SER IDOSO:

Privilégio ou pesadelo?

Escrevo esta crónica na manhã do dia 1 de Outubro, Dia Internacional do Idoso!

Tenho ainda na retina uns números que a imprensa apresentou na véspera deste Dia do Idoso, a saber: a população da União Europeia com mais de 65 anos deverá duplicar entre 1995 e 2050, estimando-se que, nessa altura, em Portugal, as pessoas idosas constituam um terço da população do país.

Mais: segundo o Gabinete oficial de Estatísticas da União Europeia, indica que Portugal é dos países da EU onde as pessoas têm menos expectativas de ter uma vida saudável após os 65 anos.

É ainda revelador saber-se que Portugal é dos países europeus onde se regista uma maior taxa de emprego entre as pessoas com idades compreendidas entre os 65 e 69 anos.

Não tem passado despercebido à opinião pública o debate acalorado entre os dois maiores partidos portugueses sobre a melhor forma de garantir uma reforma decente de todos os reformados, mas em especial, de mais de dois milhões de pessoas que, nos próximos 50 anos, terão como único rendimento garantido, as verbas correspondentes a descontos que, na forma de pré-pagamento, foram descontando para os cofres da Segurança Social.

É importante falar dos montantes das reformas.

Porém, reduzir as problemáticas das pessoas que já são idosas e àquelas que, com um pouco de sorte, poderão vir a sê-lo...revela uma falta de ambição da sociedade portuguesa, nela incluindo as famílias, os agentes económicos e os responsáveis políticos!

Existem em Portugal muitas Pessoas para quem ser Idoso é um privilégio: sentem-se acarinhadas pela família, apreciadas pelos amigos e vizinhos, têm bons seguros de saúde e recursos financeiros para satisfazer as suas ambições. Sobretudo...têm um lugar no coração dos seus familiares e amigos.

Porém... muitas centenas de melhores de outros cidadãos portugueses com idade igual ou superior a 65 anos sentem a situação de Idoso mais como um pesadelo que um privilégio, confrontando-se muitos deles com situações de “pobreza, doença e solidão” ao mesmo tempo. E se hoje já são muitos...nos próximos anos serão cada vez mais.

Seria triste, e até um bocadinho maquiavélico, continuar a esperar pelas próximas informações estatísticas que se limitarão a confirmar o que já agora se sabe !

É tempo de agir e não reagir!

O actual Governo tem dado provas de bastante coragem na construção de políticas mais atentas à justiça social e à equidade.

Há ainda um conjunto de temáticas sociais que apenas encontrarão resposta quando todos nos mobilizarmos para a Causa do Direito à Igualdade de Oportunidades, um Direito inscrito na Constituição da República e o único sobre o qual se poderá garantir, de forma consistente, a coesão social e nacional.

Se Todos conseguirmos vencer esta batalha, talvez consigamos que cada vez mais pessoas sintam a Velhice como um Privilégio, diminuindo aquelas que neste momento a sentem como um Pesadelo!

Vamos a isto!

 

Data de introdução: 2006-10-07



















editorial

VACINAÇÃO DOS LARES

(...) Globalmente, a vacinação está a correr bem. Que, com toda a transparência, alguns “dirigentes ativos” foram sendo vacinados. Que tudo deve ser feito para evitar abusos. E que, acontecendo algum abuso, ele tem de ser condenado.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Ao Presidente da República eleito
(...) A si, senhor Presidente da República eleito, felicito-o por ter sido a escolha, maioritariamente, preferida pelos votantes. Saiba que, apesar da limitação de poderes que a...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Na gestão da pandemia não houve planeamento, há arrogância e falta de coragem
(...) Começo por constatar, e penso que não estarei isolado nesta apreciação, que a atividade do governo no último ano tem-se concentrado na gestão da pandemia e...