COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO PARA O SECTOR SOCIAL E SOLIDÁRIO 2019-2020

Governo anuncia a criação de sete mil vagas em creche por todo o país

Está, finalmente, firmado o Compromisso de Cooperação para o Sector Social e Solidário 2019-2020, tendo a cerimónia de assinatura decorrido, no passado dia 11 de julho, no Palácio de S. Bento, em Lisboa, na presença do Primeiro-ministro António Costa.
E foi mesmo o chefe de Governo a revelar a grande novidade da sessão com o anúncio da criação de 7.000 vagas na rede de creches em todo o país.
“Vamos lançar um programa inspirado no PARES [Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais] com o objetivo de criar sete mil vagas em creche”, avançou, explicando que estas serão direcionadas para “as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e para as zonas abaixo do indicador europeu de 30% cobertura”.
Esta intenção do Governo, segundo António Costa, prende-se com “os novos desafios do futuro, em que a demografia é um dos maiores”.
O Primeiro-ministro congratulou-se pelo acordo alcançado, considerando que o Compromisso agora assinado “dá previsibilidade e confiança à relação do Estado com o Sector Social e Solidário, pois permite definir objetivos comuns e alargar a rede” de apoio social.
Já para o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sublinhou que esta “é uma renovação de uma estratégia, que visa melhorar a qualidade de vida dos portugueses de forma cooperante para se obter mais resultados”.
Para Vieira da Silva, “o Estado a cooperar não está a delegar competências, mas a cooperar com a sociedade”, acrescentando: “A cooperação é como um piquenique em que todos contribuem para valorizar os objetivos de bem comum”.
Do lado do Sector Social Solidário, Luís Alberto Silva, presidente da União das Mutualidades Portuguesas, lembrou o “défice crónico” com que as IPSS vivem, reconhecendo, porém, que “o Governo foi de encontro aos parceiros”, considerando que “o Compromisso não é o desejado, mas já encurta distâncias”.
Por seu turno, o presidente da CNIS (Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade) lembrou que “o contexto em que o Protocolo foi negociado era complexo”, pois “havia quem difundisse dúvidas sobre se o Estado não estaria a demitir-se das suas funções transferindo para as instituições as suas obrigações”, “pairavam nuvens de dúvidas que se adensavam sobre a sustentabilidade das instituições”, “engrossavam persistentes queixas de instituições sobre algumas atuações de serviços do Estado”, a que se junta ainda “alguma comunicação social, que confundindo a árvore com a floresta, resvalava na tentação de hipervalorizar o que eventualmente poderia ser negativo e ignorava um todo globalmente muito positivo”.
Sabendo-se que era intenção do Governo ter o Compromisso fechado até ao final do ano de 2018, no entanto, só sete meses depois tal se verificou.
“Tarde?”, questionou o padre Lino Maia, que de pronto respondeu: “Provavelmente se tivesse sido concluído muito antes não estaríamos tão confortados como estamos, porque este Protocolo é um bom instrumento na Cooperação”.
Porém, “o seu sucesso ficará dependente da continuidade deste espírito e vontade de parceria, do reconhecimento e respeito entre as partes, do crescimento e de maior abertura na área da Saúde e da concretização, em tempo, das medidas preconizadas na área da Educação”, sublinhou.
Considerando que “este Compromisso de Cooperação é bom” para as IPSS, o líder da CNIS destacou ainda “três marcas programáticas e indeléveis (…) que, muito provavelmente, marcarão um antes e um depois na rica história da Cooperação”: “um clausulado com incidência legal mais claro e respeitador na Cooperação; porque o Estado não pode ser apenas fiscalizador, é estabelecido um sistema de serviço partilhado de apoio às instituições; e, finalmente, e não menos importante, introduz um cursor de estabilidade e previsibilidade que, sem recurso ao Orçamento do Estado, será certamente bem importante na manutenção e aprofundamento da necessária transparência no Sector e na fundamental assunção da sua sustentabilidade”.
Por fim, o padre Lino Maia, dirigindo-se ao Primeiro-ministro, considerou que “há reptos que se destacam no devir próximo de Portugal, como o sejam a coesão territorial, a promoção de condições que apoiem a natalidade e serviços que proporcionem um envelhecimento com qualidade e, enquanto possível, com atividade útil”, sustentando que, “nestes desafios, as boas políticas têm encontrado e continuarão a encontrar nas instituições parcerias estratégicas”.
Por seu turno, Manuel de Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas, instou o Governo a criar “linhas próprias para o Sector Social Solidário” no âmbito do Portugal 2030, enquanto Rogério Cação, presidente da Confecoop (Confederação Cooperativa Portuguesa), afirmou que “há que aprofundar o trabalho em torno da RNCCI (Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados)”.
A cerimónia de assinatura do Protocolo para o biénio 2019-2020, que contou ainda com os ministros da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e da Saúde, Marta Temido, ficou marcada pela estreia da Confecoop, a mais recente organização a integrar a Comissão Permanente do Sector Social e Solidário.

Pedro Vasco Oliveira (texto e foto)

 

Data de introdução: 2019-07-17



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...