MARCELO REBELO DE SOUSA HOMENAGEOU A CNIS E RECEBEU MAIS DE 300 DIRIGENTES

"As IPSS contam com o Presidente da República"

“É impressionante de ver a diversidade das pessoas, gente menos jovem e mais jovem, portanto há aqui um diálogo de gerações e de experiências, mas também o equilíbrio entre homens e mulheres e o facto de haver muita juventude, ou seja, ainda mais futuro”, sustentou o Chefe de Estado, que sublinhou: “São instituições para necessidades muito diversas, o que quer dizer que estão a cobrir em rede social tudo o que são carências do País. E depois sente-se aqui um espírito muito comunitário, ou seja, vindas dos quatro cantos do nosso País conhecem-se em muitos casos e sente-se que há um espírito comum muito forte”.
A cerimónia, que só na fase inicial foi pautada por algum protocolo, foi um momento de festa e de comunhão entre os dirigentes das instituições presentes e o Presidente da República, que destacou esse “espírito comum muito forte” que considera ser “obra do padre Lino Maia, mas essencialmente é obra da CNIS e de muitos anos de trabalho em conjunto”.
E foi precisamente esse espírito e trabalho que, para Marcelo Rebelo de Sousa, “permitiu ao País resistir em tempos de crise muito difíceis como conseguiu resistir e permite olhar o futuro com uma esperança enorme”, porque “é esta rede que assegura a verdadeira solidariedade social entre nós”.
A cerimónia iniciou-se com o presidente da CNIS a usar da palavra, começando por elogiar a atenção de Marcelo Rebelo de Sousa, a quem chamou “cidadão de afetos e professor que orienta valorizando”, para com o universo das IPSS.
“Temos conhecimento como ao longo do tempo, e não só no último ano de Presidência, tem sabido estar atento às Instituições Particulares de Solidariedade Social e acompanha com afeto, destaca valorizando, visita dinamizando e assume que elas são do bom que Portugal tem e muito”, afirmou o padre Lino Maia, que de seguida traçou um breve retrato histórico da solidariedade no País.
O líder da CNIS aproveitou para lembrar que as IPSS “são instituições de uma comunidade que se envolve e não se desmobiliza e que em momentos de crise se comporta de forma expansionista e em contraciclo se comparada com os outros setores tradicionais da economia e com outras sociedades”, deixando alguns números elucidativos do peso do Setor Social Solidário: “Mais de 60% da ação social direta que entre nós é desenvolvida é responsabilidade destas organizações, as IPSS. Hoje são cerca de cinco mil instituições que apoiam diretamente mais de 650 mil utentes e indiretamente muitos mais ainda, empregam mais de 200 mil trabalhadores e representam um bom indicador de atividade económica. Três mil dessas instituições estão associadas na CNIS e estão aqui representadas por estes mais de 300 dirigentes, que vêm desde a aldeia mais nordestina de Bragança até à que se radica mais a sul na Região Autónoma da Madeira”.
Recordando que o espaço do Setor Social Solidário é o social, a sua dimensão a capilaridade, a sua filosofia a envolvência, a sua matriz o voluntariado, a sua opção privilegiar os mais carenciados, a sua presença a proximidade, a sua qualidade a solidariedade, o seu produto é serviço público e a sua estratégia a cooperação com o Estado, o presidente da CNIS, lembrou que, “hoje por direito próprio, em colaboração com os serviços públicos, o Setor Social Solidário integra o Sistema Nacional de Proteção Social, uma componente essencial do Estado Social”.
De seguida o padre Lino Maia considerou as IPSS “uma das principais âncoras do Estado Social”, defendendo que “se o Estado Social parece enfrentar alguns desafios, também as IPSS se confrontam com alguns riscos”.
E aqui, o líder da CNIS apelou diretamente a Marcelo Rebelo de Sousa: “Perante si, Presidente, Chefe de Estado, Professor e cidadão, neste dia em que nos congrega ao seu redor queremos desafiá-lo a que nos ajude a ultrapassar alguns riscos. Questões ideológicas que eventualmente se guindarão acima do interesse nacional podem abafar uma cultura de cidadania e de serviço na cooperação. Senhor Presidente, a sua voz pode ser a nossa vez e a voz de muitos outros portugueses”.
E nestes “tempos da pós-verdade”, o padre Lino Maia acusou ainda “a intencionalidade de alguns editores que se vão instalando em alguma Comunicação Social, mesmo pública, tratando despropositadamente alguns casos, talvez para direcionar o mercado ou certamente para descredibilizar uma cultura de serviço”, lembrando ao Presidente que “os seus afetos e a mestria com que os manifesta podem contribuir para o reforço da resiliência de dirigentes antes que alguns desmobilizem”.
Prosseguindo o retrato da situação atual e identificando alguns dos riscos que as IPSS enfrentam, o padre Lino Maia lembrou que “a sustentabilidade é uma preocupação permanente das comunidades que as instituições servem” e apelou à influência presidencial que poderá “contribuir para que também o Estado, com o qual as instituições cooperam, assuma firmemente as suas responsabilidades na matéria para que seja evitada a adulteração da matriz das instituições”, que é a preferência pelos mais carenciados.
