ASSEMBLEIA GERAL DA CNIS

Atualização da cooperação tem que estar em linha com a do salário mínimo

Reunida em Assembleia Geral, em Fátima, no passado dia 23 de novembro, a CNIS aprovou o Programa de Ação e o Orçamento para 2020 apresentados pela Direção numa votação que não registou votos contra. O novo ano afigura-se desafiante, com mais e novos constrangimentos para as IPSS, mas a Direção afirmou-se disposta a lutar em sua defesa. Para já, é firme intenção de defender uma atualização da comparticipação pública em linha com a do salário mínimo que será de 5,84%.
Numa das mais participadas, em termos de intervenções, assembleias gerais da CNIS dos últimos anos, o Programa de Ação foi aprovado por 136 votos a favor e duas abstenções, ao passo que o Orçamento 2020, após parecer favorável do Conselho Fiscal, recebeu o voto favorável de 137 instituições e duas abstenções.
A nortear o Programa de Ação da CNIS para o próximo ano está “a convicção de que o ano de 2020 será certamente um ano desafiante para a afirmação do sector social solidário e o desejo que essa afirmação seja mais reconhecida e mais valorizada”, como começou por dizer Eleutério Alves, citando o presidente da CNIS na sua mensagem introdutório do documento.
O «vice» do padre Lino Maia, antes de enumerar algumas das iniciativas previstas para o ano que está prestes a entrar, explanou algumas das prioridades da CNIS, referindo que “será com este enquadramento de desafio e afirmação que a missão de todos se irá cumprir ao longo do ano”.
Eleutério Alves lembrou que “o ano de 2020 inicia um novo tempo político”, com novos protagonistas o que “vai obrigar a um novo ciclo de conversações, diálogo, de negociações”, deixando um alerta: “Vamos acreditar que neste novo tempo, o respeito e o reconhecimento político que vimos registando se mantenha, mas teremos de estar mais atentos e ser mais exigentes no reconhecimento e no respeito dos serviços e departamentos do Estado, porque, como também temos registado e sentido, não tem sido coerente nem acompanhado o pensamento político e em nada tem contribuído para o clima de confiança que se exige entre os parceiros na missão de garantir a paz e bem-estar social dos cidadãos e famílias”.
Perante este cenário, e sabendo-se o histórico recente, o vice-presidente afirmou que “a desconfiança destrói as relações pessoais e institucionais, conduz ao fracasso e tem legitimado e sustentado as ações de fiscalização muitas das vezes ilegítimas, desproporcionadas, sem sentido, com o único objetivo de controlar e mostrar quem manda no sector”, asseverando que “mais do que fiscalizadas, perseguidas e penalizadas, as instituições têm e devem ser acompanhadas e apoiadas”.
Ainda antes de apresentar as iniciativas, Eleutério Alves lembrou algumas dessas dificuldades.
“Temos que lembrar diariamente ao poder político e aos departamentos do Estado que as instituições de solidariedade são entidades autónomas”, sustentou, afirmando: “Na verdade, o que a prática nos tem demonstrado é que as IPSS mais geridas pelos gabinetes e serviços do Estado do que pelos dirigentes”.
A encerrar a introdução, o vice-presidente sublinhou que “a sustentabilidade financeira da CNIS e das associadas afirma-se também neste Programa de Ação como uma das preocupações”.
Nesse sentido, “a política de recursos humanos, seja na vertente dos seus custos, que atingem em média 66% dos custos das instituições, seja na otimização dos quadros de pessoal, ou na formação e qualificação, as baixas comparticipações do Estado nos serviços contratualizados, que não ultrapassam os 35% do seu custo, a baixa média de comparticipação dos utentes e famílias, a inexistência ou dificuldade de acesso a programas ou linhas de financiamento, todas estas condicionantes da gestão serão avaliadas e tratadas” ao longo do ano.
Por seu turno, nos considerandos sobre o Orçamento, Macário Correia, tesoureiro da CNIS, defendeu que “é necessário ser mais solidário e mais correto no pagamento das quotas”, rematando dizendo: “Há uma confusão [com algumas UDIPSS] que não me agrada”.
Findas as apresentações dos dois documentos a levar a votação, foi tempo de os discutir e as IPSS presentes manifestaram-se bastante, demonstrando preocupações e questionando opções, especialmente do Programa de Ação.
Em resposta a algumas delas, o presidente da CNIS sustentou que “o Programa de Ação deve ter em conta os constrangimentos dos programas anteriores e este tem, com um resumo do que se cumpriu”.
É que o novo ano traz mais e novos constrangimentos às IPSS, logo a começar pela a atualização do salário mínimo, em 5,833%, que Direção e demais dirigentes das instituições que intervieram na Assembleia consideraram “justa”, mas também apelaram a que, em sede de Cooperação, a comparticipação do Estado seja de igual valor.
A grande preocupação é com a sustentabilidade das instituições, também porque, para além desta atualização, será necessário aliviar o esmagamento que as demais categorias profissionais têm vindo a sofrer.
“É evidente que a atualização de 5,84% do salário mínimo vai levar a ter que haver uma negociação para as outras categorias profissionais. E assusta-nos o esmagamento que tem existido das outras categorias”, afirmou o padre Lino Maia.
Esta é uma matéria que tem especial relevância na sustentabilidade das instituições e, por isso, “há uma concertação total entre a CNIS e a União das Misericórdias para que insistamos, nesta legislatura, para que a comparticipação pública acompanhe o aumento do salário mínimo”.
Para o presidente da CNIS, “não é sensato pedir uma atualização de 10%, que o devia ser, mas pelo menos que acompanhe a do salário mínimo, que é justa, mas também obriga a outras atualizações salariais”, lembrando ainda que “as instituições pagam 14 meses de salários e recebem 12 na Cooperação”.
Por outro lado, o padre Lino Maia lembrou que “era importante haver outras medidas, como o quadro de pessoal ser gerido pelas instituições ou haver sensatez na fiscalização, que contribuam para a sustentabilidade”, tal como também “a revisão do regime fiscal das IPSS”.
Mais à frente, o líder da CNIS informou as associadas que “já há diálogo como o novo Ministério”, referindo, a propósito da nova Secretaria de Estado da Ação Social, que “é vantajoso, mas não é o que gostaríamos, porque, cada vez mais, as nossas respostas não são apenas ação social”.
Por isso, o padre Lino Maia sugeriu: “Talvez uma Secretaria de Estado na dependência da Presidência do Conselho de Ministros fosse mais vantajoso”.
Por outro lado, revelou que “há vontade do Governo” para que a Adenda 2020 ao Compromisso de Cooperação para o Sector Social Solidário seja concluída em fevereiro.
O arranque do novo ano ficará marcado pela celebração do 39º aniversário da CNIS, que se assinala dia 15 de janeiro.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2019-12-05



















editorial

Alta clínica sem alta social

Um dos aspetos que, desde há vários anos, vem sendo identificado como prejudicando a melhor afetação dos recursos alocados ao funcionamento do SNS consiste no facto de existir um número muito significativo de pessoas que, após um...

Não há inqueritos válidos.

opinião

OPINIÃO DE MARIA JOÃO QUINTELA

Contra a eutanásia
Múltiplas entidades vêm promovendo, desde há vários anos, a formação para profissionais de saúde que lidam com as matérias ligadas ao envelhecimento,...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A política no nosso tempo
O mundo em que vivemos é muito diferente do que foi noutras eras. Hoje, o mundo é mais complexo, mais contestado, mais competitivo, mais diversificado e muito mais dinâmico, já...