FESTA DA SOLIDARIEDADE, AÇORES, DE 6 A 9 DE OUTUBRO

É tempo de celebrar a vida das IPSS

A pandemia de Covid-19 interrompeu, no ano passado, o curso de edições da Festa da Solidariedade. A 14ª edição estava prevista para os Açores e teve que se esperar um ano para a sua realização em segurança. Vai acontecer no próximo mês de outubro, de 6 a 9, nas Ilhas de S. Miguel e na Terceira.
Apesar de permitir a sua concretização a pandemia obrigou a algumas limitações de espaço e sobretudo de formato. Em vez das grandes concentrações de pessoas motivadas pela passagem da Chama e da Festa, a organização conjunta da CNIS e URIPSSA decidiu apostar em eventos temáticos e iniciativas mais restritas, não deixando de sublinhar o carácter popular que a Festa da Solidariedade sempre acalentou (consultar o Programa nas páginas centrais).
O Governo Regional e os presidentes das Câmaras de Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Praia Vitória acolheram de braços abertos a iniciativa solidária e tudo prometem fazer para que seja um evento seguro e bem sucedido, cumprindo os objetivos a que se propôs.
A esse propósito, o presidente da CNIS lembra que a Festa da Solidariedade tem como objetivo, desde o seu início, “proporcionar um tempo e um espaço para encontro das IPSS, partilhar experiências e saberes, dar a conhecer os valores e a nossa missão solidária, mostrar as boas práticas de cada uma das nossas associadas e, acima de tudo, promover o convívio entre o sector solidário e as comunidades onde se integram e que servem.”
Lino Maia não esquece as condições especiais em que a iniciativa vai decorrer: “Apesar de ainda estarmos em tempo de alguma preocupação, temos também de acreditar que novos tempos de esperança e alegria se aproximam. Esperamos de todas as nossas associadas o maior empenho nesta iniciativa, divulgando e participando, sobretudo àquelas que se situam no âmbito da URIPSSA, por forma a mostrarmos a realidade e a força do sector social solidário, na proteção social às pessoas e famílias que o necessitam e no desenvolvimento social, cultural e económico das comunidades.”
Eleutério Alves, vice-presidente da CNIS, responsável pela organização em nome da Confederação sublinhava na derradeira edição do jornal Solidariedade que a Festa nos Açores vai celebrar a vida das instituições que tanto precisam de um regresso ao normal.
Assim seja.

 

Data de introdução: 2021-09-08



















editorial

DIRIGENTES SOCIAIS

Temos uma grande rede de apoio social de proximidade porque existem no terreno milhares de Instituições de Solidariedade, sustentadas por milhares de homens e mulheres Dirigentes Sociais voluntários. 

inquérito

Como avalia o acordo de cooperação 2021-2022 que a CNIS assinou com o governo?

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

Os valores que escasseiam nos dias de hoje
A preocupação central com o ser humano, a liberdade e o desenvolvimento de uma cultura reformista e de compromisso são, em minha opinião, os três valores mais decisivos no...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Acácio Catarino um amigo das IPSS
Há mulheres e homens que não deveriam morrer. Contrariamente ao pensamento predominante, eu defendo que há gente mesmo imprescindível. Bem diferente é os que vivem como...