Bem ao seu estilo, Marcelo Rebelo de Sousa não deixou de responder de pronto aos desafios lançados pelo presidente da CNIS, começando por sublinhar o papel determinante das instituições sociais nos períodos mais difíceis da vida coletiva.
“Não fora o vosso contributo e o que teria sido a crise económica e social ao longo das décadas de vida democrática, nomeadamente na última crise nestes recentes quatro, cinco anos, o que teria sido?”, questionou, respondendo de pronto: “A vossa proximidade é insubstituível e vai muito mais longe onde pode ir o braço do Estado. Por isso, senhor padre Lino Maia, não esteja preocupado em termos doutrinário-ideológicos, as doutrinas em abstrato e as ideologias em teoria de nada podem contra a realidade social”.
Reforçando esta ideia, Marcelo Rebelo de Sousa sustentou que “a realidade é feita por uma miríade de instituições que estão aí no quotidiano para servirem os Portugueses, que estão aqui simbolicamente representadas, e que são insubstituíveis e imprescindíveis”.
Já “mais complexo é o desafio da sustentabilidade”, disse, ressalvando que este “não é um desafio de credibilidade social e comunitária, porque os Portugueses sabem o que devem às vossas instituições”.
Para o Presidente da República, “o problema não reside na legitimação comunitária, mas na disponibilidade de meios para o cumprimento da vossa missão”, concordando com o padre Lino Maia no sentido de considerar que “o Estado Social constrói-se todos os dias, tal como a democracia”.
“O Estado Social e a democracia fazem-se todos os dias e em circunstâncias diferentes e essa construção de todos os dias exige um esforço conjunto entre o vosso contributo e a intervenção do Estado e demais entidades públicas. É uma convergência permanente e inevitável, por isso estou muito atento”, afirmou, lembrando o episódio do acordo em sede de Concertação Social para o aumento do salário mínimo, em que a sua preocupação era a incidência que o mesmo teria nas IPSS.
“Havia que salvaguardar os efeitos daquele compromisso”, argumentou, acrescentando: “Por isso acompanho com atenção e com esperança a convergência que tem existido, nomeadamente nestes tempos, no Governo em matéria de solidariedade social. Porque é uma convergência que tem que ser negociada ano a ano, estudada e renovada anualmente, e vejo com esperança os passos que estão a ser dados no sentido de ser possível proporcionar meios financeiros às instituições que permitam meios técnicos, materiais e recursos humanos sem os quais a vossa missão é mais difícil”.
Nesse sentido, para o Presidente “esta rede essencial para o País não pode ser bloqueada ou esvaziada ou minimizada, já não por razões ideológicas, mas por contingências financeiras”, “porque isso é querer Estado Social e não dar condições para o Estado Social e hoje o Estado Social no nosso País passa pelo vosso fortalecimento”.
Daí a homenagem que a Presidência da República quis prestar às associadas da CNIS.
“É com muita alegria que vos recebo nesta homenagem do Presidente da República ao vosso papel ao serviço de Portugal. É a homenagem do Presidente da República mas é também a homenagem do cidadão. Antes de ser Presidente o cidadão já integrara várias instituições ou fora dirigente de uma ou outra instituição”, lembrou, rematando: “E hoje quero agradecer o passado, agradecer o presente e manifestar a aposta no futuro. Já contavam com o cidadão, mas contam com o Presidente da República”.
Após os discursos, foi tempo de fazer silêncio porque se ia cantar o fados. Carlos do Carmo, acompanhado por José Manuel Neto (guitarra portuguesa), Carlos Manuel Proença (viola) e Mariano de Freitas (baixo), interpretou alguns dos seus fados mais conhecidos, pondo mesmo toda a plateia a cantar temas como «Canoa do tejo», «Por morrer uma andorinha» ou «Lisboa menina e moça», entre outros.
Momento festivo, em que Carlos do Carmo pontuou a atuação com algumas palavras de elogio às instituições sociais, sempre num tom informal e que tornou ainda mais especial o fim de tarde no belíssimo espaço que é o Picadeiro Real.
No final, enquanto alguns aproveitavam o momento para ofertar algumas lembranças ao Presidente da República e para tirar uma selfie, outros degustavam um Porto de Honra servido por alunos de restauração e hotelaria da Casa Pia.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2017-03-10



















editorial

IPSS e Economia Social

Para uma melhor compreensão da Economia Social no nosso país, com dados relativos a 2013, o INE atualizou a Conta Satélite da Economia Social, que veio confirmar a dimensão e a relevância económica e social deste setor. No caso das...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2017 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O futuro da Europa
Há uma espécie de consenso geral acerca da importância decisiva que algumas eleições, previstas para este ano em alguns países, terão no futuro da Europa....

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Eles comem tudo...
Pedindo desculpa pela invocação de José Afonso num tempo em que seria suposto reinar neste “jardim à beira mar plantado” um clima de justiça e paz social,...