UDIPSS ÉVORA

Tiago Abalroado quer sede e residência universitária a funcionar em 2022

A União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) de Évora vai construir um edifício para instalar a sua sede e uma residência para estudantes universitários.
O projeto foi apresentado pelo presidente da UDIPSS de Évora, Tiago Abalroado, durante o 4.º Encontro das IPSS do Alentejo, subordinado ao tema «Prevenção, sustentabilidade e inovação», que decorreu na cidade alentejana.
"Já celebrámos o contrato de promessa de compra e venda que vai permitir a aquisição de um terreno que tem cerca de 900 metros quadrados", situado na Avenida Dinis Miranda, em Évora, revelou à margem do encontro.
Nesse terreno, a UDIPSS Évora vai construir um edifício com uma área "na casa dos 800 metros quadrados em dois pisos".
Tiago Abalroado adiantou que no futuro equipamento será instalada a sede da UDIPSS Évora, permitindo "autonomizar" a instituição em relação a qualquer sua associada, porque, atualmente, esta funciona "na instituição que lhe preside".
A futura sede "vai contar, logo de base, com um auditório, uma sala multiusos, uma sala de exposições e um café-concerto" e "acoplámos uma residência universitária", com capacidade para cerca de 50 estudantes, referiu.
Questionado sobre o investimento previsto, o presidente da UDIPSS Évora referiu que ainda não está determinado o valor, realçando que a aquisição do terreno onde será construído o edifício tem um custo de 100 mil euros.
"Estamos a perspetivar o primeiro estudo e esboço", em que "teremos de articular com a autarquia", assinalou o responsável, admitindo que será "necessário um financiamento robusto para um projeto desta envergadura".
Nesse sentido, a UDIPSS Évora vai promover "duas iniciativas de 'crowdfunding' [financiamento coletivo] para angariar verbas" e convidar as suas 80 associadas "a dar o seu contributo" para o projeto.
Quanto aos prazos, Tiago Abalroado disse que a meta é ter a sede e a residência universitária a funcionar dentro de dois anos.

 

Data de introdução: 2020-01-23



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...