A morte não mata a vida

Depois de um fecundo pontificado de mais 26 anos à frente da Igreja Católica, João Paulo II - Papa Peregrino - como ficou conhecido, partiu, no passado dia 2 de Abril, para a sua última viagem. Esta, que aos olhos do mundo, parece não ter regresso mas, para quem acredita, ele viajou para junto do Pai e continuará a velar por todos nós neste mundo que ele tanto amou. Digo isto porque acredito que a morte não mata a vida, de contrário, não teria sentido continuar o nosso empenhamento a favor dos homens e mulheres do nosso tempo, principalmente daqueles que são mais desfavorecidos, nas diferentes instituições de solidariedade que gerimos em todo o país. O trabalho que desenvolvemos não é mais do que dar vida à vida, a começar nas crianças mais pequeninas que acolhemos nas creches das nossas instituições e a terminar nos cuidados que prestamos a milhares de idosos em lares, permitindo-lhes desfrutar de uma melhor qualidade de vida, depois de longos anos de canseiras e trabalhos.

O Papa João Paulo II deixa-nos um grande legado de amor pela vida, carinho para com os mais fracos e de denúncia profética das causas que provocam as injustiças que, por sua vez, trazem como consequências o aumento da pobreza, do desemprego, da delinquência juvenil, dos sem abrigo, numa palavra: fazem aumentar o número dos excluídos do nosso tempo. No início do seu pontificado apelou a todos os homens e mulheres de boa vontade, com a célebre frase: "não tenhais medo!...". De facto, ele não hesitou em enfrentar os poderosos, lutou contra as guerras com as armas da paz, da tolerância e do perdão. Aproximou povos, estados e religiões através de um diálogo sempre franco, aberto e isento de oportunismos. Só que os homens e mulheres com responsabilidades na política e na condução dos destinos do mundo, preferiram muitas vezes tapar os ouvidos perante o seu clamor a favor dos povos que todos os dias continuam a morrer, vítimas de guerras fratricidas, da fome e da intolerância.

Também nós, muitas vezes, ao contrário do que seria desejável, para não ferir susceptibilidades, preferimos evitar a verdade, contornar os problemas, fazer de conta que não vemos as injustiças a passar-nos ao lado e continuar a viver de "migalhas", que não dão para corrigir injustiças com mensalidades, com salários baixos e para prestar aos mais pobres serviços de merecida qualidade.

Nos últimos dias da sua estada neste mundo, João Paulo II quis mostrar que a vida é vencedora da morte. Que ele próprio não tinha nada a esconder, comunicando uma transparência de vida formidável. Os seus ensinamentos irão perdurar por muitos e muitos anos no coração de todos aqueles que partilharam e admiraram a sua conduta de vida. Também nós, dirigentes de Instituições de Solidariedade, temos ainda muito que caminhar, quer nos procedimentos, quer nas relações com as tutelas.
Temos que ter a coragem suficiente, à maneira de João Paulo II, de manter a cabeça levantada, de nos afirmar sem medos e, ao mesmo tempo, exigir que o nosso empenhamento seja reconhecido e dignificado. Não podemos permitir que a morte nos roube a vida, que todos queremos preservar e dignificar. 

* Membro do Conselho Fiscal da CNIS

 

Data de introdução: 2005-04-20



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...