Allons enfants de la Patrie

1. Em França, o Presidente Chirac acabou por promulgar a lei proposta pelo governo Villepin sobre o chamado CPE - Contrato Primeiro Emprego.
Na resposta, adivinhava-se uma explosão social: greve e paralisação dos liceus (acho que em França ainda lhes chamam assim, ao invés do que o igualitarismo parolo fez em Portugal, que foi acabar com eles, por terem "marca de classe") e das universidades; luta acesa no mundo do trabalho, com a frente sindical ao lado dos estudantes, como sucedera em Maio de 68.
Ainda hoje se discute muito o fenómeno do Maio de 1968, as suas causas, as suas manifestações, os seus efeitos.
Como um jornal salientou no mês passado, é a geração do Maio de 1968 que hoje ocupa o espaço do poder da sociedade francesa - poder político, poder económico, influência intelectual, relevo social -, e que não abre nesse espaço clareiras para o acesso dos jovens adultos franceses.
(E sobram sempre, nas margens, aqueles que ficaram agarrados aos sonhos da juventude e que, quarenta anos depois, ainda pensam que têm 20 anos - e que, em França como noutras paragens, são por isso mesmo chamados "soixante-huitardes retardados").
Não vejo que seja um mal essa adaptação à vida, à realidade e também à gravidade que o decurso do tempo traz necessariamente a todos. Como dizia Willy Brandt "esquerdista aos 20, comunista aos 30, social-democrata aos 40".
Nem me parece saudável, do mesmo modo, que os jovens pautem e meçam o seu comportamento de hoje pelas expectativas que tenham em relação ao sucesso futuro.
Tão fora de sentido é um "soixante-huitarde retardado", como um jovem com a circunspecção e a previsibilidade de um adulto avançado.
(Para isso bastam os jovens das juventudes partidárias, que quase desde o berço - os cueiros, diria Freitas do Amaral - programam a sua carreira de sucesso).

2. Também por isso, esta luta dos jovens franceses tem um aspecto que devemos saudar.
Num tempo em que a sociedade do consumo e da abastança oferece tudo a todos em cada esquina; os conflitos de gerações quase desapareceram, com a desagregação da família nuns casos; e o desaparecimento da autoridade noutros; onde a escassez de crianças lhe confere o papel central no núcleo familiar; com a escola organizada segundo o princípio do prazer, e em que as sanções dantes aplicadas aos alunos são substituídas pelas sovas que estes e os seus familiares ministram aos professores; num tempo assim, é bom que a juventude francesa adira com entusiasmo a uma causa, pegue desta forma numa bandeira.
Mesmo que fosse injusta a luta, e boa a lei, o simples facto de ter conseguido mobilizar o entusiasmo dos vinte anos de tanta gente bastaria para conferir a Dominique de Villepin e a Chirac um crédito porventura maior do que aquele que mereceriam.

3 - Sucede que a lei é má, e a luta justa.
Do que se trata é de uma lei que permite aos patrões - aos empreendedores, como se diz agora - admitir ao trabalho jovens em primeiro emprego e mandá-los para a rua ao fim de dois anos sem ter que invocar nenhum motivo.
Entendem os franceses que o que muito provavelmente sucederá será os patrões explorarem a força de trabalho desses jovens saudáveis em primeiro emprego e, de dois em dois anos, irem renovando stocks, mandando embora uma rodada e admitindo outra, cada uma sempre fazendo o melhor que pode, na esperança de que lhe calhe a sorte de ganhar emprego estável, esperança que o fim do prazo finalmente lhe revelará ser vã.
Estou em crer que, com a maioria dos empresários cá da terra - os que apresentam resultados negativos e, por isso, não pagam impostos -, o panorama seria esse, se a lei fosse essa.
Em França, será igual - pois não é verdade que o capitalismo não tem pátria, como dizia o outro? E tinha razão.
Por cá, no entanto, o Governo está nas boas graças e sobe nas sondagens.
E também não creio que, no sector laboral, alguém pense numa lei como esta.
De modo que nos vai faltando a faúlha que incendeia as almas juvenis, que bem precisadas andam de algum fogo que as mova.
Não haverá um governante que ponha isto em polvorosa?
Talvez o Prof. Freitas do Amaral, quem sabe…? 

* Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2006-04-06



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...