A propósito da taxa sobre lucros

1. Contestada por uns, apoiada por outros, a decisão pioneira de instituir, em Itália, um imposto sobre o lucro das petrolíferas, banca e seguros, que, depois de cobrado, será aplicado em causas sociais financiando por essa via programas de assistência social a famílias afectadas pelo aumento dos preços dos combustíveis e dos bens alimentares tem no ministro italiano da Economia e Finanças, Giulio Tremonti, o seu inspirador e promotor.

Agora conhecida como “taxa Robin dos Bosques”, a medida foi aprovada pelo Governo transalpino no dia 18 de Junho e só a cobrança excepcional sobre os stocks de petróleo das companhias deverá render mais de mil milhões de euros por ano, segundo as contas de um jornal económico italiano, enquanto, na banca e nos seguros, as receitas deverão crescer em dois mil milhões de euros.

Aparecendo como uma versão moderna do lendário herói dos Bosques, numa recente entrevista, Tremonti considerou a especulação financeira à volta do petróleo a “praga do século XXI” e está convicto de que o ideal de tirar aos ricos para dar aos pobres se aplica hodiernamente contra as petrolíferas.
Não refeita do choque petrolífero e interrogante quanto à sua incontrolável dimensão, a Comissão Europeia reagiu com alguma simpatia à iniciativa daquele político e está disposta a aceitar que os estados membros da União apliquem uma taxa às petrolíferas sobre os lucros obtidos por via do aumento dos combustíveis para ser encaminhada para “causas sociais”.

A ideia de criar um imposto sobre os lucros das petrolíferas como forma de aliviar a crise dos combustíveis vai ganhando adeptos na Europa e começa a ser tomada a sério em vários países, garantindo o primeiro-ministro português que também entre nós essa medida já está a ser avaliada.
Estará aí uma via de futuro para as causas sociais?


2. O mínimo que se pode dizer da ideia, tributária da velha e admirável máxima que manda aos ricos pagar a crise, é que ela exerce algum fascínio. Será mesmo comovente. E não faltarão as apaixonadas evocações. Porque apaixonadas, alguns, sem a avaliar, serão céleres na sua condenação, enquanto outros, mesmo sem acreditar, com vénias se prostrarão para a incensar.

Na actual conjuntura, o seu patrono idealizou o imposto para três ramos de actividade: petrolíferas, banca e seguros. A Comissão Europeia, visando controlar o preço dos combustíveis, aponta para uma aplicação mais restrita, não deixando perceber por que razão não permite desde já que a mesma medida seja aplicada aos bancos e às grandes empresas do ramo alimentar, que igualmente apresentam chorudos lucros – os primeiros por causa da crise do crédito, as segundas por causa da especulação que faz disparar os preços e causa gigantes problemas em todo o Mundo.

Talvez fosse desejável que a Comissão impusesse um tecto de lucros às empresas: ultrapassando o limite do aceitável, aplicar-se-ia a taxa. O Mundo seria com certeza mais justo e, provavelmente, estaria mais acautelado o perigo da especulação: não se duvide que a aplicação da taxa aos combustíveis, ao gás natural, ao arroz, aos cereais e a outras matérias-primas fará disparar sem o necessário controlo o aumento dos preços por causa dos especuladores que transferirão os novos encargos fiscais.
Os benefícios da “taxa Robin” nas “causas sociais” poderão ser volúveis e a instabilidade poderá prosseguir com efeitos imaginados mas incontroláveis.
É que, em engenho, os especuladores são imbatíveis.


3. A “taxa Robin” reflecte uma intenção correctora quando se propõe que a sua cobrança se destine a causas sociais. E aí radicará a sua bondade.
Porém, poderá não ter qualquer efeito moderador se não for impedida a previsível especulação com transferência indistinta de encargos fiscais. E aí também poderá redundar em inutilidade.
Eficiência económica e promoção de um desenvolvimento solidário da humanidade são finalidades indivisíveis, nunca separadas ou alternativas da economia e, na actividade económica a busca de um lucro equitativo é aceitável enquanto o recurso à usura é moralmente condenável. E a não assunção de responsabilidades sociais por parte das empresas e uma remuneração não ajustada podem ser - e são, efectivamente - expressões da usura a contrariar mais determinadamente, sob pena de se agravarem tanto as desigualdades como os conflitos sociais.

Muito provavelmente os lucros das petrolíferas, da banca, dos seguros e de outras empresas avolumam-se em tempos de crise. Nesses períodos, e não só nesses períodos, os lucros seriam menos chorudos se as remunerações fossem mais ajustadas e as responsabilidades sociais mais assumidas.
Causa social, e imperiosamente oportuna, será a da defesa de salários justos e a da promoção da responsabilidade social das empresas.
Aqui, o Estado tem competências de que não deve abrir mão.
Em nome do bem comum.

* Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2008-07-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...