LINO MAIA COM PR POR CAUSA DA COVID-19

Presidente da CNIS pede ajuda para garantir equipamentos que protejam um milhão de pessoas nas instituições

O presidente da Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade Social (CNIS), Lino Maia, esteve esta quarta-feira em reunião com o Presidente da República para dar conta das dificuldades por que passa o sector social solidário por causa da COVID-19. O líder da CNIS esteve presencialmente no Palácio de Belém enquanto que Manuel Lemos, o presidente da União das Misericórdias Portuguesas, fez a reunião por videoconferência.
Os representantes do setor social informaram o Presidente da República sobre as dificuldades das instituições, sobretudo os lares de idosos, onde faltam equipamentos de proteção, voluntários e financiamento, sublinhando que os reforços de 59 milhões de euros, anunciados pelo Governo, não são solução.
"Financeiramente, estas instituições precisam de meios. Têm custos muito elevados. Só com o trabalho os custos significam 70% das despesas e os trabalhadores não são um problema, são uma solução", afirmou o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social.
"Há a questão dos voluntários, precisamos de equipamentos de proteção individual e precisamos de facto que a comunidade não se desligue. Muitos vivem à volta destas instituições. Se isto colapsar, e não vai colapsar, então estaremos todos mal", disse o padre Lino Maia.

O presidente da CNIS pediu ajuda para garantir equipamentos que protejam um universo de um milhão de pessoas no que diz respeito aos lares - 200 mil trabalhadores e 800 mil utentes.
Lino Maia pede ao Estado que não esqueça o setor social. O reforço de 59,2 milhões de euros, recentemente anunciado, representa uma atualização de 3,5% dos contratos com as instituições de solidariedade social, que não chega para cobrir o aumento com os custos do trabalho, nomeadamente o aumento do salário mínimo nacional, que representa um acréscimo de 5,83% nas despesas, explicou o dirigente da CNIS.
"Não é com 3,5% de atualização nos acordos que enfrentamos a situação, a crise, 3,5% não é de modo nenhum suficiente. Podem neste momento ser uma espécie de injeção, mas é preciso, de facto, olhar para este setor", defendeu.
Segundo Lino Maia, "há 40% de instituições que chegam ao fim do ano com resultados negativos". "Estas instituições não podem colapsar. Os 59 milhões de euros como uma injeção neste momento são oportunos, não solucionam. O meu medo é que se pense que injetando agora isto está tudo resolvido. Não está", alertou.

A CNIS criou equipas de acompanhamento dos lares em cada distrito."Os idosos continuam a ser apoiados, podem ter a certeza de que não serão abandonados e é importante também que a sociedade não os abandone. As nossas crianças vão continuar a ter apoio nas instituições, os nossos trabalhadores vão continuar a vestir a camisola. Podemos ter, de facto, confiança. Não há mal que sempre dure", referiu Lino Maia.

Em Portugal, há 43 mortes e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito pela Direção-Geral da Saúde nesta quarta-feira. Dos infetados, 276 estão internados, 61 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 22 doentes que já recuperaram. Estes são os números oficiais numa altura em que há quem conteste a veracidade da informação.

Depois das reuniões com os representantes do sector social, por causa da incidência da COVID-19 nas instituições, o Presidente da República assegurou que "tudo será feito" para garantir que a informação transmitida aos portugueses é verdadeira, algo necessário para "destruir rumores" e distinguir os lapsos na comunicação sobre os números da covid-19.
"Aquilo que posso garantir é que naquilo que depender de mim e de todas as autoridades com as quais estou em contacto permanente [primeiro-ministro, ministra da Saúde e diretora-geral da Saúde], tudo certamente será feito para que aquilo que é transmitido aos portugueses seja verdadeiro", disse aos jornalistas Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Data de introdução: 2020-03-26



















editorial

TRATOS E ABUSOS

Todos ficámos abalados com os relatos de abusos sexuais praticados por agentes pastorais. São dilacerantes, são muitos os abusadores e são muitas as vítimas.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Proteção de Crianças, Jovens e Pessoas Vulneráveis
Os abusos sexuais de crianças na Igreja Católica têm sido uns dos assuntos mais marcantes da agenda mediática do nosso país. Nunca os erros de alguém podem ser...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...