têm sido instrumentais: reforçam as boas práticas e estão a formar os nossos enfermeiros. O tempo é curto, mas é o primeiro passo.”
É a segunda missão da Health4Moz no âmbito do ciclone IDAI. Durante duas semanas é muito trabalho para os sete voluntários, onde se incluem médicos e enfermeiras portuguesas, da área materno infantil. No dia a dia, sob a aparência da tranquilidade, todo o serviço de Pediatria parece viver em permanente emergência, como constata Lurdes Teixeira, enfermeira dos cuidados intensivos de Pediatria do Hospital de S. João, no Porto: “É todos os dias… Estão mal e demoram a chegar cá, não há transportes, não há ambulâncias, não há água quente…”
Em permanente sobressalto e correrias, a enfermeira, Lurdes Teixeira, é chamada várias vezes à urgência. São muitos os casos de crianças entre a vida e a morte… “Estou aqui há uma semana e percebi que nada é o que nós pensamos. Usam a medicina alternativa para completar o tratamento. Entram em comas profundos, mas não dizem. Vão ao curandeiro e depois não sabem qual a mistura que foi administrada. As coisas correm muitas vezes mal…”
A taxa de mortalidade na Pediatria do Hospital Central da Beira é elevada. É particularmente evidente na sala de neonatologia, onde a enfermeira Florbela Neto, tenta encontrar alguma ordem. “Neste tempo que estive aqui de manhã faleceram três, à tarde faleceram mais três e de noite não sei quantos foram. Uma taxa de mortalidade muito grande. Há pouco para oferecer aos bebés. São muitos prematuros e não há quase nada a oferecer. Trabalha-se aqui sem recursos…”
O espaço para os bebés prematuros é pequeno. Não há condições. Os bebés partilham tudo desde o oxigénio, às máquinas, até ao próprio berço. “É duro chegar aqui e ver que as incubadoras já estão ocupadas por outros bebés porque os anteriores já faleceram. Estão sempre a chegar novos bebés e não temos local onde os acomodar. Em excesso, partilham berço, com patologias distintas e ficam infetados”. Uma angústia partilhada com Daniel Virella, médico especialista em Neonatologia do Hospital D. Estefânia, em Lisboa: “Nesta unidade, nesta sala, o mais importante é controlar a infeção hospitalar, higiene e assepsia. É o principal problema. Não há falta de vontade, mas apenas falta de condições. Temos situações de asfixia muito graves em que temos para dar apenas conforto. Não podemos aspirar a tratar o que não é tratável…”
No serviço de Pediatria com cerca de 170 camas há quatro especialistas em saúde materno-infantil. O resto são clínicos gerais. Cada enfermeiro tem a seu cargo 60 leitos. O caos e a desorganização são uma rotina que muitas vezes esconde o que tanta falta faz.  
No Hospital Central da Beira a linha entre a vida e a morte está presa por arames. O trabalho da equipa da Health4Moz divide-se entre o acudir e o cuidar. É preciso fazer mudanças que permaneçam e as prioridades na Pediatria estão bem definidas, como refere Daniel Virella: “A primeira higiene, a segunda higiene, a terceira assepsia, a quarta nutrição, a quinta critérios de tratamento e cuidados paliativos…”
Começar de novo já que não é possível nascer outra vez. A ideia da Helth4Moz é que a aposta mais forte tem que ser na formação. Identificar a realidade, perceber as carências e preparar o futuro. Nesta missão no Hospital Central da cidade da Beira as ações de formação foram uma constante. A maior parte da assistência médica aos nascimentos em Moçambique é feita em centros de saúde pelos enfermeiros. A formação e atualização de conhecimentos tem que ter isso em conta. Conceição Freitas, enfermeira especialista em saúde materna e obstetrícia, no Hospital de S. João, no Porto, explica que “os enfermeiros são muito importantes num país com falta de médicos. São eles que fazem vigilância da gravidez e parto. Têm um papel muito importante e autónomo. Temos que os dotar de conhecimento e instrumentos para resolverem as diversas situações com que lidam diariamente.”
Reconstruir o Hospital e deixar sementes de mudança que podem ajudar a construir o futuro. A atenção dada à saúde materno infantil do Hospital da Beira não foi obra do acaso, como explica Carla Rêgo, Presidente da Health4Moz: “Esta equipa em particular faz parte de um protocolo com a DGS de Portugal e teve formação durante três anos na área da saúde materno-infantil. É uma área fundamental. 50 por cento da população moçambicana tem menos de 15 anos. A assistência à mulher grávida, gravidez e recém nascidos é muito importante.”
Na Beira, em Moçambique a ajuda portuguesa é sentida como uma dádiva. Nelson Duarte Mucopo, diretor geral do Hospital Central da Beira destaca “o apoio multifuncional. Para além da reconstrução do hospital, que envolve todos os blocos existe a componente da formação, cursos de capacitação dos funcionários. Vai ajudar muito. E já notamos a diferença.” O mesmo diz o Presidente do Conselho municipal: “Temos muito a agradecer. Não temos recursos, mas temos a cabeça e as mãos para acarinhar esse projeto, esta iniciativa e estamos presentes para que apareçam mais missões, como estas.”
Dentro de dois meses o coração do Hospital Central da Beira vai estar a bater com um ritmo próximo do normal. Os blocos principais voltam à capacidade máxima. A fundamental ajuda portuguesa é, ainda assim, uma pequena gota de solidariedade no mar de pobreza e miséria. 

 Victor M. Pinto, texto e imagens

 

O QUE É A HEALTH4MOZ?

A Health 4 Mozambican Children and Families (Health4MOZ) é uma associação sem fins lucrativos de direito português, com estatuto de Organização Não-Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), criada em maio de 2013. Teve na sua origem a solidariedade e vontade de um grupo de médicos e professores universitários portugueses em resposta ao repto de médicos moçambicanos.
Tem como único objetivo ensinar, transmitir conhecimento de excelência a alunos e profissionais de Moçambique, pois acredita que a transmissão do conhecimento e a capacitação são as grandes mais-valias que fazem melhorar as sociedades e mover o mundo! O trabalho da Health4MOZ é totalmente voluntário, pro bono, num espírito de verdadeira solidariedade científica.
A sua atividade é creditada por protocolos firmados em Portugal com a academia (faculdades), com os maiores hospitais do país e com a Ordem dos Médicos. Tem ainda o apoio, em função das áreas de formação, das Sociedades Científicas Portuguesas e o reconhecimento e apoio da Direcção-Geral da Saúde, da Secretaria de Estado da Cooperação, da Embaixada de Portugal em Maputo e da Presidência da República.
Em 6 anos de atividade a Health4MOZ realizou 22 Missões em Moçambique que envolveram a participação de 95 profissionais de Portugal.

 

Data de introdução: 2019-08-16



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

(...) É relevante a importância do estudo sobre a importância económica e social das IPSS, que ajuda a perspetivar algumas vias de futuro e constitui uma preciosa ferramenta na Cooperação. (...)

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Saber fazer e como fazer
A Covid-19 arrastou o mundo e o nosso País para uma crise com consequências económicas e sociais ainda difíceis de imaginar.Mostra a experiência que no fim de qualquer...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As contas da tragédia dos incêndios de 2017
Exerço as funções de Presidente da Assembleia Geral da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e é com satisfação que constato que entre a...