PADRE JOSÉ MAIA

Misericórdia e Solidariedade

Quem, como nós, se sentir “militante praticante” da SOLIDARIEDADE, não poderá ficar indiferente ao anúncio de um JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA no ano de 2016, feito pelo Papa Francisco.

Quem se recorda do “Maio 68 e do Concílio Ecuménico Vaticano II”, Eventos que marcaram um ciclo de Mudança na Sociedade e na Igreja, poderá pressentir que o ano de 2016, e graças ao JUBILEU EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA, poderá surpreender-nos com novas visões geoestratégicas e até de mundividência cristã e ecuménica e com inimagináveis soluções políticas, económicas e sociais que poderão fazer soprar no Mundo ventos de MUDANÇA!

Para fundamentar esta esperança, permito-me citar o efeito que poderão gerar, na mente e no coração de quem comanda os destinos dos Povos, as seguintes frases programática apresentadas pelo Papa Francisco para este Jubileu:

“…Neste Ano Santo (JUBILEU), poderemos fazer a experiência de abrir o coração àqueles que vivem nas variadas periferias existenciais, que muitas vezes o mundo contemporâneo cria de forma dramática”!

“…Quantas situações de precariedade e sofrimento presentes no mundo atua”!

“…Quantas feridas gravadas na carne de muitos que já não têm voz, porque o seu grito foi esmorecendo e se apagou por causa da indiferença dos povos ricos”!

“…Não nos deixemos cair na indiferença que humilha, na habituação que anestesia o espírito e impede de descobrir a novidade, no cinismo que destrói. Abramos os nossos olhos para ver as misérias do Mundo, as feridas de tantos irmãos e irmãs privados da própria DIGNIDADE e sintamo-nos desafiados a escutar o seu grito de ajuda. Que o seu grito se torne o nosso e, juntos, possamos romper a barreira de indiferença que frequentemente reina soberana para esconder a hipocrisia e o egoísmo”!

Pe. José Maia

 

 

Data de introdução: 2015-08-06



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...