O Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente

O Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente deve as suas origens à Junta de Freguesia de 1985, que idealizava uma freguesia dotada de estruturas sociais que pudessem dar apoio aos seus membros da população mais desfavorecidos. 

Com um âmbito de acção capaz de dar resposta às problemáticas da 2.ª Infância, a Junta constatou não ser a entidade competente para solucionar as problemáticas da 1.ª infância e da 3.ª idade. No sentido de dar resposta a estas áreas de intervenção social foi então criada uma Instituição Particular de Solidariedade Social, sem fins lucrativos e com acordo de cooperação com o Ministério da Segurança Social e do Trabalho.

Com os recursos humanos e institucionais constituídos para levar a cabo a sua acção, faltavam agora os financeiros. Assume nesta fase um papel relevante um cidadão de S. Clemente residente em Moçambique que em 1910 havia doado uma quinta em testamento para socorrer as necessidades dos pobres da freguesia.

Parte desta quinta foi vendida para liquidar as primeiras despesas, e na outra parte foram construídos primeiros os edifícios da Creche, ATL e Junta de Freguesia e mais tarde o Lar e Centro de Dia. O nome da rua o¬nde se localiza o Lar, Rua Domingos da Silva, é uma homenagem a este benfeitor.

Perseguindo sempre o objectivo de acompanhar as necessidades das populações locais, o Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente tem como finalidade promover em colaboração com as famílias, o desenvolvimento físico, emocional, intelectual e social da criança, bem como proporcionar condições de qualidade de vida aos idosos.

A sua acção processa-se através das valências de creche, actividades de tempos livres, mini-lar de idosos, centro de dia para idosos e apoio domiciliário.

Para saber um pouco mais sobre o Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente consulte o site www.cssclemente.pt

 

Data de introdução: 2005-09-13



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...