EDITORIAL

Eleições legislativas e Solidariedade

1. Para trás ficaram as Eleições Legislativas…
Múltiplas são as leituras possíveis sobre os resultados das Eleições. Pela primeira vez, todos, concorrentes e não concorrentes, podem reivindicar vitória: muito embora tenha perdido alguma força, houve um Partido que foi claramente o mais votado e todos os outros quatro, que já tinham assento parlamentar, viram os seus grupos diferentemente reforçados. Até a abstenção saiu vencedora (é já o “partido” com maior expressão, não sendo todavia chamado para estabelecer maiorias, para já). Comparativamente com o último sufrágio similar, a própria soma dos votos brancos e nulos saiu reforçada.
Glória aos vencedores. Todos, porque vencidos parece que não haverá.
Se o voto é uma arma do povo (não a única, certamente), o conjunto da abstenção e dos boletins não validados carece de alguma cuidada leitura. Com honra e antes que seja demasiado tarde.
Vamos ter um Parlamento com um maior equilíbrio entre as várias visões do que se quer para o País: muito embora subscrevendo que não é no Parlamento que se esgota o exercício das “mais amplas liberdades democráticas”, provavelmente ali estarão reunidas algumas das condições para ser mais alargada a consciência de que a causa comum é uma construção de que ninguém responsavelmente se possa apartar. Talvez isso favoreça um caminho de maior participação e um futuro com uma maior validação de votos e de votantes.
Importante que assim seja. Se a democracia não se esgota em processos eleitorais, exige-os: claros, inequívocos e sem constrangimentos.
Com a participação e a validação de todos no que é comum.

2. Acabaram as campanhas eleitorais para as Legislativas…
Nem tudo foi positivo e sucessivos casos “asfixiaram” alguns períodos do longo processo eleitoral.
Mas, mais do que nunca, sobressaíram e foram debatidas opções programáticas. E isso foi muito positivo.
Para além de outros destaques, deve ser sublinhado que a apresentação dos programas, os debates e as campanhas eleitorais revelaram um mais generalizado conhecimento e reconhecimento da importância das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e uma maior convicção de que um futuro mais promissor para os portugueses passa pelo reforço, pela autonomia e pela contratualização com o Sector Solidário. Todas as forças partidárias colocaram as políticas sociais e as IPSS nos centros dos seus programas e tentaram seduzir os seus dirigentes - ou deixaram-se seduzir por eles e pelas suas dinâmicas. Ninguém questionou verdadeiramente a opção por um Estado Social e todas as forças partidárias foram unânimes no reconhecimento de que o exercício da cidadania também passa pelo envolvimento de toda a comunidade e das suas instituições na construção de um devir com mais esperança para todos.
Abundância que abafe ou sabedoria que se assume?

3. Para a frente há caminho e há futuro.
O Parlamento saiu reforçado. O Sector Solidário funciona. Um “novo” Governo surgirá.
A força do Sector Solidário, alguns sinais emergentes e a abundância de referências permitem perceber que a acção social é terreno que gera apetites e que, consequentemente, a questão da transferência de competências na área social, do Estado central para o Estado local (autarquias), poderá ser colocada sobre a mesa. Novamente.
Não sendo um tema pacífico nem suficientemente aprofundado, não é tabu.
A acção social é desenvolvida pelo Estado e por outros agentes. Sobretudo pelo Sector Solidário, que é responsável por cerca de setenta por cento do que nessa área se faz entre nós. É este o principal promotor social e é-o por solidariedade. Enquanto a comunidade espera do Estado que estimule a apoie a solidariedade, ao mesmo Estado compete conhecer, reconhecer, patrocinar, coordenar, promover e suprir no que à acção Social concerne.
Para a acção social abrem-se caminhos e estabelecem-se metas, enquanto a solidariedade brota generosamente da comunidade e é uma das suas expressões mais nobres, mais universais e mais expansivas.
As autarquias são Estado. As IPSS não são Estado mas reivindicam autonomia, respeitam o Estado e cooperam com o Estado.
Há competências e há deveres. Do Estado, central ou local (autarquias) e das IPSS.
A experiência da Rede Social merece ser lida. Sendo um bom instrumento ao serviço da coordenação e do incentivo da acção social, pode tornar-se no braço camarário da acção social. Braço controlador e manipulador. Ou bloqueador da solidariedade: bastou dar o passo atribuindo exclusivamente às Autarquias a presidência da Rede Social. Em alguns sítios já se fazem sentir os efeitos.
A transferência de competências é tema que merece ser aprofundado. Com competência, sem atropelos e com moderação.
.

Pde. Lino Maia, Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2009-10-09



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...