VILA REAL

Hospital vai ter viatura de emergência médica até final do ano

O Centro Hospitalar de Vila Real/Peso da Régua vai dispor de uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) até ao final do ano para garantir assistência mais rápida às vítimas de acidentes. A conclusão do processo de entrega só dependente do Centro Hospitalar.

A existência das VMER é uma reivindicação antiga da população transmontana por causa do papel fundamental que podem ter na assistência aos acidentes e na redução do número de mortos e de feridos graves nas estradas da região.

A região transmontana é atravessada por duas das vias onde se regista maior sinistralidade no país, o Itinerário Principal (IP) 4 e a Estrada Nacional 2. Desde a conclusão do IP4, em 1993, morreram nesta via cerca de 220 pessoas em acidentes de viação.

A VMER é uma viatura equipada e monitorizada pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), tripulada por uma equipa de médicos e enfermeiros preparada para prestar qualquer tipo de socorros.

Para um funcionamento em pleno da VMER são necessários 12 enfermeiros e 12 médicos com formação adequada nesta área. As VMER funcionam ao abrigo de um protocolo estabelecido entre o INEM e os hospitais.

Ao instituto de emergência cabe a formação dos recursos humanos, as despesas com as viaturas, pagamento de seguros e material médico pesado, cabendo ao hospital disponibilizar os recursos humanos necessários para um funcionamento 24 horas por dia da viatura.

Durante o primeiro ano as despesas são pagas a 100 por cento pelo INEM e, ao fim do quinto ano, este instituto financia apenas as despesas com a viatura e com o equipamento de cuidados intensivos.

Existem em todo o país 27 VMER, custando cada uma cerca de 300 mil euros por ano. Desde Junho que todas as chamadas de emergência dos cinco distritos a norte do rio Douro são canalizadas para o CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes), sedeado no Porto.

Numa região abrangida pelo CODU, as chamadas de saúde recebidas no 112 são encaminhadas para aquele centro de orientação constituído por uma equipa médica.

 

Data de introdução: 2004-11-16



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...