OPINIãO

O mesmo conflito, novos contornos - por A.J. Silva

Após alguns anos de impasse, reacendeu-se o conflito israelo-palestiniano, centrado desta vez, na chamada Faixa de Gaza. Não se trata, propriamente, de um confronto entre o governo de Israel e a Autoridade Palestiniana, mas de uma nova batalha entre o executivo de Telavive e os líderes radicais do Hamas que passaram a dominar aquele território palestiniano, depois da guerra civil travada contra os seus “irmãos” da Fatah em 2006.
Esta nova batalha, que tudo indica estar para durar, teve um início violento: já fez dezenas de vítimas entre mortos e feridos e provocou um rasto de destruição, nomeadamente no lado palestiniano. Alegando ter sido atacado primeiro e inesperadamente por mísseis do Hamas lançados sobre o seu território, Israel respondeu com um primeiro raide da sua força aérea, atingindo e matando o chefe militar daquele movimento que seguia num carro pela cidade de Gaza. O ataque israelita provocou uma reacção extremamente emotiva e violenta do Hamas que deixou no ar uma ameaça muito séria de levar o inferno ao território israelita.
Estava criado o clima propício a uma guerra que se vem juntar a outras que principiaram mais ou menos do mesmo modo, e que não levaram a qualquer solução política, susceptível de trazer a paz e a estabilidade àquela região. Tudo isto acontece numa altura em que a Autoridade Palestiniana anuncia o seu propósito de levar à ONU um requerimento que visa a aceitação da Palestina como membro das Nações Unidas, embora, para já, com o estatuto de Observador.
Para evitar que o próximo passo seja o requerimento do estatuto de membro de pleno direito, o governo de Telavive já tornou clara sua oposição a uma tal pretensão da Autoridade Palestiniana, fazendo realçar ainda que tudo fará para garantir, nesta altura, a segurança dos seus cidadãos. E todos sabemos o que isso significa na linguagem judaica.
Aparentemente, o governo israelita está convencido da sua capacidade de responder a todas as ameaças, quer do ponto de vista militar, quer político. Do seu lado, conta sempre com o apoio dos Estados Unidos e de quase todas as potências ocidentais, embora em graus diferentes. O problema é que o Egipto já tornou público o seu propósito de afirmar a sua independência face à política americana quanto a este e outros problemas. Nem Washington nem Telavive podem contar com a compreensão ou com o receio que Mubarak foi demonstrando ao longo de todas as crises do Médio Oriente. E isto muda muita coisa.

A.J. Silva

 

Data de introdução: 2013-02-08



















editorial

Legislativas 2019

No contexto da pré-campanha eleitoral para as Eleições Legislativas de 2019 surgiram várias propostas e foram enunciadas algumas preocupações que conectam diretamente com o que são as competências e a tradição...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A conetividade como condição de sobrevivência das instituições
O conceito que no século XX mais influência teve na economia global, no mundo do trabalho e na vida dos cidadãos foi a globalização. Embora não tenha sido a...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A China e o desafio de Hong Kong
Já lá vão umas largas semanas sobre o início da crise social e política que atingiu Hong Kong, uma crise que, pelo menos aparentemente, ainda está longe de ter...