COMUNICADO

CNIS tranquiliza IPSS e famílias quanto ao Pré-escolar da rede solidária

No sentido de tranquilizar as IPSS e as famílias relativamente a uma notícia vinda hoje a público e que coloca em causa a legalidade do funcionamento do Ensino Pré-escolar da rede solidária, a CNIS emitiu um comunicado que passamos a publicar na íntegra.

«A propósito da peça jornalística publicada hoje no jornal Público, intitulada «Mais de 70% dos infantários de IPSS inspecionados não têm licença», a CNIS reafirma a posição que sempre defendeu de que a existência de acordo de cooperação entre o Estado e as instituições sociais supõe a existência da autorização de funcionamento.
É entendimento da CNIS que, tal como está inscrito em diversos documentos legais sobre as respostas sociais com acordo de cooperação com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) não necessitam de autorização de funcionamento, uma vez que este supõe a existência de autorização de funcionamento, o mesmo se aplica à resposta de Pré-escolar, apesar de ser um acordo tripartido (Ministério da Educação, MTSSS e IPSS).
Apesar disto, a CNIS e demais organizações representativas do Sector Social e Solidário sempre se mostraram disponíveis para encontrar uma solução que interesse a todas as partes.
Fazendo um pouco de história, convém lembrar que a primeira ação de avaliação à rede solidária de Pré-escolar por parte da Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) aconteceu no ano letivo 2013/2014 sem o envolvimento dos parceiros sociais, que apenas tomaram conhecimento aquando da publicação do relatório.
Dado conhecimento à IGEC do descontentamento da CNIS pela situação, a atitude mudou, passando a haver comunicação e complementaridade na ação das duas entidades.
No ano de 2014/2015, para além de algumas questões a corrigir, as ações da IGEC também detetaram boas práticas e, principalmente, uma elevada percentagem de IPSS que corrigiram procedimentos, seguindo as instruções do relatório anterior. Resumindo: houve melhorias evidentes.
Já o relatório relativo ao ano de 2015/2016 continha uma série de recomendações que necessitavam de ser homologadas pelo ministro da Educação, o que só acabou por acontecer em 2018. No entanto, o ministro remeteu algumas das recomendações para um grupo de trabalho, criado no âmbito do Compromisso de Cooperação 2017-2018, com um caderno de encargos que abarcava esses mesmos aspetos.
E foi em ambiente de cooperação que esse grupo de trabalho, formado pelo MTSSS, ME, ANMP (Associação Nacional de Municípios Portugueses) e organizações representativas do Sector Social Solidário, desenvolveu a sua ação.
O relatório final deste grupo de trabalho ainda não foi concluído, mas a verdade é que os itens que constavam do caderno de encargos foram consensualizados e estão plasmados no Compromisso de Cooperação para o Sector Social e Solidário 2019-2020, que ontem foi assinado na Residência Oficial do Primeiro-Ministro.
Por outro lado, sobre a questão referida na notícia do Público de que 78% das IPSS inspecionadas não tinham direção pedagógica reconhecida pela tutela, a CNIS esclarece que este é um aspeto meramente administrativo, uma vez que a homologação do diretor pedagógico decorre da “obrigação” de ter autorização de funcionamento. Ou seja, esta é uma matéria que decorre da interpretação dada à questão da obrigatoriedade da referida autorização.
Por fim, a CNIS pretende transmitir confiança e tranquilidade a todas as IPSS associadas que têm resposta de Pré-escolar e às famílias, considerando que este é um não-problema, lembrando que as instituições sociais têm acordo de cooperação com o Estado, que, por sua vez, é corresponsável também pelo funcionamento da referida resposta social.

Lino Maia (Presidente da CNIS)

Porto, 12 de julho de 2019»

 

Data de introdução: 2019-07-12



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...