Educação: Sinal de alarme

Como foi oportunamente divulgado, a nova direcção da CNIS entendeu por bem instituir um CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS, órgão informal de estudo, aprofundamento e apoio à CNIS, enquanto MOVIMENTO SOCIAL, no sentido de identificar temáticas sensíveis e chamá-las à atenção de quantos, Organismos do Estado, Organizações da Sociedade Civil, Associações de Pais, etc. temos por missão dar um contributo para uma MUDANÇA POSITIVA.

Há muito tempo que o sinal de alarme vem tocando a chamar a atenção para a forma como as crianças ( as poucas que vão nascendo) estão a ser tratadas em Portugal. Casos de justiça aparte (que são muitos e andam por aí a preocupar comissões de protecção de menores), são aos milhares as crianças e jovens que fazem do "abandono escolar precoce" uma prática que nos envergonha e deveria comprometer muito mais, enquanto País!

Vamos aos números: no ano 2000 o Conselho da Europa propôs-se reduzir a metade, até 2010, a percentagem de jovens que abandonam o sistema escolar precocemente!
Nesta data (2000) a taxa média de abandono escolar na União Europeia era de 19,3%, tendo o Conselho Europeu pedido esforços aos Estados membros para que, em 2010, essa taxa não fosse superior a 10%.
Portugal que, em 2000, segundo dados do Eurostat, tinha uma taxa de 42.6% (pasme- se!), projecta chegar aos 25% daqui a quatro anos...
Porém, numa auditoria feita à forma como os Estados membros estão a gerir os apoios do Fundo Social Europeu (FSE) para o combate àquele fenómeno, o Tribunal de Contas Europeu sustenta que Portugal está sem estratégia para combater este flagelo, manifestando sérias reservas em relação à concretização do objectivo de reduzir para 25% a taxa de abandono escolar (recorde-se que já em 2000 a taxa europeia era de apenas 19,3%!).
É certo que, em 2004, a percentagem portuguesa passou de 42.6% para 39.4%..mas estamos ainda muito longe dos 19,3% que já em 2000 constitui a percentagem europeia!

O Tribunal de Contas Europeu recordou que em Portugal existiu o PRODEP III (Programa de Desenvolvimento Educativo) para jovens entre os 15 e 18 anos, concluindo que em alguns Estados membros, entre os quais Portugal, as acções de combate ao abandono escolar ou não existiram ou não houve a capacidade de demonstrar a eficácia da sua aplicação.
Confrontados com este "problemão"... poderemos continuar a falar apenas em ATLs, em mais umas centenas de salas de creche e jardins-de-infância, passando ao lado da situação verdadeiramente preocupante de uma percentagem tão grande de abandono escolar?

 

Data de introdução: 2006-05-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...